Formação inicial e continuada de professores que ensinam Matemática na escolarização inicial

Autores

  • Rute Elizabete de Souza Rosa Borba Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647804

Palavras-chave:

Articulação formação inicial-formação continuada. Professor que ensina matemática. Anos iniciais do ensino fundamental.

Resumo

Nesse texto são discutidas cinco dissertações de mestrado das áreas de Ensino e de Educação, concluídas no período de 2008 a 2012, que tratam tanto da formação inicial quanto da formação continuada de professores que ensinam Matemática nos anos iniciais de escolarização. Em três dissertações discutiu-se a colaboração entre pesquisadores de instituições de ensino superior e professores da Educação Básica, um dos estudos discutiu a articulação entre a formação em Pedagogia e a prática de ensino de Matemática e um outro estudo teve a tecnologia como foco. Constatou-se que um bom caminho para a articulação formação inicial-formação continuada são processos que incentivem a cooperação entre diferentes profissionais da escola, incluindo-se aí os professores dos distintos níveis de ensino, de modo que se sintam corresponsáveis pelo desenvolvimento matemático dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rute Elizabete de Souza Rosa Borba, Universidade Federal de Pernambuco

Possui Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1985), Mestrado em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco (1993) e PhD pela Oxford Brookes University (2002). Atualmente é professora da Universidade Federal de Pernambuco. Na graduação ensina Fundamentos do Ensino de Matemática, Desenvolvimento do Raciocínio Combinatório e Pesquisa e Prática Pedagógica.

Referências

André, M. (2009). A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, 1(1), 41-56. Disponível em: http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br

Boavida, A.M. & Ponte, J.P. (2002). Investigação Colaborativa: Potencialidades e problemas. In GTI – Grupo de Trabalho sobre Investigação (Org), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp.43-55). Lisboa: APM.

BRASIL (2001). Parecer CNE/CP nº 09, de 08 de maio de 2001: Institui as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF. Disponível em: portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf

Cavey, L. & Berenson, S. (2005). Learning to teach high school mathematics: Patterns of growth in understanding right triangle trigonometry during lesson plan study. Journal of Mathematical Behavior, 24(01), 171-190.

Charlot, B. (2000). Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed.

Cochran-Smith, M. & Lytle, S. L. (2009). Inquiry as stance: practitioner research for the next generation. New York: Teacher College Press.

Elia, I. & Mulligan, J. (2016, novembro 28). Abstract of TSG 1: Early childhood mathematics education (up to age7). Disponível em: http://www.icme13.org/topic_study_groups

Gatti, B. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, 31(113), 1355-1379.

Jaworski, B. (1993). The Professional Development of Teachers – the Potential of Critical Reflection. British Journal of In-Service Education, 19(32), 37-42.

Moreira, P. & David, M. (2007). A formação matemática do professor: licenciatura e prática docente escolar. Belo Horizonte: Ed. Autêntica.

Nacarato, A. (2005). A escola como locus de formação e de aprendizagem: possibilidades e riscos de colaboração. In D. Fiorentini e A. Nacarato (Orgs.). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam Matemática (pp. 175- 195). São Paulo: Musa Editora.

Nóvoa, A. (1991). Profissão Professor. Porto: Porto Editora.

OECD (1998). Staying Ahead: In-Service Training and Teacher Professional Development. Paris: OECD Publishing.

Pimenta, S. (Org.) (2012). Saberes Pedagógicos e Atividade Docente. (8a. ed.). São Paulo: Cortez Editora.

Roldão. M. C. (2007). A formação de professores como objecto de pesquisa - contributos para a construção do campo de estudo a partir de pesquisas portuguesas. Revista Eletrônica de Educação, 1 (1), 50-118. Disponível em http://www.reveduc.ufscar.br

Salles, S. (2005). Colaboração universidade-escola: contribuições para o desenvolvimento profissional de professores de Matemática. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/91005/salles_s_me_rcla.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Serrazina, L. (1999). Reflexão, Conhecimento e Práticas Lectivas em Matemática num Contexto de Reforma Curricular no 1º Ciclo. Quadrante, 8(02), 139-167.

Serrazina, M. L. (2014). O Professor que Ensina Matemática e a sua Formação: uma experiência em Portugal. Educação & Realidade, 39(4), 1051-1069. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/45902/31459

Tardif, M. (2014). Saberes Docentes e Formação Profissional. (17a. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Zehetmeier, S., & Krainer, K. (2011). Ways of promoting the sustainability of mathematics teachers’ professional development. ZDM—The International Journal on Mathematics, 43(6/7), 875–887. Disponível em: http://link.springer.com/article/10.1007/s11858-011-0358-x

Zeichner, K.M. & Liston, D.P. (1987). Teaching student teachers to reflect. Harvard Educational Review, 57(1), 23-48.

Downloads

Publicado

2017-04-30

Como Citar

Borba, R. E. de S. R. (2017). Formação inicial e continuada de professores que ensinam Matemática na escolarização inicial. Zetetike, 25(1), 117–134. https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647804

Edição

Seção

Dossiê temático - 2017