Transcrição da tinta ao braille: apontamentos de algumas diferenças semio-cognitivas

  • Méricles Thadeu Moretti Universidade Federal de Santa Catarina
  • Daiana Zanelato Dos Anjos Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Educação inclusiva. Diferenças semio-cognitivas. Livro didático em braille. Código matemático unificado.

Resumo

Preocupamo-nos, neste trabalho, com a aprendizagem matemática por estudantes cegos. Buscamos analisar duas ferramentas utilizadas em sala de aula para estes estudantes: o Livro Didático de Matemática em Braille (LDMB) e o Código Matemático Unificado (CMU) para a Língua Portuguesa. Os seguintes questionamentos foram o fio condutor no estudo da transcrição do livro didático impresso em tinta para o livro em Braille: em que condições esta transcrição é elaborada? Que diferenças semio-cognitivas importantes surgem? O que ocorre com as expressões matemáticas envolvidas? Apontaremos, neste estudo, diversas dificuldades de aprendizagem matemática que podem ter origem nessas transformações semióticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Méricles Thadeu Moretti, Universidade Federal de Santa Catarina
Professor Titular voluntário da UFSC. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica/PPGECT/CED/CFM/UFSC.

Transcrição da tinta ao braille: apontamentos de algumas diferenças semio-cognitivas

Daiana Zanelato Dos Anjos, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC 2015-2019). Possui Mestrado no PPGECT (2015) e é licenciada em matemática pela UFSC (2009). É professora da rede pública estadual catarinense lotada no município de Palhoça, atuando a nível fundamental e médio.Tem experiência na área de Educação Matemática, nos seguintes temas: matemática, Registros de Representação Semiótica, estudantes cegos e formação de professor.

Referências

Anjos, D. Z. dos. (2008). Tenho um Aluno Cego, e Agora? Monografia Licenciatura em Matemática. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 10 de janeiro, 2016, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/96594

Anjos, D. Z. dos. (2014). CMU – Código Matemático Unificado para a Língua Portuguesa: uma análise de seu uso pelo professor de matemática. In: Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”, VIII, 2014, Sergipe. Anais: Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”, VIII. EDUCON, Sergipe. (pp. 1-11). Retirado em 15 de janeiro, 2016, de: http://educonse.com.br/viiicoloquio.

Anjos, D. Z. dos. (2015). Da Tinta ao Braille: estudo de diferenças semióticas e didáticas dessa transformação no âmbito do Código Matemático Unificado para a Língua Portuguesa – CMU e do Livro Didático em Braille. Dissertação em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 15 de janeiro, 2016, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/135381.

Brandt, C.F.; Moretti, M.T. (2013). Algumas Considerações sobre o ensino do sistema de numeração: discussão de atividades à luz da conceitualização e representação semiótica. Espaço Pedagógico, Passo Fundo, n. 1. (pp. 54-75). Retirado em 16 de janeiro, 2016, de: http://upf.br/seer/index.php/rep.

Brasil (2006). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Código Matemático Unificado para a Língua Portuguesa. Elaboração: Jonir Bechara Cerqueira et al. Brasília: MEC/SEESP.

Brasil (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI.

Campagnaro, M.F.M. (2012). Matemática: 9º Ano. Curitiba: Positivo.

Campagnaro, M.F.M. (2014). Matemática: 9º Ano. Transcrição em Braille: CAP/Florianópolis. Curitiba: Positivo.

Duval, R. (2003). Registros de Representação Semiótica e Funcionamento Cognitivo da Compreensão em Matemática. In: Machado, S.D.A. de (Orgs.). Aprendizagem em Matemática: Registros de Representação Semiótica. (pp. 11-33). Campinas: Papirus.

Duval, R. (2004). Semiosis y pensamiento humano: registros semióticos y aprendizajes intelectuales. Tradução Myrian V. Restrepo. Colômbia: Universidad del Valle.

Duval, R. (2011). Ver e Ensinar Matemática de outra Forma. Entrar no modo matemático de pensar: os registros de representação semióticas. Tradução Marlene A. Dias. São Paulo: PROEM.

Duval, R. (2012). Registros de representação semiótica e funcionamento cognitivo do pensamento. Trad. de M. T. Moretti. Revemat, Florianópolis, v. 7, n. 2. Retirado em 20 de janeiro, 2016 de: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/revemat.

Fernandes, S. H. A. A.; Healy, L. (2007). Transição entre o Intra e o Inter Figural na construção de conhecimento geométrico por estudantes cegos. Educação Matemática em Pesquisa. São Paulo, v. 9, n.1. (pp. 121-153).

Fernandes, S. H. A. A.; Healy, L. (2010). A Inclusão de Alunos Cegos nas Aulas de Matemática: explorando Área, Perímetro e Volume através do Tato. Bolema. Rio Claro (SP), v. 23, n.37. (pp. 1111-1135).

Lüdke, M.; André, M. (1986). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU.

Machado, R. do C. (2009). Descomplicando a escrita Braille: considerações a respeito da deficiência visual. Curitiba: Juruá.

Mello, E.M. (2012). Um estudo das dificuldades enfrentadas por deficientes visuais com as representações matemáticas. In: Encontro de Produção Discente PUCSP/Cruzeiro do Sul, São Paulo. (pp. 1-7).

Moretti, M.T.; Thiel, A.A. (2012). O ensino de matemática hermético: um olhar crítico a partir dos registros de representação semiótica. Práxis Educativa (UEPG. Online), v.7, (pp.379 – 396).

Nolan, C.Y.; Kederis, C.J. (1969). Perceptual factors in Braille Word recognition. New York: American Foundation for the Blind.

Peirce, C.S. (2000). Semiótica. Tradução de J. T. Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva.

Saussure, F. de. (2008). Curso de linguística geral. Tradução de A. Chelini, J. P. Paes, I. Blikstein. São Paulo: Cultrix.

Uliana, M.R. (2013). A Inclusão de alunos cegos nas aulas de matemática das escolas públicas estaduais de Rondônia. In: Encontro Nacional de Educação Matemática, XI, 2013, Curitiba. Anais: Encontro Nacional de Educação Matemática, XI, ENEM. Curitiba. (pp. 1-15).

Unesco. (1994). Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca: Unesco.

Publicado
2017-01-20
Como Citar
Moretti, M. T., & Anjos, D. Z. D. (2017). Transcrição da tinta ao braille: apontamentos de algumas diferenças semio-cognitivas. Zetetike, 24(3), 395-408. https://doi.org/10.20396/zet.v24i3.8648092
Seção
Artigo