Grupos colaborativos na formação de professores: uma revisão sistemática de trabalhos brasileiros

Autores

  • Maria Aparecida Vilela Mendonça Pinto Coelho Universidade Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i2.8647600

Palavras-chave:

Grupos colaborativos. Formação do professor. Revisão sistemática. Metassíntese qualitativa

Resumo

Este estudo está inserido no grupo de trabalhos da segunda fase do projeto “Mapeamento e estado da arte da pesquisa brasileira sobre o professor que ensina matemática” o qual visou mapear as pesquisas brasileiras produzidas no período de 2001 a 2012, cujo foco de estudo é o professor que ensina Matemática. O objetivo é compreender o grupo colaborativo e suas potencialidades para a formação do professor que ensina Matemática, tomando como objeto de investigação as pesquisas que têm o grupo colaborativo como foco principal de estudo. A metodologia utilizada foi a revisão sistemática, que reúne as pesquisas dos estudos primários selecionados e discute os resultados encontrados, com o objetivo de elaborar   uma metassíntese qualitativa. Concluiu-se que o grupo colaborativo tem potencial para promover o desenvolvimento profissional do professor, sendo uma boa alternativa para a formação continuada. Apesar dos limites, que são contornáveis, os ganhos são muitos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Vilela Mendonça Pinto Coelho, Universidade Paulista

Possui Doutorado em Educação, na Área de Educação Matemática, pela Universidade Estadual de Campinas (2010) e Mestrado também em Educação, pela mesma universidade (2005). Foi professora da Escola Básica durante aproximadamente 20 anos e professora substituta da Universidade Federal de São Carlos, atuando como professora de Metodologia de Ensino e Prática de Ensino e Estágio Supervisionado de Matemática na Escola Básica. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Resolução de Problemas, Aulas exploratório-investigativas, Ensino da Estatística e Formação Inicial e Continuada de professores. Tem privilegiado, como foco de investigação, questões ligadas à perspectiva historico-cultural, com foco no Desenvolvimento Profissional de Professores e nos Grupos Colaborativos.

Referências

Bakhtin, M. M. (2000). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. M. (2004). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Cochran-Smith, & M. Lytle, S. L. (1999, January). Relationships of knowledge and practice: Teacher learning in communities. Review of Research in Education, (24) 249-305.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (2009). Inquiry as stance: practitioner research for the next generation. New York: Teacher College Press.

Coelho, M. A. V. M. P. (2010). Os saberes profissionais dos professores: a problematização das práticas pedagógicas em Estatística mediadas pelas práticas colaborativas. Tese de Doutorado em Educação – Educação Matemática, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Fiorentini, D. (1995). Alguns modos de ver e conceber o ensino da Matemática no Brasil. Zetetiké, 3(4), 1- 37.

Fiorentini, D. (2004). Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In D. Fiorentini, & J. L. Araújo (Orgs.), Pesquisa qualitativa em Educação Matemática (pp. 47-76). Belo Horizonte: Autêntica.

Fiorentini D., Nacarato, A. M., Ferreira, A C., Lopes, C. S., Freitas, M.T.M, & Miskulin, R. G. S. (2002). Formação de professores que ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. Educação em Revista, 36, 137-160.

Fullan, M., & Hargreaves, A. (2000). A escola como organização aprendente – buscando uma educação de qualidade. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Godrey, M., & Denby, T. (2006). The methodology of systematic reviews: conception of the process. Centre for health and Social Care, Instituto of Health Science and Public Research, University of Leeds, UK.

Lima, J. A. (2002). As culturas colaborativas nas escolas. Estruturas, processos e conteúdos. Porto: Porto Editora.

Lopes, A. L. M., & Fracolli, L. A. (2008). Revisão sistemática de literatura e metassíntese qualitativa: considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, 17(4), 771-778. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400020

Nacarato, A. M. (2005). A escola como locus de formação e de aprendizagem: possibilidades e riscos da colaboração. In D. Fiorentini, & A. M. Nacarato (Eds.), Cultura, formação e desenvolvimento professional de professores que ensinam Matemática (pp.175-195). São Paulo: Musa.

Passos, C. L. B., Nacarato, A. M., Fiorentini, D., Miskulin, R. G. S., Grando, R. C., Gama, R. P., ... Melo, M. V. de. (2006). Desenvolvimento profissional do professor que ensina Matemática: uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante, 15(1-2), 193-219.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

COELHO, M. A. V. M. P. Grupos colaborativos na formação de professores: uma revisão sistemática de trabalhos brasileiros. Zetetike, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 345–361, 2017. DOI: 10.20396/zet.v25i2.8647600. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647600. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo