Sobre as competências crítica e comportamental na Educação Estatística

Palavras-chave: Educação estatística, Competência crítica, Competência comportamental

Resumo

As pesquisas em Educação Estatística têm avançado intensamente com o planejamento de atividades que visam ao desenvolvimento de três competências, a literacia, o raciocínio e o pensamento estatístico, as quais permitem uma aprendizagem mais significativa dos conceitos dessa ciência. O aprofundamento dessas pesquisas permitiu a identificação de outra competência também importante para esse universo, que é a competência crítica. O objetivo deste trabalho é aprofundar a reflexão sobre a competência crítica, evidenciando a sua evolução em pesquisas desenvolvidas no âmbito da Educação Estatística, e apresentar uma quarta competência, a qual chamamos de competência comportamental. Em nossas análises, pudemos observar que a competência crítica se desenvolve com base em duas vertentes, a sociopolítica e a epistemológica. Por fim, tomando como base diversos exemplos práticos observados dentro e fora da sala de aula, mostramos como a competência comportamental foi identificada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celso Ribeiro Campos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em Educação Matemática pela UNESP. Professor da PUC-SP, Brasil.

Andréa Pavan Perin, Faculdade de Tecnologia de Itapetininga

Doutora em Educação Matemática pela UNESP. Professora da FATEC-Itapetininga/SP.

Referências

Ávila, F.; Inchausti, G. (2017). Economia comportamental aplicada às finanças pessoais. CFP Professional Magazine, São Paulo, ed. 11, p. 20-28. Retirado em 08 de junho de 2019 de: http://www.economiacomportamental.org/wp-content/uploads/2017/07/CFPMag11_EconomiaComportamental.pdf.

Braule, R. (2001). Estatística aplicada com Excel para cursos de administração e economia. Rio de Janeiro: Campus.

Bussab, W. O. & Morettin, P. A. (2005). Estatística básica. São Paulo: Saraiva.

Campos, C. R. (2007). Educação estatística: uma investigação acerca dos aspectos relevantes à didática da Estatística em cursos de graduação. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Rio Claro: UNESP. Retirado em 02 de julho, 2019, de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/102161

Campos, C. R., Wodewotzki, M. L. L., & Jacobini, O. R. (2011a). Educação estatística: teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Campos, C. R., Wodewotzki, M. L. L., Jacobini, O. R., & Ferreira, D. H. L. (2011b). Educação estatística no contexto da educação crítica. Bolema, 24(39), 473 - 494.

Campos, C. R. (2016). Towards critical statistics education: theory and practice. Saarbrücken/Germany: Lambert Academic Publishing.

Campos, C. R., & Coutinho, C. Q. S. (2019). O problema da amostragem no contexto da educação estatística crítica. Anais da XV Conferência Interamericana de Educação Matemática (pp.1-9). Medellín: Universidad de Medellín. Retirado em 18 de setembro, 2019 de: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/CIAEMColmbiaOproblemadaamostragemdocontextodaedestcrtica.pdf

Cazorla, I. M., Silva Júnior, A. V. & Santana, E. R. S. (2018). Reflexões sobre o ensino de variáveis conceituais na educação básica. REnCiMa, 9(2), 354-373.

Coutinho, C. Q. S., & Campos, C. R. (2018). Perspectivas em didática e educação estatística e financeira: reflexões sobre convergências entre letramento matemático, matemacia, letramento estatístico e letramento financeiro. In Oliveira, G.P. (org.), Educação Matemática: epistemologia, didática e tecnologia (pp. 143-180). São Paulo: Livraria da Física..

Delmas, R. C. (2002). Statistical literacy, reasoning and learning: a commentary. Journal of Statistics Education, 10 (3). Retirado em 10 de outubro de 2019 de: www.amstat.org/publications/jse/v10n3/chance.html.

Downing, D. & Clark, J. (2011). Estatística aplicada. 3a ed. São Paulo: Saraiva.

Freire, P. (1965). Educação e liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1979). Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2014). Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra.

Hollas, J., & Bernardi, L. T. M. dos S. (2018). Educação estatística crítica: um olhar sobre os processos educativos. REnCiMa, 9 (2), pp. 72-87.

IBGE (2016). Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2016. Brasília: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Retirado em 18 de setembro, 2019, de: ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2016/estimativa_dou_2016_20160913.pdf

McClave, J. T.; Benson, P. G. & Sincich, T. (2009). Estatística para administração e economia. 10ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Melo, T. B. & Maçal, M. P. (2012). Educação estatística crítica: um ensaio com alunos do ensino médio e técnico. Anais do III Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (pp. 1-6). Fortaleza: Faculdade 7 de setembro. Retirado em 18 de setembro, 2019, de: http://proativa.virtual.ufc.br/sipemat2012/papers/192/submission/director/192.pdf

Ministério da Educação (MEC). (2017). Resolução cne/cp nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui Base Nacional Comum Curricular. Diário Oficial República Federativa do Brasil. Brasília.

Morettin, L. G. (2010). Estatística básica: probabilidade e inferência. São Paulo: Pearson.

Morettin, P. A. & Bussab, W. O. (2005). Estatística Básica. São Paulo: Saraiva.

Novaes, D. V. & Coutinho, C. Q. S. (2009). Estatística para educação profissional. São Paulo: Atlas.

Perin, A. P. (2016). Educação estatística crítica: um estudo das práticas discentes em um curso de tecnologia. Anais do XX Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática (1-11). Curitiba: Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação Matemática. Retirado em 18 de setembro, 2019, de: http://www.ebrapem2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/04/gd12_andrea_pavan_perin.pdf

Perin, A. P. (2019). Educação Estatística Crítica: um estudo das práticas discentes em um curso de tecnologia. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Rio Claro: UNESP. Retirado em 02 de julho, 2019, de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/182412

Samá, S. (2018). Caminhos trilhados pelo GT12 nas pesquisas em Educação Estatística no Brasil. Anais do VII Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. (pp.1-12). Foz do Iguaçu: Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Retirado em 10 de junho, 2019, de: http://www.sbemparana.com.br/eventos/index.php/SIPEM/VII_SIPEM/paper/view/547/249

Sampaio, L. O. (2010). Educação estatística crítica: uma possibilidade? Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Rio Claro: UNESP. Retirado em 06 de julho, 2019, de: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/91123

Skovsmose, O. (2014a). Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. 3ª ed. Campinas: Papirus.

Skovsmose, O. (2014b). Um convite à Educação Matemática Crítica. Campinas: Papirus.

Skovsmose, O. (2018). Desafios da reflexão em Educação Matemática Crítica. Campinas: Papirus.

Vieira, S. (2012). Estatística para a qualidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Zieffler, A.; Garfield, J. & Fry, E. (2018). What is Statistics Education? In Ben-Zvi, D.; Makar, K.; Garfield, J. (Org.). International Handbook of Research in Statistics Education (pp. 37-71). Gewerbestrasse: Springer International Handbooks of Education.

Publicado
2020-02-08
Como Citar
Campos, C. R., & Perin, A. P. (2020). Sobre as competências crítica e comportamental na Educação Estatística. Zetetike, 28, e020003. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8656795
Seção
Dossiê Temático