A estatística no ensino médio

em busca da contextualização

Palavras-chave: Contextualização, Educação Estatística, Ensino Médio

Resumo

Este trabalho, caracterizado como estudo de caso, busca compreender como a Estatística vem sendo abordada em sala de aula no Ensino Médio, de forma a propiciar aos estudantes a contextualização dos conteúdos e uma visão crítica sobre o mundo contemporâneo. Em uma abordagem qualitativa, os dados produzidos foram obtidos por meio de observações no ambiente de investigação, entrevistas com professores e grupos focais com alunos da 3ª série do Ensino Médio, os quais foram sistematizados e interpretados de acordo com a Análise de Conteúdo. Os resultados obtidos permitem considerar que, por mais que os estudantes consigam estabelecer algumas relações entre a Estatística e o cotidiano, a maneira como ela vem sendo abordada, em sala de aula, não possibilita que compreendam seus conceitos de forma crítica, visto que ela não é trabalhada de modo contextualizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alyson Fernandes de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás. Professor Substituto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás – Campus Anápolis, Brasil.

Dalva Eterna Gonçalves Rosa, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba. Professora Titular da Universidade Federal de Goiás, Brasil.

Referências

Andrade, M. M. (2008). Ensino e aprendizagem de Estatística por meio da modelagem matemática: uma investigação com o ensino médio. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista, 196 f.

Andriola, W. B. (2011). Doze motivos favoráveis à adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) pelas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 19(70), 107-126.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Campos, C. R. (2007). A educação estatística: uma investigação acerca dos aspectos relevantes à didática da estatística em cursos de graduação. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista.

Campos, C. R., Wodewotzki, M. L. L., & Jacobini, O. (2013). Educação Estatística: teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Cazorla, I. M., Kataoka, V. Y., & Silva, C. B. (2010). Trajetória e Perspectivas da Educação Estatística no Brasil: um olhar a partir do GT-12. In C. E. A. Lopes, C. Q.S. Coutinho & S. A. Almouloud (Orgs.). Estudos e Reflexões em Educação Estatística. (pp. 19-44). Campinas: Mercado das Letras.

Duarte, P. C. X., & Almeida, R. M. (2014, abr.). A educação estatística como ferramenta matemática para o ensino fundamental. Revista Nucleus, 11(1), 305-318. Disponível em: http://www.nucleus.feituverava.com.br/index.php/nucleus/article/view/961/1428.

Fiorentini, D., & Lorenzato, S. (2007). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 2. ed. Campinas: Autores Associados.

Garfield, J. B. (1998). The statistical reasoning assessment: development and validation of a research tool. Proceedings of the fifth international conference on teaching statistics. Mendoza/Voorburg: International Statistical Institute/Ed. L. Pereira, 781-786. Retirado em 23 jun. 2019 de: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download;jsessionid=269A42E500B4FF38EFA59F26D1DD8023?doi=10.1.1.219.5316&rep=rep1&type=pdf.

Garfield, J. B. (2002). The challenge of developing statistical reasoning. Journal of Statistics Education, 10(3). Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10 .1080/10691898.2002.11910676.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A.(2003). Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Lopes, A. C., & Macedo, E. (2011). Teorias do currículo. São Paulo: Cortez.

Lopes, C. E. (2008, jan./abr.). O ensino da estatística e da probabilidade na educação básica e a formação dos professores. Cad. Cedes, 28(74), 57-73. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v28n74/v28n 74a05.pdf.

Lopes, C. E. (2010). Os Desafios para a Educação Estatística no Currículo para a Matemática. In C. E. Lopes, C. Q. S. Coutinho, & S. A. Almouloud, (Org.). Estudos e Reflexões em Educação Estatística. (pp. 47-64). Campinas: Mercado das Letras.

Lopes, C. E., & Meirelles, E. (2005). O Desenvolvimento da Probabilidade e da Estatística. Disponível em: http://www.ime.unicamp.br/erpm2005/anais/m_cur/mc02_b.pdf.

Lopes, C. E., Coutinho, C. Q. S., & Almouloud, S. A. (2010). Estudos e reflexões em educação estatística. Mercado das Letras: Campinas.

Luckesi, C. C. (2001). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e preposições. 11 ed. São Paulo: Cortez.

Magalhães, M. (2015). Desafios do ensino de Estatística na licenciatura em Matemática. In S. P. SAMÁ & M. P. M. SILVA (Orgs.). Educação Estatística: Ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. (pp. 41-54). Curitiba: CRV.

Malara, M. B. S. (2008). Os saberes docentes do professor universitário do curso introdutório de estatística expressos no discurso dos formadores. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista.

Mallows, C. (1998, mar.). The zeroth problem. Journal The American Statistician, 52, 1- 9, Disponível em: https://amstat.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00031305.1998.10480528#.XHHTa-hKjIU.

Memória, J. M. P. (2004). Breve história da Estatística. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica.

Minayo, M. C. S. (Org.). (2001). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes.

Ministério da Educação (MEC). (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. MEC. Brasília, DF.

Ministério da Educação (MEC). (1999). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. MEC. Brasília, DF.

Ministério da Educação (MEC). (2002). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. MEC. Brasília, DF.

Ministério da Educação (MEC). (2006). Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. MEC. Brasília, DF.

Ministério da Educação (MEC). (2018). Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. MEC. Brasília, DF.

Moreira, A. F. B., & Silva, T. T. (2005). Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In A. F. B. Moreira & T. T. Silva (Orgs.). Currículo, Cultura e Sociedade. 8. ed. São Paulo: Cortez.

Ramos, M. N. (2002). A educação profissional pela Pedagogia das Competências: para além da superfície dos documentos oficiais. Educação & Sociedade, 23(80), 405-427.

Rosetti Júnior, H. (2007). Educação Estatística no Ensino Básico: uma exigência do mundo do trabalho. Revista Capixaba de Ciência e Tecnologia, 2, 35-37. Disponível em: http://recitec.cefetes.br/artigo/documentos/Artigo% 205.pdf.

Sá, D. L., Silva, M. P. M., & Samá, S. P. (2015). Análise do Letramento Estatístico de estudantes concluintes do Ensino Médio. In S. P. Samá & M. P. M. Silva (Orgs.). Educação Estatística: Ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. (pp. 155-167) Curitiba: CRV.

Sant’Anna, I. M. (1995). Por que avaliar? Como avaliar?: critérios e instrumentos. Petrópolis: Vozes.

Santana, M. S. (2012). Estatística para professores da educação básica: conceitos e aprendizagem para a cidadania. 1. ed. Curitiba: CRV.

Santana, M. S. (2016, dez.). Traduzindo Pensamento e Letramento Estatístico em atividades para sala de aula: construção de um produto educacional. Bolema, 30(56), 1165-1187. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bolema/v30n56/ 1980-4415-bolema-30-56-1165.pdf.

Sedlmeier, P. (1999). Improving statistical reasoning: theoretical models and practical implication. Mahwah: Lawrence Erlbaum.

Vasconcelos, M. B. F. (2008). A contextualização e o ensino de matemática: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado em Educação Popular, Comunicação e Cultura. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 113 f.

Westphal, M. F., Bógus, C. M., & Faria, M. M. (1996). Grupos focais: experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Bol Oficina Sanit Panam., 120(6), 472-82, Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/ bitstream/handle/123456789/15464/v120n6p472.pdf?sequence=1.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman.

Publicado
2020-02-09
Como Citar
Oliveira, A. F. de, & Rosa, D. E. G. (2020). A estatística no ensino médio. Zetetike, 28, e020006. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8657024
Seção
Dossiê Temático