Ensino de estatística na EJA

contribuições da metodologia da resolução de problemas

Palavras-chave: Educação estatística, Educação de jovens e adultos, Ensino médio, Metodologia de resolução de problemas

Resumo

Este artigo objetivou apresentar uma proposta utilizando a metodologia de resolução de problemas para o Ensino de Estatística, na EJA, voltadas ao Ensino Médio, em um colégio público estadual paranaense. Os procedimentos de coleta de dados foram: os registros das observações e as produções dos alunos que geraram dados empíricos e foram analisados a partir da metodologia da Análise Textual Discursiva – ATD. As Sequências de Ensino – SE foram elaboradas a partir da metodologia da resolução de problemas contemplando objetos de conhecimento de Estatística. Os resultados da pesquisa indicam por um lado, que a metodologia da resolução de problemas pode contribuir para o desenvolvimento do raciocínio estatístico dos alunos; por outro, que a formalização dos conceitos pelo professor mostrou-se relevante porque juntos, professor e alunos, discutem as tentativas de resolução do problema proposto, contribuindo para a construção do conhecimento estatístico e formação cidadã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giane Correia Silva, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutoranda em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Professor Colaborador da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Guataçara dos Santos Junior, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Ciências Geodésicas pela Universidade Federal do Paraná. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia.

Referências

Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (PROTESTE). (2015). Hambúrguer leve (no peso). Outubro/2015. Retirado em 10 de maio, 2017, de www.proteste.org.br.

Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (PROTESTE) (2015). Feijões cariocas: sabor e qualidade. Fevereiro/2015. Retirado em 10 de maio, 2017, de www.proteste.org.br.

Barros, C. P. M. (2008). Análise de atitudes de alunos na educação de jovens e adultos em situação de resolução de problemas. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Retirado em 15 de março, 2020 de https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/11362/1/CLAUDIO%20POUSA%20MORAES%20BARROS.pdf

Bigode, A. J. L. & Gimenez, J. (2009). Metodologia para o ensino da Aritmética: competência numérica no cotidiano. São Paulo: FTD.

Dante, L. R. (2009). Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. São Paulo: Ática.

Fernandes, D. (2009). Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: UNESP.

Fonseca, M. da C. & Cardoso, C. de A. (2005). Educação Matemática e letramento: textos para ensinar Matemática, Matemática para ler o texto. In Nacarato, A. M. & Lopes, C. A. E. (Orgs.). Escritas e Leituras na Educação Matemática. (pp. 63-76). Belo Horizonte: Autêntica.

Garfield, J. & Gal, I. (1999). Teaching and assessing statistical reasoning. In Stiff, L. V., & Curcio, F. R., (Ed.), Developing Mathematical Reasoning in Grades K-12. National Council of Teachers of Mathematics (pp. 207-219). Reston: Ed. L. Staff.

Kalinke, M. A. (2003). Internet na educação. Curitiba: Chain.

Lopes, C. A. E. (2010). Os desafios para educação estatística no currículo de matemática. In: Lopes, C. A. E., Coutinho, C. de Q. e S. & Almouloud, S. A. (Orgs.). Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de Letras.

Ministério da Educação (MEC). (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: MEC. Retirado em 8 de agosto, 2015, de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/matematica.pdf.

Ministério da Educação (MEC). (2000). Diretrizes nacionais para a educação de jovens e adultos. Brasília.

Ministério da Educação (MEC). (2002). Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais + (PCN+) - ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília.

Ministério da Educação (MEC). (2006). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Trabalhando com a educação de jovens e adultos. Brasília: MEC. Retirado em 15, de abril, 2015 de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=13536%3Amateriais-didaticos&Itemid=913.

Ministério da Educação (MEC). (2006a). Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio. Brasília: MEC. Retirado em 17 de setembro, 2015, de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf.

Ministério da Educação (MEC). (2018). Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, 2018. Retirado em 17 de dezembro, 2019, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/bncc-ensino-medio.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211.

Moraes, R. & Galiazzi, M. do C. (2016). Análise Textual Discursiva. Ijuí: Unijuí.

Onuchic, L. de la R. (1999). Ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In Bicudo, M. A. V. (Org.), Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas (pp. 199-218). São Paulo: UNESP.

Pereira, C. S. (2017). Material manipulável e manipulável virtual para o Ensino de Estimativa de Proporção Populacional. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia. Ponta Grossa: Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Retirado em 15 de março, 2020 de http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2464/1/PG_PPGECT_M_Pereira%2c%20Caroline%20Subir%C3%A1%2c%202017.pdf.

Polya, G. (1995). A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Traduzido por Heitor Lisboa de Araújo. Rio de Janeiro: Interciência.

Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEE). (2006). Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: SEED.

Silva, C. V. da. (2013). Leitura e interpretação de gráficos e tabelas: um estudo social de suas fragilidades e de suas potencialidades com estudantes da educação de jovens e adultos no ensino fundamental. Dissertação de Mestrado Profissional em Educação Matemática. Rio de Janeiro: Universidade Severino Sombra. Retirado em 10 de março, 2017, de https://universidadedevassouras.edu.br/.

Zuffi, E. M. & Onuchic, L. de la R. (2007). O ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas e os processos cognitivos superiores. Revista Iberoamericana de Educação Matemática, 11, 79-97.

Publicado
2020-05-27
Como Citar
Silva, G. C., & Santos Junior, G. dos. (2020). Ensino de estatística na EJA. Zetetike, 28, e020018. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8655803
Seção
Dossiê Temático