Estudo da experiência de uma Comunidade de Aprendizagem docente no Portal da Amazônia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8649997

Palavras-chave:

Educação Matemática. Comunidades de Aprendizagem do Professor. Formação do Professor. Anos Iniciais.

Resumo

Baseado nos dados produzidos pelas reuniões do grupo de estudo e trabalho pedagógico do Projeto de Pesquisa GETEMAT, ocorridas na cidade de Vilhena – RO, buscou-se caracterizá-lo como uma comunidade de aprendizagem do professor e entender o tipo de conhecimento que foi construído pelo grupo, utilizando o referencial teórico desenvolvido por Cochran-Smith e Lytle, especialmente nos trabalhos de 1993, 1999 e 2009.  Os dados possibilitaram que se analisasse o grupo de acordo com as características-chave de uma comunidade de aprendizagem apresentadas pelas autoras, bem como o tipo de conhecimento gerado pelo grupo. Os indícios encontrados no material produzido pelos participantes permitem afirmar que o grupo criou um espaço de aprendizagem para os docentes, constituindo-se efetivamente em uma comunidade de aprendizagem do professor, que produziu especialmente um conhecimento para a prática docente.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, U. F. (2003). Temas transversais e a estratégia de projetos. São Paulo: Moderna.

Campos, W. R., & Müller, M. C. (2009). A utilização de jogos no ensino da matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. In: Anais do II Seminário de Educação: interculturalidade, políticas públicas e educação escolar. Rolim de Moura (RO): Departamento de Educação.

Carvalho, D. L., & Conti, K. (Org.). (2009). Histórias de colaboração e investigação na prática pedagógica em matemática. Campinas: Alínea.

Carvalho, D. L., & Pamplona, A. S. (2009). Comunidades de prática e conflitos de identidade na formação do professor de matemática que ensina estatística. In: D. Fiorentini, R. C. Grando, & R. G. S. Miskulin (Orgs.). Práticas de formação e de pesquisa de professores que ensinam matemática (pp. 211-231). Campinas: Mercado de Letras.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (1993). Inside/Outside: teacher research and knowledge. New York: Teachers College Press.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (1999). Relationship of knowledge and practice: Teacher learning in the communities. Review of Research in Education, 24, 249-305.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (2002). Teacher Learning Communities. In J. Guthrie (Ed.). Encyclopedia of Education (2nd ed.). New York: Macmillan.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (2009). Inquiry as stance: practitioner research for next generation (pp. 118-166). New York: Teacher College Press.

Curi, E. (2005). A matemática e os professores dos anos iniciais. São Paulo: Musa.

Fiorentini, D. (2013). A investigação em Educação Matemática desde a perspectiva acadêmica e profissional: desafios e possibilidades de aproximação. Cuadernos de Investigación y Formación en Educación Matemática, 8(11), 61-82.

Fiorentini, D., & Cristovão, E. M. (2007). Histórias e investigações de/em aulas de matemática. Campinas: Alínea.

Fiorentini, D., & Espinosa, A. J. (Orgs.) (2003). Histórias de aulas de matemática: compartilhando saberes profissionais. Campinas: Gráfica FE: CEMPEM – Faculdade de Educação – Unicamp.

Fiorentini, D., & Miorim, M. A. (1990). Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no ensino da matemática. Boletim SBEM-SP. 4(7), 5-10.

Fiorentini, D., & Nacarato, A. M. (Org.). (2010). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática. São Paulo: Musa.

Gimenes, J., & Penteado, M. G. (2008). Aprender Matemática em grupo de estudos: uma experiência com professoras de séries iniciais. Zetetiké, 16(29), 73-92. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647036/13937.

Guthrie, J. (Eds.). (2002). Encyclopedia of Education (2nd ed.). New York: Macmillan.

Lopes, C. A. E. (Org.). (2003). Matemática em projetos: uma possibilidade. Campinas: FE/UNICAMP.

Moura, M. O. (2000). A séria busca no jogo: do lúdico na Matemática. In T. M. Kishimoto, (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação (pp.73-87). São Paulo: Cortez.

Moura, M. O., Araújo, E. S., Moretti, V. D., Panossian, M. L., & Ribeiro, F. D. (2010). Atividade Orientadora de Ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Rev. Diálogo Educ., 10(29), 205-229. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/download/3094/3022.

Müller, M. C. (2010). Grupo de estudo e trabalho pedagógico de ensino de matemática: formação continuada de professores dos anos iniciais para o ensino de Matemática. In Anais do 17º COLE. Campinas, SP: ALB. Retirado em 31 de outubro, 2012, de http://alb.org.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem20/COLE_1954.pdf

Müller, M. C. (2011). Formação continuada de docentes dos anos iniciais: a proposta do GETEMAT. In Anais XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática. Recife, PE: EDUMATEC-UFPE. Retirado em 30 de outubro, 2012, de http://www.cimm.ucr.ac.cr/ocs/index.php/xiii_ciaem/xiii_ciaem/paper/view/374.

Müller, M. C. (2014). GETEMAT – uma experiência de formação de professores dos anos iniciais em uma comunidade de aprendizagem. In: M. A. Gonçalves Júnior, E. M. Cristovão, & R. C. R. Lima (Orgs.). Grupos colaborativos e de aprendizagem do professor que ensina matemática: repensar a formação de professores é preciso! (pp. 40-49). Campinas, SP: FE/UNICAMP. Retirado em 10 de agosto, 2017, de https://issuu.com/marcosantoniogoncalvesjr/docs/i_simp_gcapemat_140710_web_jul10

Muniz, C. A. (2009). Diversidade dos conceitos das operações e suas implicações nas resoluções de classes de situações. In: G. Guimarães, & R. Borba (Org.). Reflexões sobre o ensino de matemática nos anos iniciais de escolarização (pp. 101-108). Recife: SBEM.

Nacarato, A. M. (2005). Eu trabalho primeiro no concreto. Revista de Educação Matemática, 9(9-10), 1-6.

Nacarato, A. M., Mengali, B. L. S., & Passos, C. L. B. (2009a). A formação matemática da professora polivalente: desafios de ensinar o que nem sempre aprendeu. In: Nacarato, A. M., Mengali, B. L. S., & Passos, C. L. B. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender (pp. 15-38). Belo Horizonte: Autêntica.

Nacarato, A. M., Mengali, B. L. S., & Passos, C. L. B. (2009b). A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica.

Panizza, M. (2006). Ensinar Matemática na Educação Infantil e nas séries iniciais: análise e propostas. Porto Alegre: Artmed.

Pimenta, S. G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, 31(3), 521-539.

Skovsmose, O. (2000). Cenários para investigação. Bolema – Boletim de Educação Matemática, 13(14), 66-91.

Toledo, M., & Toledo, M. (1997). Didática de Matemática: como dois e dois. São Paulo: FTD.

Downloads

Publicado

2018-06-13

Como Citar

Müller, M. C., & Lucchesi de Carvalho, D. (2018). Estudo da experiência de uma Comunidade de Aprendizagem docente no Portal da Amazônia. Zetetike, 26(2), 299–317. https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8649997

Edição

Seção

Artigo