Banner Portal
Uma experiência didáctica com a formulação de problemas matemáticos
PDF

Palavras-chave

Formulação de problemas matemáticos
Criatividade
Cidadania
Intertextualidade
Pós-modernidade

Como Citar

MEDEIROS, Kátia Maria de; SANTOS, Antônio José Barboza dos. Uma experiência didáctica com a formulação de problemas matemáticos. Zetetike, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 87–118, 2007. DOI: 10.20396/zet.v15i28.8647027. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647027. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

A formulação de problemas matemáticos é uma actividade fundamental no desenvolvimento da Matemática, para além de possuir grande potencial didáctico. Consequentemente, a pesquisa por nós efectuada teve como objectivo geral a descrição do modo como os alunos formulam problemas matemáticos a partir de diferentes tipos de textos. E, como objectivos específicos, a análise das alterações estruturais que ocorreram nos problemas formulados em relação aos problemas fechados, ou problemas padrão. Pretendeu também investigar se os alunos entenderam o significado, expresso na relação intertextual, comum a onze textos. Para alcançar esses objectivos, foi proposta a formulação de onze problemas matemáticos, a partir de onze tipos diferentes de textos, apresentados aos alunos em onze sessões distintas. Os resultados mostram que os alunos iniciaram um processo de compreensão sobre a formulação de problemas e estabeleceram uma relação entre a Matemática e o pensamento contextualizado e crítico. Esse processo de compreensão pode contribuir para o desenvolvimento da criactividade e da cidadania.
https://doi.org/10.20396/zet.v15i28.8647027
PDF

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BARNETT, J.C. et al. Problemas nos livros didácticos: complementando-os e entendendo-os. In: KRULIK, S. & REYS, R. E. (Org.). A resolução de problemas na Matemática escolar. Tradução: Hygino H. Domingues e Olga Corbo. São Paulo: Atual, 1998.

BUTTS, T. Formulando problemas adequadamente. In: KRULIK, S. & REYS, R. E. (Org.). A resolução de problemas na Matemática escolar. Tradução: Hygino H. Domingues e Olga Corbo. São Paulo: Atual, 1998.

CAMPOS, E., CURY, M.Z.F. Fontes Primárias: saberes em movimento. Revista da Faculdade de Educação da USP, São Paulo, vol. 23, no.1-2, jan./dez. 1997., -SP.

CÂNDIDO, P.T. Comunicação em Matemática. In: SMOLE, K.S. & DINIZ, M.I. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender Matemática. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

CHICA, C. Por que formular problemas? In: SMOLE, K.S. &DINIZ, M.I. (Org.) Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender Matemática. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

COTES, P. Cinema no vestibular. Revista Época, Editora Globo, Edição 273-11/08/2003.

DANTE, L. R. Tudo é Matemática. São Paulo: Ática, 2004. DAVIS, P., & HERSH, R. A experiência Matemática. Lisboa: Gradiva, 1995.

D’ AMBRÓSIO, U. Por que se ensina Matemática? Disponível em: Acesso em: 03 de setembro de 2003.

FERREIRA, M.G-L. Atlas geográfico. São Paulo: Moderna, 1998, p.31- 32.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GUELLI, O. Matemática. Série Brasil. Ensino Médio/Volume Único. São Paulo: Ática, 2003.

GUIMARÃES, G., OLIVEIRA, I.A.F.G. A resolução de problemas de proporção simples através de desenhos. Anais do IV Encontro Pernambucano de Educação Matemática (EPEM). Recife: UFPE, 1999. (disquete).

HOSMER, P.C. Students can write their own problems. Arithmetic Teacher, 34, dez. 1986.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. Trad. Lúcia Helena Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 1974. 199p.

LIMA, E.L. e Problemuinhas. Revista do Professor de Matemática, 12. SBM. p.55. (CD-ROM), 2002.

LYOTARD, J. F. O pós-moderno. Tradução: Ricardo Correia Barbosa. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1990.

MAREUSE, M.G. Relação Arte, Ciência e novas tecnologias na Pós-Modernidade. Disponível em: http:// www.montessorinet.com.br/sumário.htm.(2004). Acesso em 01 de maio de 2004.

MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para o Ensino Médio: Orientações complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias / Secretaria de Educação Tecnológica – Brasília: MEC; SEMTEC, 2002.

MEDEIROS, K.M., O contrato didáctico e a resolução de problemas matemáticos em sala de aula. Educação Matemática em Revista, SBEM, nº9/10, 2001.

NUNES, T et al. Introdução à Educação Matemática. São Paulo: PROEM, 2001.

PAVANELLO, R.M. Educação Matemática e Criactividade. A Educação Matemática em Revista, SBEM, nº 3. 2º sem. 1994.

PLUVINAGE, F. Didactique de la resolution de problemes. Petit – x, nº 32, p. 5-24, 1992-1993.

SINGH, S. O último teorema de Fermat. 2. ed. Tradução deCalife, J.L. Rio de Janeiro: Recobre, 1998.

WILDE, S. Learning to Write About Mathematics. Arithmetic Teacher. Vol. 38, nº 6, fev. 1991. Tradução: Alexandre da S. Mello – CAEM – IME –USP, 1994.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.