Probabilidade em livros didáticos de matemática dos anos finais

diferentes concepções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8656908

Palavras-chave:

Probabilidade, Livro didático, Anos finais

Resumo

No presente artigo, a partir da análise das coleções de livros didáticos de Matemática aprovadas pelo PNLD 2017, volta-se o olhar para a distribuição das atividades que trabalham com a Probabilidade nas diferentes coleções e em seus volumes, bem como para as diferentes concepções de Probabilidade presentes neste material didático. Ao todo, foram identificadas 875 atividades, quantitativo que não está homogeneamente distribuído entre as coleções, nem, tampouco, em seus volumes. No que se refere às concepções de Probabilidade abordadas, como esperado, foi constatado que uma maioria absoluta de problemas trabalha com a probabilidade clássica (81%). Os resultados encontrados apontam para a necessidade de grandes mudanças nas próximas edições destes materiais didáticos, tendo-se em vista as prescrições apresentadas pela BNCC, que trazem grande destaque ao trabalho com a Probabilidade no Ensino Fundamental, e, em especial, à probabilidade frequentista nos Anos Finais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ewellen Tenorio de Lima, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda em Educação Matemática e Tecnológica pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Andrini, A., & Vasconcellos, M. J. (2015). Praticando Matemática (Edição Renovada). São Paulo: Editora do Brasil.

Bianchini, E. (2015). Matemática – Bianchini. São Paulo: Moderna.

Bigode, A. J. (2015). Matemática do Cotidiano. São Paulo: Editora Scipione.

Bittar, M., & Abe, T. (2013). O ensino de probabilidade: a articulação entre as visões clássica, frequentista e geométrica. In C. Coutinho, (Eds.) Discussões sobre a aprendizagem da probabilidade e da estatística na escola básica (pp. 99-120). Campinas: Mercado das Letras.

Bryant, P., & Nunes, T. (2012). Children’s understanding of probability: a literature review. Nuffield Foundation.

Campos, T. & Carvalho, J. I. (2016). Probabilidade nos anos iniciais da educação básica: contribuições de um programa de ensino. Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana – Em Teia, 7(1), 1- 18.

Chavante, E. (2015). Convergências – Matemática. São Paulo: SM.

Dante, L. R. (2015). Projeto Teláris – Matemática. São Paulo: Ática.

Fischbein, E. (1975). The intuitive sources of probabilistic thinking in children. Dordrecht.

Gay, M. R. (2014). Projeto Araribá – Matemática. São Paulo: Moderna.

Godino, J., Batanero, C. & Cañizares, M. J. (1991). Azar y probabilidad. Madrid: Síntesis.

Jakubovic, J., & Centurión, M. (2015). Matemática nos dias de hoje – Na medida certa. São Paulo: LeYa.

Lima, E. (2018). A articulação entre Combinatória e Probabilidade nas diferentes instâncias do currículo dos Anos Finais do Ensino Fundamental: o que é dito, o que é feito e o que se pode fazer? Belo Horizonte: Anais do Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática – XXII EBRAPEM.

Mazzieiro, A., & Machado, P. A. (2015). Descobrindo e Aplicando a Matemática. Belo Horizonte: Dimensão.

Ministério da Educação e Cultura (MEC). (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática – 3º e 4º ciclos. Brasília: MEC / Secretaria de Ensino Fundamental.

Ministério da Educação e Cultura (MEC). (2016). Programa Nacional do Livro Didático. Brasília: MEC / Secretaria de Educação Básica.

Ministério da Educação e Cultura (MEC). (2018). Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília: Ministério da Educação.

Morgado, A., Pitombeira de Carvalho, J. B., Pinto de Carvalho, P. & Fernandez, P. (1991). Análise Combinatória e Probabilidade. Rio de Janeiro: Graftex.

Onaga, D., & Mori, I. (2015). Matemática – Ideias e Desafios. São Paulo: Saraiva Educação.

Sacristán, J. G. (2000). O currículo: Uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed.

Santos, J. (2015). A produção de significações sobre combinatória e probabilidade numa sala de aula do 6º ano do Ensino Fundamental a partir de uma prática problematizadora. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade São Francisco, Itatiba.

Silveira, Ê. (2015). Matemática – compreensão e prática. São Paulo: Moderna.

Souza, J., & Pataro, P. (2015). Vontade de saber – Matemática. São Paulo: FTD.

Vergnaud, G. (1986). Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didática das matemáticas. Um exemplo: as estruturas aditivas. Análise Psicológica, 1, 75-90.

Vergnaud, G. (1996). A Teoria dos Campos Conceptuais. In J. Brum, (Eds.) Didáctica das Matemáticas (pp. 155-191). Lisboa: Horizontes Pedagógicos.

Publicado

2020-05-19

Como Citar

Lima, E. T. de . (2020). Probabilidade em livros didáticos de matemática dos anos finais: diferentes concepções. Zetetike, 28, e020015. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8656908

Edição

Seção

Dossiê Temático