Dos livros didáticos para os cadernos de matemática: a emergência dos saberes profissionais

Autores

  • Wagner Rodrigues Valente Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i2.8648206

Palavras-chave:

Matemática a ensinar. Matemática para ensinar. Livro didático de matemática. Formação de professores que ensinam matemática.

Resumo

O texto analisa a emergência dos saberes profissionais do professor que ensina matemática a partir da inclusão de novas referências que são constituídas no estado de São Paulo, desde finais do século XIX. A análise leva em consideração as categorias “saber a ensinar” e “saber para ensinar” vindas de estudos que conjugam o desenvolvimento histórico-didático da formação de professores. Como documentos de pesquisa o estudo lança mão de livros didáticos e cadernos de aulas indicados para o trabalho dos professores que ensinam matemática. Os resultados do estudo mostram que a passagem de uma cultura do ensino secundário para o estabelecimento de uma formação profissional do professor tem lugar nos saberes objetivados pelos novos materiais, pelos cadernos de aulas. Tais materiais configuram saberes pedagógicos, saberes para ensinar, a “matemática para ensinar” como referência profissional do professor que ensina matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Rodrigues Valente, Universidade Federal de São Paulo

Livre Docente em Educação pela Universidade Federal de São Paulo. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência da UNIFESP. Coordenador do GHEMAT – Grupo de Pesquisa em História da Educação Matemática. Brasil.

Referências

Borer, V. L. (2009). Les savoirs: un enjeu crucial de l'institutionnalisation des formations à l'enseignement. In Rita Hofstetter et al. Savoirs en (trans)formation – Au cœur des professions de l’enseignement et de la formation (pp. 41-58). Bruxelles: Éditions De Boeck Université.

Costa, D. A. (2010). A Aritmética escolar no ensino primário brasileiro: 1890-1946. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática).

Hofstetter, R., & Schneuwly, B. (2009). Introduction – Savoirs en (trans)formation - Au coeur des professions de l’enseignement et de la formation. In R. Hofstetter & B. Schneuwly (Éds.). Savoirs en (trans)formation – Au cœur des professions de l’enseignement et de la formation (pp. 7-40). Bruxelles: Éditions De Boeck Université.

Lopes da Silva, M. C. (2008). A presença da matemática na formação do professor do ensino primário no estado de São Paulo, no período de 1890 a 1930. Retirado em 19 de setembro, 2016, de: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp074998.pdf.

Nacarato, A. M. (2005). Eu trabalho primeiro no concreto. São Paulo. SBEM-SP: Revista de Educação Matemática, 9 (9-10), 1-6.

Pinheiro, N. V. L. (2013). Escolas de práticas pedagógicas inovadoras: intuição, escolanovismo e matemática moderna nos primeiros anos escolares. Retirado em 19 de setembro de 2016 de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/104911.

Pinheiro, N. V. L., & Valente, W. R. (2015). Chega de decorar a tabuada! As Cartas de Parker e a árvore do cálculo na ruptura de uma tradição. Retirado em 19 de setembro, 2016, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/160388.

Portela, M. S. (2014). As Cartas de Parker na matemática da escola primária paranaense na primeira metade do século XX: circulação e apropriação de um dispositivo didático. Retirado em 19 de setembro, 2016, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/128465.

Silva, N. F. L. (1988). A ideia de educação em José Feliciano de Oliveira. Dissertação de Mestrado em Educação. Campinas, SP: UNICAMP – Faculdade de Educação, 1988.

Souza, R. F. (1998). Templos de Civilização: a implantação da Escola Primária Graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Fundação Editora da UNESP.

Tanuri, L. M. (2000). História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, 14, 61-88.

Valente, W. R. (2007). Uma história da matemática escolar no Brasil, 1730-1930 (2a. ed.). São Paulo: Editora Annablume/FAPESP.

Valente, W. R. (2011). A matemática na formação do professor do ensino primário – São Paulo, 1875-1930. São Paulo: Editora Annablume/FAPESP.

Valente, W. R. (2014). Lourenço Filho e o moderno ensino de aritmética: produção e circulação de um modelo pedagógico. História da Educação. Porto Alegre: Asphe, UFRGS, 18 (44), 61-77.

Valente, W. R. (2016). Os movimentos da matemática na escola. Pensar a Educação em Revista. Retirado 19 de setembro, 2016, de: http://www.pensaraeducacaoemrevista.com.br/vol_2/vol_2_no_2_full.html.

Zuin, E. S. L. (2007). Por uma nova Arithmetica: o Sistema Métrico Decimal como um saber escolar em Portugal e no Brasil oitocentistas. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática).

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

Valente, W. R. (2017). Dos livros didáticos para os cadernos de matemática: a emergência dos saberes profissionais. Zetetike, 25(2), 254–264. https://doi.org/10.20396/zet.v25i2.8648206

Edição

Seção

Artigo