Banner Portal
Desenvolvimento do pensamento algébrico
PDF

Palavras-chave

Modelo
Pensamento algébrico
Níveis de desenvolvimento
Problemas de partilha

Como Citar

ALMEIDA, Jadilson Ramos de; SANTOS, Marcelo Câmara dos. Desenvolvimento do pensamento algébrico: proposição de um modelo para os problemas de partilha. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 546–568, 2018. DOI: 10.20396/zet.v26i3.8650717. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8650717. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

Esse artigo tem por objetivo apresentar um modelo que possibilita a identificação de níveis de desenvolvimento do pensamento algébrico revelado por estudantes ao resolverem problemas de partilha. Nossa pesquisa foi realizada em duas etapas. Na primeira, construímos uma versão a priori do modelo a partir da produção escrita de 342 alunos do 6º ano do ensino fundamental ao responderem 6 problemas de partilha. Na segunda etapa reaplicamos os problemas a 343 alunos dos anos finais do ensino fundamental da cidade do Recife, em seguida escolhemos 8 alunos para realizarmos uma entrevista de explicitação. As análises aqui apresentadas serão a partir da produção escrita e da entrevista realizada com esses 8 alunos. Ao final chegamos à proposição de um modelo de níveis de pensamento algébrico que vai desde o nível 0, caracterizado pela ausência de pensamento algébrico, passando por um nível incipiente de pensamento algébrico (nível 1), por um nível intermediário (nível 2) e por um nível consolidado de pensamento algébrico (nível 3). Propomos, também, para cada nível, a partir do nível 1, três subníveis, que denominamos de subníveis A, B e C.

https://doi.org/10.20396/zet.v26i3.8650717
PDF

Referências

Almeida, J. R. & Câmara, M. (2014). Análise dos problemas propostos para o ensino de equações polinomiais do 1º grau nos livros didáticos de matemática. Boletim GEPEM, 64, 3-17.

Almeida, J. R. & Câmara, M. (2017). Pensamento algébrico: em busca de uma definição. Revista Paranaense de educação Matemática, 6(10), 34-60.

Araújo, E. A. (2008). Ensino de álgebra e formação de professores. Educação Matemática Pesquisa, 10(2), 331 – 346. São Paulo.

Arcavi, A. (2005). El desarrollo y el uso del sentido de los símbolos. Conferência plenária no encontro de investigação em educação matemática. Caminha, Portugal. Retirado em 23/07/2014, de: http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/DA/DAbibliografia.htm.

Borralho, A. & Barbosa, E. (2011) Padrões e o desenvolvimento do pensamento algébrico. Anais da XIII Conferência Iteramericana de Educação Matemática. (pp. 1-12) Recife: SBEM.

Fiorentini, D., Fernandes, F. L. P. & Cristovão, E. M. (2005). Um estudo das potencialidades pedagógicas das investigações matemáticas no desenvolvimento do pensamento algébrico. Seminário Luso-Brasileiro de Investigações Matemáticas no Currículo e na Formação de Professores. Lisboa. Retirado em 02/11/2010, de: http://www.educ.fc.pt/docentes/jponte/temporario/SEM-LB/Fiorentini-Fernandes-Cristovao2.doc.

Godino, J. D., Aké, L. P., Gonzato, M. & Wilhelmi, M. R. (2014). Niveles de algebrización de la actividad matemática escolar: implicaciones para la formación de maestros. Enseñanza de las Ciencias, 32(1), 199-219. Espanha. Disponível: http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/issue/view/21903/showToc

Kaput, J. (1999). Teaching and learning a new algebra with understanding. In E. Fennema, & T. Romberg (Eds.), Mathematics classrooms that promote understanding. (pp. 1-34) Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Kaput, J. (2008). What is algebra? What is algebraic reasoning? In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades. (pp. 5-17) Lawrence Erlbaum Associates: New York.

Lins, R. C. (1992). A framework for understanding what algebraic thinking is. Tese de Doctor of Philosophy. School of Education, University of Nothingam: Nothingam, UK.

Lins, R. C. (1994a). Campos semânticos y el problema del significado em álgebra. UNO – Didáctica de las Matemáticas. 1, 1-7. Barcelona.

Lins, R. C. (1994b). O modelo teórico dos campos semânticos: uma análise epistemológica da álgebra e do pensamento algébrico. Dynamis. 1(7), 29-39. Blumenau.

Lins, R. C. & Gimenez, J. (2005). Perspectivas em Aritmética e Álgebra para o século XXI. Papirus: Campinas.

Marchand, P. & Bednarz, N. (1999). L’enseignement de l’algèbre au secondaire: une analyse des problèmes présentés aux élèves. Bulletin AMQ, 39(4), 30-49. Québec.

Oliveira, I. & Câmara, M. (2011). Problemas de estrutura algébrica: uma análise comparativa entre as estratégias utilizadas no Brasil e no Québec. Anais da XIII Conferência Iteramericana de Educação Matemática. Recife: SBEM.

Ponte, J. P. & Velez, I. (2011) Representações em tarefas algébricas no 2º ano de escolaridade. Boletim GEPEM. 59, 53-68.

Radford, L. (2006). Algebraic thinking and the generalization of patterns: a semiotic perspective. North America Conference of the International Group of Psychology of Mathematics Education – PME. 1, 1-21. México.

Radford, L. (2009). Signs, gestures, meanings: Algebraic thinking from a cultural semiotic perspective. Anais do Sixth Congress of the European Society for Research in Mathematics Education. Lyon, França, Disponível em:

Radford, L. (2011) Grade 2 students’ non-symbolic algebraic thinking. In J. Cai & E. Knuth, (Eds). A global dialogue from multiple perspectives. (pp. 303-322), Editora Springer. Berlin.

Ruiz, N., Bosch, M. & Gascón, J. (2010) La algebrización de los programas de cálculo aritmético y la introducción del álgebra en secundaria. In M. Moreno, A. Estrada, J. Carrillo & T. Sierra (Eds.), Investigación en Educación Matemática. (pp. 545-556). Lleida: SEIEM.

Santos Junior, C. P. (2013) Estratégias utilizadas por alunos do 7º, 8º e 9º ano do ensino fundamental na resolução de problemas de partilha. Dissertação de mestrado em Educação Matemática e Tecnológica. Recife: UFPE.

Silva, D. P. & Savioli, A. M. P. D. (2012). Caracterizações do pensamento algébrico em tarefas realizadas por estudantes do Ensino Fundamental I. Revista Eletrônica de Educação. 6(1). 206-222.

Vermersch, P. (1994). L’entretien d’explicitation en formation initiale et en formation continuale. ESF: Paris.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Zetetike

Downloads

Não há dados estatísticos.