Políticas públicas de formação continuada de professores dos anos iniciais em Matemática

  • Sueli Fanizzi Universidade de Mogi das Cruzes
  • Vinício Macedo Santos Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Formação continuada de professores. Anos iniciais do ensino fundamental. Ensino de Matemática. Ciclo contínuo de políticas públicas

Resumo

Este estudo investiga as políticas públicas de formação continuada de professores dos anos iniciais, em Matemática, da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, no período de 2005 a 2012, a partir da análise de documentos, da observação de encontros de formação continuada e de entrevista com professores. Como base no ciclo contínuo de políticas públicas de Stephen Ball, pode-se afirmar que não há uma aplicação imediata daquilo que é estabelecido nos textos oficiais e que não há, por parte do professor, apropriação e uso direto das orientações recebidas em encontros de formação continuada. Entre a determinação de uma política pública e a aprendizagem do aluno, há várias interpretações dos textos e ações oficiais e, consequentemente, descontinuidades. Conclui-se que a formação continuada mais adequada é aquela que oferece ao docente um espaço onde sua “voz”, constituída pelas recontextualizações que ele faz do currículo e do ensino da Matemática, seja, de fato, considerada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sueli Fanizzi, Universidade de Mogi das Cruzes
Professora Doutora do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada (EDM) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo na área Ensino de Matemática. Professora do curso de Pedagogia da Universidade de Mogi das Cruzes (Campus Villa Lobos). Autora da Editora FTD.
Vinício Macedo Santos, Universidade de São Paulo
Professor Titular do Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada (EDM) na área Ensino de Matemática.

Referências

André, M. (2010). Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Revista Educação, 33(3), 174-181. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8075/5719.

André, M., Almeida, P., Hobold, M., Ambrosetti, N., Passos, L., & Manrique, A. (2010). O trabalho docente do professor formador no contexto atual das reformas e das mudanças no mundo contemporâneo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 91(227), 122-143. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/606/587.

Ball, S. (2001). Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem fronteiras, 1(2), 99-116. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/ball.pdf.

Ball, S. (2006). Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem fronteiras, 6(2), 10-32. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/ball.pdf.

Chizzotti, A. (2003). A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), 221-236. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=37416210.

Dias, R. E. (2009). Ciclo de políticas curriculares na formação de professores no Brasil (1996 – 2006). Tese de Doutorado em Educação. Rio de Janeiro: Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Retirado em 21 de outubro, 2014, de:

http://www.curriculo-uerj.pro.br/imagens/pdfTeses/CICLO_DE_P_71.pdf.

Ferreira, A. C. (2003). Um olhar retrospectivo sobre a pesquisa brasileira em formação de professores de matemática. In: D. Fiorentini (Org.). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares (pp. 19-40). Campinas: Mercado de Letras.

Fundação Victor Civita (2011). Formação continuada de professores: uma análise das modalidades e das práticas em estados e municípios brasileiros – relatório final. São Paulo: Fundação Carlos Chagas. Retirado em 21 de outubro, 2014, de: http://fvc.org.br/pdf/relatorio-formacao-continuada.pdf.

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed.

Lopes, A. C. (2005). Política de currículo: recontextualização e hibridismo. Currículo sem Fronteiras, 5(2), 50-64. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol5iss2articles/lopes.pdf.

Lopes, A. C. (2006). Discursos nas políticas de currículo. Currículo sem Fronteiras, 6(2), p. 33-52. Retirado em 21 de fevereiro, 2017, de: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/lopes.pdf.

Moreira, P. L., & David, M. M. M. S. (2005). A formação matemática do professor: licenciatura e prática docente escolar. Belo Horizonte: Autêntica.

São Paulo (SP). Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. (2008). Guia de planejamento e orientações didáticas para o professor do 4º ano do Ciclo I. São Paulo: SME/DOT. Retirado em 22 de janeiro, 2015, de: http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/17248.pdf.

São Paulo (SP). Secretaria Municipal de Educação, Fundação Padre Anchieta. (2010). Cadernos de apoio e aprendizagem: Matemática. Programa de orientações curriculares. Livro do professor. 5º ano/4º ano do ensino fundamental de oito anos. São Paulo: Fundação Padre Anchieta.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Publicado
2017-12-27
Como Citar
Fanizzi, S., & Santos, V. M. (2017). Políticas públicas de formação continuada de professores dos anos iniciais em Matemática. Zetetike, 25(3), 457-473. https://doi.org/10.20396/zet.v25i3.8648349
Seção
Artigo