Histórias da formação e de professores que ensinam Matemática: possíveis aproximações teórico-metodológicas

Autores

  • Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco
  • Andréia Maria Pereira Oliveira Universidade Federal da Bahia
  • Déa Nunes Fernandes Instituto Federal de Educação do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647745

Palavras-chave:

História da formação. História de professores. História oral. Narrativas.

Resumo

Este texto é subproduto do projeto “Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina Matemática: período 2001-2012”. Dois dos focos temáticos identificados no mapeamento são tratados neste estudo: “História da formação do professor que ensina Matemática” e “História do professor que ensina Matemática”. O estudo, cujo corpus reúne 45 pesquisas, buscou identificar as abordagens metodológicas e os referenciais teóricos utilizados e constatar se as pesquisas que focam nas histórias de professores que ensinam Matemática se aproximam dos estudos biográficos. A análise desses dois focos revelou que a aproximação entre eles vai além da questão metodológica: ambos são perpassados pelas vozes do sujeito professor e por seu protagonismo na construção da história da Educação Matemática e da sua própria formação, como constituinte da identidade profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adair Mendes Nacarato, Universidade São Francisco

Graduada em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1975), mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1994) e doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Atualmente é docente da Universidade São Francisco, campus de Itatiba, junto ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Permanente, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, formação de professores, prática pedagógica e narrativas (auto)biográficas. Atua em cursos de extensão voltados à formação docente e ao desenvolvimento curricular em matemática. Realizou estágio de pós-doutoramento junto ao PPGE da UFRN no campo dos estudos biográficos, sob supervisão da Profa. Dra. Maria da Conceição Passeggi. É membro da Comissão Permanente de Avaliação (CPA) da USF e editora da Revista Horizontes. É pesquisadora produtividade/CNPq, nível 2.

Andréia Maria Pereira Oliveira, Universidade Federal da Bahia

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Católica do Salvador (1995), Mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) e Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana (2010). Atualmente, é professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e é credenciada como professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA. É coordenadora da turma especial de Doutorado Interinstitucional (DINTER/CAPES) do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da Universidade Federal da Bahia. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática (ENCIMA) e do Observatório da Educação Matemática (OEM-Bahia). É sócia da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM) e da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED). É coordenadora do GT19 (Educação Matemática) da ANPEd para o biênio 2015-2017.

Déa Nunes Fernandes, Instituto Federal de Educação do Maranhão

Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Maranhão- UFMA (1988), Mestre em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP, campus Rio Claro (2001). Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista- UNESP campus Rio Claro (2011). Membro do grupo de pesquisa " História Oral e Educação Matemática"- GHOEM. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática - GEPEM. Professora do 3º grau do Departamento de Matemática do IFMA. Professora efetiva do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal do Maranhão- UFMA.

Referências

André, M. (2011). Pesquisas sobre formação de professores: tensões e perspectivas do campo. In H. A. Fontoura, & M. SILVA (Orgs.), Formação de professores, culturas: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões In E-book online, 10 Encontro de Pesquisa em Educação da Região Sudeste. Rio de Janeiro: Anped Sudeste, 2011. Retirado em 20 de setembro de 2016, de http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/sobre.html, p.24-36.

Andrade, C. C., & Holanda, A. F. (2010). Apontamentos sobre pesquisa qualitativa e pesquisa empírico-fenomenológica. Estudos de Psicologia, 27(2), 259-268.

Bolívar, A., Domingo, J., & Fernández, M. (2001). La investigación biográfica-narrativa em educación: enfoque y metodología. Madrid: La Muralla.

Clandinin, D. J., & Connelly, F. M. (2011). Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Uberlândia: UDUFU.

Connelly, F. M., & Clandinin, D. J. (1995) Relatos de experiencia e investigación narrativa. In J. Larrosa, R. Arnaus, V. Ferrer, N. Pérez de Lara, F. M. Connelly, D. J. Clandinin, & M. Greene, Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación (pp.11-59). Barcelona: Laertes.

Finger, M.; Nóvoa, A. (2010). Introdução. In Nóvoa, A., & Finger, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, p. 19-29.

Fiorentini, D., Passos, C. L. B., & Lima, R. C. R. (Orgs.). (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina Matemática: período 2001-2012. Campinas: FE-Unicamp. E-book.

Garnica, A. V. M. (2015). História oral em educação matemática: um panorama sobre pressupostos e exercícios de pesquisa. História Oral, 18(2), 35-53.

Larrosa, J. (2002, janeiro/fevereiro/março/abril). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Larrosa Bondía, J. (2014, agosto). 20 minutos na fila: sobre experiência, relato e subjetividade em Imre Kertész (Filipe Santos Fernandes, Trad.). Boletim de Educação Matemática – BOLEMA, 28(49), 717-743.

Nacarato, A. M., Passos, C. L. B., & Silva, H. (2014). Narrativas na pesquisa em Educação Matemática: caleidoscópio teórico e metodológico. Boletim de Educação Matemática – BOLEMA, 28(49), 701-716.

Nóvoa, A. (1992). Vidas de professores. Portugal: Porto.

Nóvoa, A., & Finger, M. (Org.). (2010). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus.

Souza, E. C. (2006). A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, 25(11), 22-39.

Souza, E.C. (2010, julho/dezembro). Pesquisa narrativa, (auto)biografias e história oral: ensino, pesquisa e formação em Educação Matemática. Ciências Humanas e Sociais em Revista, 32(2) 13-27.

Downloads

Publicado

2017-04-30

Como Citar

NACARATO, A. M.; OLIVEIRA, A. M. P.; FERNANDES, D. N. Histórias da formação e de professores que ensinam Matemática: possíveis aproximações teórico-metodológicas. Zetetike, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 46–74, 2017. DOI: 10.20396/zet.v25i1.8647745. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647745. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático - 2017