Testes e verificação da aprendizagem da matemática escolar na escola primária paranaense (1930 – 1960)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8654902

Palavras-chave:

História da educação, Matemática, Verificação escolar.

Resumo

Este estudo é fruto da tese de doutorado intitulada “Avaliação da Matemática Escolar: Contribuições da Pedagogia da Escola Nova”. O estudo, bibliográfico e documental, tem como objetivo apreender o papel dos testes, no processo de construção da verificação da matemática escolar. Para tanto, analisa-se a legislação e cinco livros didáticos que circularam na formação de professores e na escola primária entre as décadas de 1930 a 1960. Foi possível constatar que as práticas de testes matemáticos, adotadas no período de estudo, trouxeram para a cultura escolar elementos relevantes, como: o treino, a exatidão, a objetividade, a periodicidade, os diferentes tipos de questões, como: de lacuna, de seleção, de acasalamento, de diferença e identidade e ainda de verdade e falsidade.  Além disso, os resultados obtidos revelam a preocupação com o ensino corretivo das deficiências matemáticas e a adoção de critérios e processos que assegurem a objetividade na verificação do rendimento escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Waléria Adriana Gonçalez Cecílio, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2018).

Referências

Albuquerque, I. (1951). Metodologia da matemática. Rio de Janeiro: Conquista.

Cecílio, W. A. G. (2018). Avaliação da Matemática Escolar: Contribuições da Pedagogia da Escola Nova. Tese de Doutorado em Educação. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Retirado em 15 de maio, 2019, de: http://www.biblioteca.pucpr.br/pergamum/biblioteca/img.php?arquivo=/00006c/00006c28.pdf.

Chartier, R. (1990). A história cultural: entre práticas e representações. Trad. M. Gallardo. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

De Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano: Artes de fazer (3a ed.). Petrópolis: Vozes.

De Certeau, M. (2011). A escrita da história (3a ed.). Rio de Janeiro: Forense.

Elsbree, W. S. A. (1947). A educação primária nos Estados Unidos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, 11 (30). Retirado em 10 de janeiro, 2019, de: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/issue/archive?issuesPage=3#issues.

Fontoura, A.A. (1960). Manual de testes. Rio de Janeiro: Aurora.

Gonçalves, N. G. (2012). Constituição histórica da educação no Brasil. Curitiba: InterSaberes.

Hoffmann, Y. T. & Costa, D. A. (2018). História da educação matemática conservação da cultura escolar. Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa, 21, p. 11-28. Relime. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=33554987002.

Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP). (1955). Matemática na escola elementar. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro.

Lupion, M. (1948). Mensagem dirigida à Assembleia Legislativa do Estado, PR. Retirado em 05 de maio, 2018, de: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/ 136545.

Medeiros, E. B. (1999). Medidas psico e lógicas: introdução à psicometria. Rio de Janeiro: Ediouro.

Miguel, M. E. B. (1992). A pedagogia da Escola Nova na formação do professor primário paranaense: início, consolidação e expansão. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Pilotto, E. (1950). Programas experimentais do ensino primário. Retirado em 02 de fevereiro, 2019, de: e https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/117113.

Pinheiro, N. V. L. & Valente, W. R. (2017). Binet e o ensino e a aprendizagem da aritmética nos primeiros anos escolares: o que ensinar, quando ensinar. Atos de Pesquisa em Educação. 12(2), 346-362.

Teixeira, A. (1952). Discurso de posse do professor Anísio Teixeira no Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. 17(46), 69-79, abr./jun. Rio de Janeiro. Retirado em 15 de maio, 2019, de: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/489316/Revista+Brasileira+de+Estudos+Pedag%C3%B3gicos+%28RBEP%29+-+Num+46/5e61f527-bd9e-401a-a923-4d28d41d167a?version=1.0.

Trindade, D. A. & Leme da Silva, M. C. (2018). Grandezas: relações lidas no ensino de saberes aritméticos, 1890-1950. Zetetiké (on-line), 26(3), 1-16. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8650703.

Valente, W. R. (2017). A Matemática no Curso Primário: quando o nacional é internacional, França e Brasil (1880-1960). Bolema, 31(57), 365-379.

Vasconcelos, F. (1934). Como se ensina a raciocinar em aritmética, Parte 1. Editora Lisboa-Portugal. Retirado em 15 de dezembro, 2018, de: https://repositorio.ufsc.br/handle/ 123456789/116422.

Vasconcelos, F. (1934). Como se ensina a aritmética. Parte 3. Biblioteca da Cultura Pedagógica, Lisboa-Portugal. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/ handle/123456789/116420.

Vidal, D. G. (2010). Escola Nova e Processo Educativo. In Lopes, E. M. T., Faria Filho, L. M. & Veiga, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil (p. 497- 517). (4. ed.) Belo Horizonte: Autêntica.

Viñao Frago, A. (2001). ¿Fracasan las reformas educativas? La respuesta de un historiador. Educação no Brasil: história e historiografia. SBHE/Autores Associados. p. 21-52. Campinas.

Downloads

Publicado

2019-12-27

Como Citar

CECÍLIO, W. A. G. Testes e verificação da aprendizagem da matemática escolar na escola primária paranaense (1930 – 1960). Zetetike, Campinas, SP, v. 27, p. e019027, 2019. DOI: 10.20396/zet.v27i0.8654902. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8654902. Acesso em: 30 jun. 2022.