Reflexões sobre a ação pedagógica no desenvolvimento da modelagem matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i2.8648493

Palavras-chave:

Intervenção pedagógica. Modelagem matemática. Educação estatística. Autonomia

Resumo

Este trabalho buscou ampliar compreensões acerca da ação pedagógica em ambientes de aprendizagem na perspectiva de modelagem matemática. Para isso, realizou-se uma pesquisa de natureza qualitativa. Tomaram-se, como objeto de análise, as ações e os diálogos realizados em um contexto específico de ensino e aprendizagem entre uma professora e seus alunos de uma turma de quinto ano de uma escola municipal. A pesquisa possibilitou observar que, no desenvolvimento da tarefa de modelagem, a intervenção pedagógica variou de acordo com as necessidades dos estudantes e os objetivos da atividade. Essa constatação leva à conclusão de que a mudança de atitude do docente no decorrer do processo é decorrente da natureza dinâmica da investigação na perspectiva da modelagem matemática, a qual exige diferentes graus de intervenções, de modo a contribuir para o desenvolvimento de conceitos, atitudes e raciocínios específicos, levando em conta a autonomia para a construção de conhecimentos pelos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luzinete Oliveira Mendonça, Universidade Cruzeiro do Sul

Licenciada em Matemática no Centro Universitário FIEO em 2000. Realizou aperfeiçoamento em Estatística na Universidade de São Paulo em 2006, especialização em Educação Matemática na Faculdade Oswaldo Cruz em 2007, mestrado em 2008 e doutorado em 2015, ambos em Ensino de Ciências e Matemática na Universidade Cruzeiro do Sul. Atuou como professora na rede estadual de São Paulo de 2001 a 2012, na Universidade Paulista Interativa de 2009 a 2012 e na Universidade de Sorocaba em cursos de pós-graduação de Psicopedagogia de 2009 até 2013. 

Celi Espasandin Lopes, Universidade Cruzeiro do Sul

Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade de Taubaté (1985), graduação em Licenciatura Plena Em Pedagogia pela Faculdade de Educação de Guaratinguetá (1987), Aperfeiçoamento em Matemática Pura pelo IMECC/UNICAMP, Especialização em Modelagem Matemática no Meio Ambiente pela UNESP/Guaratinguetá, mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1998), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2003) e pós-doutorado na The University of Georgia (UGA) com financiamento Fapesp (2008). Durante o doutoramento realizou estágio de pesquisa na Universidade de Granada (Espanha) e na Universidade de Lisboa (Portugal). 

Referências

Arteaga, P., Batanero, C. R., Cañadas G. R., & Contreras, M. (2013, fevereiro). Prospective primary school teachers’ errors in building statistical graphs. In Anais of 8th Congress of European Research in Mathematics Education (pp. 1-10). Antalya, Turkey: CERME.

Barbosa, J. C. (2001). Modelagem na educação matemática: contribuições para o debate teórico. In Anais da 24a. Reunião Anual da ANPED (pp. 1-15). Caxambu: ANPED.

Barbosa, J. C. (2004). As relações dos professores com a Modelagem. In Anais do 8.º Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-17). Recife: SBEM. CD-ROM.

Barbosa, J. C. (2006). A dinâmica das discussões dos alunos no ambiente de modelagem matemática. In Anais do 3.º Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1-12). Águas de Lindóia: SBEM. CD-ROM.

Barbosa, J. C. (2007). A prática dos alunos no ambiente de modelagem matemática: o esboço de um framework. In J. C. Barbosa, A. Caldeira & J. Araújo (Orgs.), Modelagem matemática na educação matemática brasileira: pesquisas e práticas educacionais (pp. 161-74). Recife: SBEM.

Barbosa, J. C., & Santos, M. A. (2007). Modelagem matemática: perspectivas e discussões. In Anais do 9 Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). Recife: SBEM.

Bassanezi, R. C. (2004). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática (2a ed.). São Paulo: Contexto.

Batanero, C. (2009). Retos para la formación estadística de los profesores. In Actas do 2 Encontro de probabilidade e Estatistica na escola (pp. 7-21). Braga: Universidade do Minho.

Biembengut, M. S., & Vieira, E. M. (2013). Mathematical modeling in teacher education courses: style of thought in the international community. ICTMA. In Proceedings of the 8th Congress of European Research in Mathematics Education. Antalya: Cerme. Retirado em 22 de janeiro, 2017, de: http://cerme8.metu.edu.tr/wgpapers/WG6/WG6_Salett_Biembengut.pdf.

Blum, W., & Ferri, R. B. (2009). Mathematical modelling: can it be taught and learnt? Journal of Mathematical Modeling and Application, 1(1), 45-58.

Chaves, M. I. A. (2012). Percepções de professores sobre repercussões de suas experiências com modelagem matemática. Tese de Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas. Belém: Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará.

Chick, H., & Pierce, R. (2010). Helping teachers to make effective use of real-world examples in Statistics. In Proceedings of the 8thInternational Conference on Teaching Statistics (pp. 1-5). Ljubljana: IASE.

Ferri, R. B. (2006). Theoretical and empirical differentiations of phases in the modeling process. ZDM, 38(2), 86-95.

Ferri, R. B. (2008). Insight into teacher’s unconscious behavior while dealing whit mathematical modeling problems and implications for teacher education. In Anais do Symposium on the Occasion of the 10th Anniversary of ICMI (pp. 1-5). Roma: ICMI.

Garnica, A. V. M. (2004). História oral e educação matemática. In: M. C. Borba & J. L. Araújo (Orgs.), Pesquisa qualitativa em Educação Matemática (pp. 77-98). Belo Horizonte: Autêntica.

Kaiser, G., & Sriraman, B. (2006). A global survey of international perspectives on modelling in mathematics education. Zentralblatt für Didaktik der Mathematik, 38(3), 302-310.

Libâneo, J. C. (2010). O ensino da didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de Pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 91(229), 562-583. Retirado em 22 de janeiro, 2017, de: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/630.

Lopes, C. E. (2003). O conhecimento profissional dos professores e suas relações com estatística e probabilidade na educação infantil. Tese de Doutorado em Educação. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Mendonça, L. O. (2008). A Educação Estatística em um ambiente de modelagem matemática no ensino médio. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul.

Mendonça, L. O. (2015). Reflexões e ações de professores sobre modelagem matemática na Educação Estatística em um grupo colaborativo. Tese de Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul.

Mendonça, L. O., & Lopes, C. E. (2011a). A ação pedagógica em ambientes de modelagem matemática: uma discussão a partir da própria prática. In Anais da 7 Conferência Nacional sobre Modelagem na Educação Matemática (pp. 1-18). Belém: UFPA.

Mendonça, L. O., & Lopes, C. E. (2011b). Modelagem matemática: um ambiente de aprendizagem para a implementação da Educação Estatística no Ensino Médio. Bolema, 24(40), 701-724.

Mendonça, M. C. (1993). Problematização: um caminho a ser percorrido em Educação Matemática. Tese de Doutorado em Educação. Camapinas: Universidade Estadual de Campinas.

Oliveira, A. M. P. (2010). Modelagem matemática e as tensões nos discursos dos Professores. Tese de Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências. Salvador: Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana.

Silva, D. K., & Dalto, J. O. (2011). Modelagem matemática na formação de professores: compartilhando uma experiência. In L. M. W. Almeida, J. L. Araújo & E. Bisognin (Orgs.), Práticas de modelagem matemática na Educação Matemática (pp. 181-200). Londrina: Eduel.

Síveres, L. (2016). O diálogo na educação: uma relação entre o dialógico e a dialogicidade. In L. Síveres (Org.), Diálogo: um princípio pedagógico (pp.15-30). Brasília: Liber Livro.

Skovsmose, O. (1990). Reflective knowledge: its relation to the mathematical modelling process. International Journal of Mathematical Education in Science and Technology, 21(5), 765-779.

Wild, C., & Pfannkuch, M. (1999). Statistical thinking in empirical enquiry. International Statistical Review, 67(3), 223-65. Retirado em 22 de janeiro, 2017, de: http://iase-web.org/documents/intstatreview/99.Wild.Pfannkuch.pdf.

Zaslavsky, A. (2017). Ação pedagógica, ação comunicativa e didática. Conjectura: Filos. Educ., 22(1), 69-81. Retirado em agosto, 2017, de: file:///C:/Users/Luzinete/Downloads/4435-18674-1-PB.pdf.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

MENDONÇA, L. O.; LOPES, C. E. Reflexões sobre a ação pedagógica no desenvolvimento da modelagem matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 305–323, 2017. DOI: 10.20396/zet.v25i2.8648493. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8648493. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo