Estágio Curricular Supervisionado nas licenciaturas em Matemática: reflexões sobre as pesquisas brasileiras

Autores

  • Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes Universidade Federal de Santa Maria
  • Maria Auxiliadora Vilela Paiva Instituto Federal do Espírito Santo
  • Patrícia Sandalo Pereira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Simone Pozebon Universidade Federal de Santa Maria
  • Wellington Lima Cedro Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647637

Palavras-chave:

Estado da arte. Professor que ensina matemática. Estágio curricular supervisionado.

Resumo

O presente artigo insere-se no âmbito do projeto “Mapeamento e estado da arte da pesquisa brasileira sobre o professor que ensina Matemática”. Tem como principal objetivo mapear, descrever e analisar pesquisas voltadas ao estágio curricular supervisionado, no que tange aos seus objetivos, principais resultados e conclusões. Adotou-se o estado da arte como metodologia e o corpus de análise foi delimitado a partir dos formulários e dos dados tabulados em uma planilha pela equipe executora do referido projeto. Identificaram-se 20 trabalhos que versavam sobre o tema de interesse da pesquisa, que foram analisados tomando-se por base 5 categorias. Dentre os resultados destaca-se o aumento das pesquisas sobre o tema, bem como a compreensão do estágio como uma etapa que não se restringe à finalização do curso, mas atua como articulador entre a escola de Educação Básica e a Universidade e como um espaço primordial para entender a complexidade da profissão e constituição da identidade docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Departamento de Metodologia do Ensino e dos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e em Educação Matemática e Ensino de Física (PPGEM&EF) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Brasil. Email: anemari.lopes@gmail.com.

Maria Auxiliadora Vilela Paiva, Instituto Federal do Espírito Santo

Doutora em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora do Cefor/Reitoria e do Programa de Pós-Graduação em Ciências e Matemática (EDUCIMAT) do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes).Brasil. Email: vilelapaiva@gmail.com

Patrícia Sandalo Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Professora do Instituto de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEdumat)  da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Brasil. Email: sandalopatricia13@gmail.com

Simone Pozebon, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Brasil.

Wellington Lima Cedro, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Instituto de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Brasil. Email: wellingtonlimacedro@gmail.com

Referências

Ferreira, N. S. A. (2002). As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, 23(79), 257-272.

Fiorentini, D. (2004). A didática e a Prática de Ensino mediadas pela investigação sobre a prática. In J. P. Romanowski, P. L. O. Martins, & S. R. A. Junqueira. (Orgs.), Conhecimento local e conhecimento universal: pesquisa, didática e ação docente (pp. 243-257). Curitiba: Champanhat.

Fiorentini, D. (2006). Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In M. C. Borba (Org.), Pesquisa qualitativa em educação matemática (pp.47-76). Belo Horizonte: Autêntica.

Fiorentini, D., & Castro, F. C. (2003). Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In D. Fiorentini (Org.), Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares (pp. 121-156). Campinas: Mercado de Letras.

Fiorentini, D., Nacarato, A. M., Ferreira, A. C., Lopes, C. S., Freitas, M. T. M., & Miskulin, R. G. S. (2002). Formação de professores que ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. Educação em Revista, 36, 137-160.

Gatti, B. A. (2012). Políticas e práticas de formação de professores: perspectivas no Brasil. In Anais, 16 Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Campinas, SP.

Gatti, B. A., Nunes, M. M. R., Gimenes, N. A. S., Tartuce, G. L. B. P., & Unbehaum, S. G. (2008). Formação de professores para o ensino fundamental: instituições formadoras e seus currículos: relatório de pesquisa. São Paulo: Fundação Vitor Civita.

Mizukami, M. G. (2004). Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Revista Educação, 29(2), 1-11.

Nóvoa, A. (1995). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote.

Pimenta, S. G. (2008). Formação de professores: identidade e saberes da docência. In S. G. Pimenta (Org.), Saberes pedagógicos e atividade docente (pp. 15-34). São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G., & Almeida, M. I. (2014). Estágios supervisionados na formação docente. São Paulo: Cortez.

Ponte, J. P. (2002). Investigar a nossa própria prática. In Grupo de Trabalho sobre Investigação (Ed.). Refletir e investigar sobre a prática profissional (pp. 05-8). Lisboa: APM.

Resolução MEC/CNE (2015, fevereiro). Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte” em educação. Diálogo Educacional, 6(19), 37-50.

SBEM (2003). Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Subsídios para a discussão de propostas para os cursos de Licenciatura em Matemática: uma contribuição da Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Brasília, DF. Retirado em 18 de julho de 2016, de: https://www.academia.edu/4256113/subsidios para a discussão de propostas para os cursos de licenciatura.

Schön, D. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Shulman. L. S. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4¬-14.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2017-04-30

Como Citar

LOPES, A. R. L. V.; PAIVA, M. A. V.; PEREIRA, P. S.; POZEBON, S.; CEDRO, W. L. Estágio Curricular Supervisionado nas licenciaturas em Matemática: reflexões sobre as pesquisas brasileiras. Zetetike, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 75–93, 2017. DOI: 10.20396/zet.v25i1.8647637. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647637. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático - 2017

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)