Tarefas para a aprendizagem de professores que ensinam matemática nos anos iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8656716

Palavras-chave:

Formação continuada, Pensamento algébrico, Sinal de igualdade, Conhecimentos matemáticos e didáticos

Resumo

O uso de tarefas para a aprendizagem de professores é um tema de fundamental importância para investigação na formação de professores. Assim, objetivou-se neste artigo, compreender e explicar como ocorre a construção do conhecimento matemático e didático de professores que ensinam matemática nos anos iniciais em um processo formativo sobre os diferentes significados do sinal de igualdade. A pesquisa é qualitativa-interpretativa e os dados, documentais e em áudio, são provenientes de um processo formativo desenvolvido com 6 professoras de uma escola municipal de São Paulo. As análises mostraram a mobilização, a reorganização e a construção de conhecimentos matemáticos e didáticos por parte das professoras que, coletivamente, planejaram e desenvolveram uma aula de matemática contemplando o sinal de igualdade e, posteriormente, refletiram sobre ela. Entende-se que tais movimentos se deram por intermédio do uso das tarefas de aprendizagem profissional e pelas mediações da formadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Cristina de Souza Barboza, Universidade Federal do ABC

Doutoranda em Didática da Matemática e Licenciada em Pedagogia pelo Centro Universitário Fundação Santo André. Professora da escola pública Municipal e Estadual de São Paulo, Brasil.

Vinícius Pazuch, Universidade Federal do ABC

Doutor em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil e Licenciado em Matemática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Professor Adjunto na Universidade Federal do ABC, Brasil.

Alessandro Jacques Ribeiro, Universidade Federal do ABC

Doutor em Educação Matemática e Licenciado em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Associado na Universidade Federal do ABC, Brasil.

Referências

Ball, D. L.; Ben-Peretz, M., & Cohen, R. B. (2014). Records of practice and the development of collective professional knowledge. British Journal of Educational Studies, 62(3), 317-335.

Ball, D. L., & Cohen, D. K. (1999). Developing practice, developing practitioners: toward a practice-based theory of professional education. In G. Sykes & L. Darling-Hammond (Org.), Teaching as the learning profession: Handbook of policy and practice (pp. 3-32). San Francisco: Jossey Bass.

Ball, D. L., Thames, M. H., & Phelps, G. (2008). Content Knowledge for Teaching: What makes it special? Journal of Teacher Education, Thousand Oaks, 59, 389-407.

Barboza, L. C. S. (2019). Conhecimento dos professores dos anos iniciais e o sinal de igualdade: Uma investigação com tarefas de aprendizagem profissional. Dissertação de Mestrado em Ensino e História das Ciências e da Matemática. Santo André: Universidade Federal do ABC, Brasil.

Barboza, L. C. S., Ribeiro, A. J., & Pazuch, V. (2019). Aprendizagem profissional de professores dos anos iniciais: Explorando os diferentes significados do sinal de igualdade. Acta Scientiae, 22(4), 71-97.

Behr, M., Erlwanger, S., & Nichols, E. (1980). How children view the equal sign. Mathematics Teaching, 92, 13-18.

Blanton, M., & Kaput, J. (2005). Characterizing a classroom practice that promotes algebraic reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, 36(5), p. 412-446.

Blanton, M., & Kaput, J. (2008). Building disctrict capacity for teacher development in algebraic reasoning. In J. Kaput, D. Carraher & M. Blanton (Org.), Algebra in the Early Grades (pp. 133-160). Nova Iorque: Lawrence Erlbaum Associates.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Matemática. Brasília: MEC/SFE.

Britt, M. S., & Irwin, K. C. (13 out. 2011). Algebraic thinking with and without algebraic representation: a three-year longitudinal study. ZDM, 40(1), p. 39-53.

D´Ambrósio, U. (2004). Prefácio. In: M. C. Borba & J. L. Araújo (Org.), Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática, (pp. 11-23). Belo Horizonte: Autêntica.

Esteban, M. P. S. (2010). Pesquisa qualitativa em Educação: Fundamentos e tradições. (19. ed.). Porto Alegre: AMGH. Tradução de Miguel Cabrera.

Kieran, C. (1981). Concepts associated with the equality symbol. Educational Studies in Mathematics, 12, 317-326.

Kieran, C. et al. (2016). Early Algebra Research into its Nature, its Learning, its Teaching. Hamburg: Springer International Publishing.

MA, L. (1999). Saber e ensinar: Matemática Elementar. Lisboa: Gradiva.

O'donnell B., & Taylor, A. (2007). A lesson plan as professional development? You’ve got be kidding. Teaching Children Mathematics, p. 272-278.

Opfer, V. D., & Pedder, D. (2011, september). Conceptualizing Teacher Professional Learning. Review Of Educational Research, 81(3), 376-407.

Ponte, J. P. (2005). Gestão curricular em Matemática. In: GTI (Ed.). O professor e o desenvolvimento curricular (pp. 11-34). Lisboa: APM.

Ponte, J. P., Branco, N., & Matos A. (2009). A Álgebra no ensino básico. Ministério da Educação, DGIDC, Lisboa.

Ponte, J. P., Branco, N., Quaresma, M., Velez, I., & Mata-Pereira, J. (2008). Perspectivas teóricas no estudo das práticas profissionais dos professores de matemática. In: Seminário de Investigação em Educação Matemática (pp. 267-279). Lisboa: SIEM.

Ponte, J. P., Oliveira, N., & Matos A. (2002). Remar contra a maré: A construção do conhecimento e da identidade profissional na formação inicial. Revista de Educação, 2(11), 145 -163.

Ponte, J. P., Brocardo, J., & Oliveira, H. (2003). Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.

Ponte, J. P., & Quaresma, M. (2016). Teachers’ professional practice conducting mathematical discussions. Educational Studies in Mathematics, Springer Nature, 93(1), 51-66.

Ribeiro, A. J., & Cury, H. N. (2015). Álgebra para a formação do professor. Belo Horizonte: Autêntica.

Ribeiro, A. J., & Ponte, J. P. (2019). Professional Learning Opportunities in a Practice-Based Teacher Education Programme about the Concept of Function. Acta Scientiae, 21(2), 49-74.

Ribeiro, A. J., & Ponte, J. P. da. (2020). Um modelo teórico para organizar e compreender as oportunidades de aprendizagem de professores para ensinar matemática. Zetetike, 28, e020027. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8659072

Russ, R. S.; Sherin, B. L., & Sherin, M. G. (2016). What constitutes teacher learning? In D. H. Gitomer & C. A. Bell (Eds.), Handbook of Research on Teaching (pp. 391-438). Whashington, DC: American Educational Research.

São Paulo (Cidade). (2017). Currículo da Cidade: ensino fundamental – matemática. São Paulo: SME/Secretaria Municipal de Educação, PMSP.

Serrazina, M. L. (2013). O programa de formação contínua em matemática para professores do 1º ciclo e a melhoria do ensino da matemática. Da Investigação às Práticas, 3(2), 75-97.

Serrazina, M. L. (2017). Planificação do ensino-aprendizagem da Matemática. In GTI (Ed.). A prática dos professores: planificação e discussão coletiva na sala de aula (pp. 9-32). Lisboa: APM.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, Thousand Oaks, 15(2), 4-14.

Shulman, L. S. (1987). Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, (57), 1-22.

Silver, E. A., Clark, L. M., Ghousseini, H. N., Charalambous, C. Y., & Sealy, J. T. (2007). Where is the mathematics? Examining teachers’ mathematical learning opportunities in practice-based professional learning tasks. Journal of Mathematics Teacher Education, Springer Netherlands, 10(4), 261-277.

Smith, M. S. (2001). Practice-based professional development for teachers of mathematics. Virgínia: NCTM.

Stacey, K. E., & Macgregor, M. (1997). Ideas about symbolism that students bring to algebra. The Mathematics Teacher, 90(2), 110-113.

Stein, M. K., Engle, R. A., Smith, M. S., & Hughes, E. K. (2008). Orchestrating productive mathematical discussions: Five practices for helping teachers move beyond show and tell. Mathematical Thinking and Learning, 10(4), 313-340.

Trivilin, L. R., & Ribeiro, A. J. (2015). Conhecimento matemático para o ensino de diferentes significados do sinal de igualdade: um estudo desenvolvido com professores dos anos iniciais do ensino fundamental. Bolema, 29(51), 38-59.

Webster-Wright, A. (2009). Reframing professional development through understanding authentic professional learning. Review of Educational Research, 79(2), 702-739.

Publicado

2021-05-28

Como Citar

Barboza, L. C. de S., Pazuch, V., & Ribeiro, A. J. (2021). Tarefas para a aprendizagem de professores que ensinam matemática nos anos iniciais. Zetetike, 29(00), e021009. https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8656716

Edição

Seção

Dossiê Temático