Teoria da Ação Comunicativa: considerações sobre interdisciplinaridade na educação profissional

  • Deise Aparecida Peralta Universidade Estadual Paulista
  • Harryson Junio Lessa Gonçalves Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Teoria da ação comunicativa. Currículo. Ensino de matemática. Habermas.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar algumas considerações, segundo os princípios habermasianos da Teoria da Ação Comunicativa, sobre  ensino de Matemática em cursos de Educação Profissional no que se refere à aspectos e práticas interdisciplinares. A aproximação da problemática foi feita por meio de análises de prescrições curriculares de cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Observa-se que o pressuposto de abordagem interdisciplinar da Matemática é essencial para a formação dos profissionais técnicos, contudo constata-se a visão funcionalista de interdisciplinaridade, eminentemente pautada em racionalidade técnica, onde as tentativas de articulações entre os diversos componentes curriculares prescindem de fomento à atividade coletiva pressuposto basilar da racionalidade comunicativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deise Aparecida Peralta, Universidade Estadual Paulista
Doutora em Educação para a Ciência e Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Faculdade de Ciências ? campus de Bauru. Graduada em Matemática pelo IBILCE- UNESP/ S.J.Rio Preto. Atua como professora na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) no Departamento de Matemática da Faculdade de Engenharia - câmpus de Ilha Solteira e no Programa Interunidades de Pós-Graduação em Ensino e Processos Formativos (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal). É líder do Grupo de Pesquisa em Currículo: Estudos, Práticas e Avaliação (GEPAC) da UNESP. Tem experiência na área de Ensino de Ciências e Educação Matemática, com ênfase em Organização e Desenvolvimento Curricular e Teoria Crítica (principalmente a vertente Habermasiana), relacionada aos seguintes temas: processos formativos de professores, contextos de implantação e avaliação curricular, diversidade cultural e tecnologias digitais (principalmente ensino de programação e robótica da Educação Infantil ao Ensino Médio). Atualmente, coordena os seguintes projetos de pesquisa: Proposta Curricular para o ensino de programação e robótica (PROEX e PROGRAD), Necessidades Formativas de Professores de Matemática: análise dos currículos das licenciaturas de universidades públicas do estado de São Paulo (FAPESP), Políticas de Implantação Curricular, Avaliação em Larga Escala e Necessidades Formativas de Professores: uma proposta habermasiana de formação para o avaliar.Doutora em Educação para a Ciência e Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela Faculdade de Ciências ? campus de Bauru. Graduada em Matemática pelo IBILCE- UNESP/ S.J.Rio Preto. Atua como professora na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) no Departamento de Matemática da Faculdade de Engenharia - câmpus de Ilha Solteira e no Programa Interunidades de Pós-Graduação em Ensino e Processos Formativos (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal). É líder do Grupo de Pesquisa em Currículo: Estudos, Práticas e Avaliação (GEPAC) da UNESP. Tem experiência na área de Ensino de Ciências e Educação Matemática, com ênfase em Organização e Desenvolvimento Curricular e Teoria Crítica (principalmente a vertente Habermasiana), relacionada aos seguintes temas: processos formativos de professores, contextos de implantação e avaliação curricular, diversidade cultural e tecnologias digitais (principalmente ensino de programação e robótica da Educação Infantil ao Ensino Médio). Atualmente, coordena os seguintes projetos de pesquisa: Proposta Curricular para o ensino de programação e robótica (PROEX e PROGRAD), Necessidades Formativas de Professores de Matemática: análise dos currículos das licenciaturas de universidades públicas do estado de São Paulo (FAPESP), Políticas de Implantação Curricular, Avaliação em Larga Escala e Necessidades Formativas de Professores: uma proposta habermasiana de formação para o avaliar.
Harryson Junio Lessa Gonçalves, Universidade Estadual Paulista
Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP); pedagogo e mestre em Educação pela Universidade de Brasília (UnB); especialista em Design Instrucional para EaD Virtual pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Pós-doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (bolsista de pós-doutorado júnior do CNPq). Atua como professor na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP): no "Departamento de Biologia e Zootecnia" da Faculdade de Engenharia - câmpus de Ilha Solteira; no "Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência" da Faculdade de Ciências - câmpus de Bauru; no Programa Multidisciplinar Interunidades de Pós-Graduação em "Ensino e Processos Formativos" (UNESP São José do Rio Preto/Ilha Solteira e Jaboticabal). É líder do "Grupo de Pesquisa em Currículo: Estudos, Práticas e Avaliação (GEPAC)" da UNESP. Tem experiência na área de "Educação", com ênfase em "Organização e Desenvolvimento Curricular", interesse nos seguintes temas: Educação Matemática, Educação Comparada, Educação Intercultural de Povos Originários, Diversidade Cultural, Escola de Tempo Integral e Educação Profissional. Atualmente, coordena os seguintes projetos de pesquisa: Interdisciplinaridade na Escola: Currículos, Concepções e Práticas (fomentado pelo CNPq), Estudo comparativo sobre o ensino de matemática em currículos de educação profissional técnica: Brasil e Estados Unidos (fomentado pela FAPESP). Trabalhou (2009 a 2013) no "Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo" (IFSP), exercendo as seguintes atividades: diretor do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) e presidente da Comissão de Ética.

Referências

Adorno, T.(1996). Teoria da Semicultura. Educação e Sociedade, n. 56, p. 388-41.

Adorno, T.; Horkheimer, M.(1985). A dialética do Esclarecimento. São Paulo: Zahar.

Bauman, Z.(2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de janeiro: Zahar, 2008.

Brasil (2011). Sondagem especial da CNI. Brasília, Ano 9, n. 2. abr. 2011. Disponível em: http://www.abinee.org.br/informac/arquivos/sondabr.pdf

Brasil (2012a). Resolução CNE/CEB nº 02, de 30 de janeiro de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília: CNE/CEB, 2012a.

Brasil (2012b). Resolução CNE/CEB nº 06, de 20 de setembro de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para a educação profissional técnica de nível médio. Brasília: CNE/CEB, 2012b.

Carvalho, I. C. M. (1998). Em direção ao mundo da vida: interdisciplinaridade e educação ambiental. Brasília: IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas.

D’Ambrosio, U. (2005). Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e pesquisa, 1 (31), 99-120.

Fazenda, I. C. A (2008). Interdisciplinaridade-transdisciplinaridade: visões culturais e epistemológicas. In I.C.A. Fazenda (Org). O que é interdisciplinaridade?(pp 17-28) São Paulo: Cortez, 2008.

Fazenda, I. C. A. (2002). Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Edições Loyola.

Fazenda, I. C. A. (2011) Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo: Papirus.

Fazenda, I. C. A. (2013). Práticas interdisciplinares na escola. 13ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez.

Fazenda, I. C. A; Tavares, D. & Godoy, H. (2015). Interdisciplinaridade na pesquisa científica. Campinas: Papirus.

Gentile, F.R. (2015). Interdisciplinaridade: a essência humana para a sustentabilidade da educação? Interdisciplinaridade, v.1, n.6, pp 37-43.

Gonçalves, H. J. L. & Pires, C. M. C. (2014) Educação matemática na educação profissional de nível médio: análise sobre possibilidades de abordagens interdisciplinares. Boletim de Educação Matemática (Bolema), v. 28, n. 48, pp230-254.

Gonçalves, H. J. L., Dias, A. L. B & Peralta, D. A. P. (2015) O que dizem professores de uma instituição de educação profissional sobre interdisciplinaridade no ensino de matemática. Ciência & Ensino, v. 04, n. 01, pp24-41.

Habermas, J. (1968). Técnica e Ciência como ideologia. Lisboa: Edições 70.

Habermas, J. (1984). Mudança estrutural na esfera pública: investigações quanto a uma categoria de sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Novo Tempo.

Habermas, J. (1987). A nova intransparência: a crise do estado de bem estar social e o esgotamento das energias utópicas. Novos Estudos CEBRAP, n. 18, p. 103-114.

Habermas, J. (2001) Teoría de la Acción comunicativa I: racionalidad de la acción y racionalización social. 3ª ed. Madri: Taurus.

Habermas, J. (2002). Acções, actos de fala, interacções lingüisticamente mediadas e o mundo vivo. In HABERMAS, Jürgen. Racionalidade e comunicação (pp 103-149). Lisboa: Edições 70.

Habermas, J. (2002). O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes.

Habermas, J. (2003). Teoría de la Acción comunicativa II: crítica de la razón funcionalista. 4ª ed. Madri: Taurus.

Horkheimer, M. (1976). Eclipse da Razão. Rio de janeiro: Labor do Brasil.

Horkheimer, M.(1980). Teoria Tradicional e Teoria Crítica. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

Longhi, A. J. (2005). A ação educativa na perspectiva da teoria do agir comunicativo de Jürgen Habermas: uma abordagem reflexiva. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Machado, N. J. (2000). Educação: projeto e valores. São Paulo: Escrituras.

Mateus, L. (2016). A percepção interdisciplinar do aluno do curso técnico em enfermagem sobre cidadania. Interdisciplinaridade, v.1, n.8, pp 47-57.

Matos, O. (1989). Os arcanos do inteiramente outro: A escola de Frankfurt, a melancolia e a revolução. São Paulo: Brasiliense.

Medeiros, A. M. S. (2005). Formação de professores sob a perspectiva da teoria crítica e das políticas educacionais. Educação e Linguagem, ano 8, n. 11, p. 195-210.

Minayo, M. C. S. (1994). Interdisciplinaridade: Funcionalidade ou Utopia? Saúde e Sociedade, 3(2), pp42-64.

Miranda, P. R., Faria, R. C. & Gazire, E. S. (2013). Interdisciplinaridade no ensino de matemática e educação física no PROEJA. Zetetiké: revista de educação matemática, 20 (38), pp111-124.

Mühl, E. H. (2003). Habermas: ação pedagógica como agir comunicativo. Passo Fundo: UPF.

Mühl, E.H.(1999). Racionalidade comunicativa e educação emancipadora. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Peterson, J. C. F. (2015). Desafios para a efetivação de um projeto interdisciplinar na contemporaneidade: Um diálogo com Jürgen Habermas e Ivani Fazenda. Interdisciplinaridade, v.1, n.6, pp 44-55.

Pires, C. M. C. (2004). Formulações basilares e reflexões sobre a inserção da matemática no currículo visando à superação do binômio máquina e produtividade. Educação matemática pesquisa, 6(2), pp29-61.

Prestes, N.H. (1995). A razão, a teoria crítica e educação. In Pucci, B. (Org). Teoria crítica e educação: a questão da formação cultural na Escola de Frankfurt. Petrópolis, RJ: Vozes.

Santomé, J. T. (1998) Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas.

Sgró, M.(2007). Educação pós-filosofia da história: racionalidade e emancipação. San Paulo, SP: Cortez.

Tavares, D. E. (2014) Identidade. In: Fazenda, I. C. A. (Org.). Interdisciplinaridade: pensar, pesquisar e intervir. (pp. 135-139) São Paulo: Cortez.

Tedesco, J. C. (2004). O novo pacto educativo: educação, competitividade e cidadania na sociedade moderna. São Paulo: Ática.

Teodoro, A. (2003). É possível uma política de educação à esquerda? Uma reflexão sobre a possibilidade e esperança de acção política. Revista Lusófona da Educação, n.2, p. 43-51.

Terradas, R. D. (2011). A importância da interdisciplinaridade na educação matemática. Revista da Faculdade de Educação, Ano IX, n. 16, pp 95-114.

Thiesen, J. S. (2008). A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação [online], vol.13, n.39, pp.545-554.

Tomaz, V. S. & David, M. M. M. S. (2011) Interdisciplinaridade e aprendizagem da Matemática em sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.

Publicado
2017-01-20
Como Citar
Peralta, D. A., & Gonçalves, H. J. L. (2017). Teoria da Ação Comunicativa: considerações sobre interdisciplinaridade na educação profissional. Zetetike, 24(3), 378-394. https://doi.org/10.20396/zet.v24i3.8648089
Seção
Artigo