Aldeia, Matemática e Escola Indígena: apropriação de práticas discursivas por estudantes Pataxó

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v26i1.8650482

Palavras-chave:

Apropriação de práticas sociais. Práticas discursivas da matemática escolar. Matemática tradicional indígena. Educação escolar indígena.

Resumo

O estudo que aqui apresentamos analisa como apropriação de práticas discursivas de e sobre matemática os posicionamentos de licenciandos e de licenciandas da etnia Pataxó de um Curso de Formação Intercultural para Educadores Indígenas, configurados em jogos discursivos que contemplam relações entre matemática tradicional (das aldeias) e a matemática escolar, e entre a educação escolar e a educação escolar indígena. Esses posicionamentos são tomados como disposição metacognitiva de natureza não apenas semântica, mas pragmática. O material empírico deste estudo foi produzido no acompanhamento de uma turma de licenciatura em matemática de um Curso Intercultural, em que foram adotados procedimentos etnográficos. Na seleção e no tratamento desse material, recorremos a referências da análise dialógica do discurso. Os posicionamentos assumidos pelos(as) licenciandos(as) indígenas nos obrigam a refletir sobre as possibilidades de uma Educação Escolar Indígena na qual sejam contemplados, para além das habilidades matemáticas individuais, os diferentes modos culturais de significar e construir formas próprias de participar de práticas sociais que envolvem matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruana Priscila da Silva Brito, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre e Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora do “Centro Pedagógico” - Escola de Educação Básica e Profissional da UFMG (CP/EBAP/UFMG).  Belo Horizonte-MG, Brasil.

Maria da Conceição Ferreira Reis Fonseca, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Educação pela Unicamp. Professora Titular da Faculdade de Educação (FaE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte-MG, Brasil. Endereço para correspondência: DMTE/FaE/UFMG.

Referências

Bakhtin, M. M. (1997). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (1997a). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Braint, Beth. (2006). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto.

Baniwa, G. S. L. (2010). Os saberes indígenas e a escola. Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino/ENDIP. Belo Horizonte. Retirado em 20 de março, 2010, de: http://www.cinep.org.br/uploads/580272e6a30f763675251a3e394524baef26de85.pdf.

Bautier, E. (1995). Pratiques langagières, pratiques sociales: de La sociolinquistique à la sociologie Du langage. Paris: L’Harmattan.

Brasil. (2013). Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Indígena. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI. (374p).

Brito, R. P. S., & Fonseca, M. C. F. R. (2017). Apropriação de práticas discursivas da matemática escolar: considerações a partir de uma experiência de formação intercultural de educadores indígenas. Bolema, 31(58), 542-563.

Chartier, R. (2003). Leituras e leitores na França do antigo regime. Tradução Álvaro Lorencini. São Paulo: UNESP.

Ferreira, M. K. L. (2002). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global.

Fleuri, R. A. (2003). Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, 23, 16-35.

Fonseca, M. C. F. R. (2009). Conceito(s) de numeramento e relações com o letramento. In C. E. Lopes & A. D. Nacarato. Educação Matemática, leitura e escrita: armadilhas, utopias e realidade. Campinas, SP: Mercado das Letras.

Grupioni, L. D. B. (2002). Educação Escolar Indígena: formação de professores. Retirado em 17 de outubro, 2010, de: www.redebrasil.com.bre/salto/boletim2002/eei/eei0htm.

Hinojosa, F. R & Lima, R. (2008). A tradução como estratégia de interculturalidade no ensino de língua estrangeira. Retirado em 17 de outubro, 2010, de: http://www.bocc.ubi.pt/pag/lima-hinojosa-traducao-estrategia-interculturalidade.pdf.

Leite, L. H. A. (2008). Os professores indígenas chegam à universidade: desafios para a construção de uma educação intercultural. In: Pereira, J. H. D & Leão, G. (orgs). Quando a diversidade interroga a formação docente. Belo Horizonte: Autêntica.

Rockwell, E. (2010). L’appropriation de lécriture dans deux villages nahua du centre Du Mexique. Langage et Société, 133, 83-99.

Schneuwly, B., & Dolz, J. (1997). Os gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. Publicado originalmente em Repères, 15, 1997, sob o título “Les genres scolaires: des pratiques langagières aux objets d’enseignement”. Retirado em 20 de abril, 2011, de: http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n11/n11a02.pdf.

Smolka, A. L. B. (2000). O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Cadernos Cedes, 50, 26-40.

Zanirato, S. H & Ribeiro, W. C. Patrimônio cultural: a percepção da natureza como um bem não renovável. Retirado em 20 de maio, 2012, de: http://w3.ufsm.br/ppgppc/index.php?option=com_content&view=article&id=105:o-que-atrim-cultural-patrim-histo-patrim-ambiental-ou-natural&catid=7:examples&Itemid=25.

Downloads

Publicado

2018-04-27

Como Citar

BRITO, R. P. da S.; FONSECA, M. da C. F. R. Aldeia, Matemática e Escola Indígena: apropriação de práticas discursivas por estudantes Pataxó. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 1, p. 133–146, 2018. DOI: 10.20396/zet.v26i1.8650482. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8650482. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático - 2018