Etnomatemática e resolução de problemas como proposta metodológica para o Ensino Fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8659781

Palavras-chave:

Educação básica, Etnomatemática, Metodologias alternativas, Resolução de problemas

Resumo

Este trabalho visa contribuir com propostas metodológicas alternativas para o processo de ensino e aprendizagem de Matemática no contexto escolar da Educação Básica e tem por objetivo investigar a possibilidade de implementação de uma proposta de ensino de Matemática baseada na metodologia de ensino-aprendizagem-avaliação através da resolução de problemas, agregada aos princípios da Etnomatemática. A pesquisa seguiu uma abordagem qualitativa, caracterizada como um estudo de caso referente à aplicação da metodologia mencionada junto a alunos do oitavo ano do Ensino Fundamental, evidenciando também alguns elementos da pesquisa-ação. As situações-problema foram contextualizadas à realidade sociocultural dos alunos, a partir do tema gerador “água”, escolhido e definido com os participantes. Os dados foram coletados e analisados através de questionários, entrevistas, registros audiovisuais e anotações em diário de campo. As análises apontaram que tal aplicação significou um avanço, tanto nos conhecimentos de Matemática quanto naqueles relativos à temática trabalhada e que, para tal, foi de fundamental importância a integração dos saberes matemáticos oriundos do contexto escolar com aqueles existentes na comunidade da qual os educandos faziam parte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Cristina Geromel Meneghetti, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação Matemática Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Rio Claro/Brasil). Professora Associada do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo, São Carlos. Professora Colaboradora junto ao Programa de Pós-graduação em Educação para Ciência, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, Brasil.

Manoel de Souza Lamim Netto, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestrando em Educação para Ciência, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru. Licenciado em Matemática pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP, Brasil. Primeiro Tenente Aluno (1 Ten Al) do Curso de Formação de Oficiais (CFO 2021) da Escola de Formação Complementar do Exército e Colégio Militar de Salvador, Brasil.

 

Edna Maura Zuffi, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Matemática, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo, Brasil.

Referências

Alvarenga, K.B., Andrade, I.D., & Santos, R.J. (2016). Dificuldades na resolução de problemas básicos de matemática: um estudo de caso do agreste sergipano. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática, 12(24), 39-52.

Alves-Mazzotti, A.J. (2006). Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa (online), 36(129), 637-51. https://doi.org/10.1590/S0100-15742006000300007

Bean, D. (2001). O que é modelagem matemática? Educação Matemática em Revista, 8(9), 49-57.

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB/CONSED/UNDIME.

Brousseau, G. (1988). Le Contrat Didactique: le milieu. Rechèrches en Didactique des Mathématiques, 9(3), 309-336.

Correa, J., & Maclean, M. (1999). Era uma vez … um vilão chamado Matemática: um estudo intercultural da dificuldade atribuída à Matemática. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(1), 173-194. https://doi.org/10.1590/S0102-79721999000100012

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo: Ática.

D’Ambrosio, U. (2000). Etnomatemática e Modelagem. In M.C. Domite (Ed.), Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Etnomatemática. (p. 142). São Paulo: FE-USP.

D’ambrosio, U. (2008). Educação numa era de transição. Revista Matemática & Ciência, v. 1 (1), p. 8-18.

Fiorentini, D., & Miorim, M.A. (1990). Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no Ensino da Matemática. Boletim da SBEM-SP, 4(7), 5-10.

Fonseca, J.J.S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Freire. P. (1987). Pedagogia do oprimido. 17a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gonçalves, P.G.F., Bandeira, F.A., & Araújo Júnior, G.C. (2013). Etnomatemática e resolução de problemas: do labor dos trabalhadores das indústrias de cerâmica do município de Russas-CE ao desenvolvimento de uma experiência educacional. Anais do 11º Encontro Nacional de Estudantes de Matemática, Curitiba: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).

Mandarino, M.C.F. (2002). Os professores e a arte de formular problemas contextualizados. Anais da 2ª Bienal da Sociedade Brasileira de Matemática. Salvador: Sociedade Brasileira de Matemática. Retirado em 20 de maio, 2020, de: http://www.bienasbm.ufba.br/OF12.pdf.

Monteiro, A. (2004). Algumas reflexões sobre a perspectiva educacional da Etnomatemática. Zetetiké, 12(2), 9-32.

Onuchic, L.R. (1999). Ensino-aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas. In M.A.V. Bicudo (Org.), Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. (pp. 199-218). São Paulo: Editora UNESP.

Onuchic, L.R., & Allevato, N.S.G. (2005). Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas. In M.A.V. Bicudo & M.C. Borba (Orgs.), Educação Matemática: pesquisa em movimento. (pp. 213-231). São Paulo: Cortez.

Onuchic, L.R., & Allevato, N.S.G. (2011). O Estado da Arte da Resolução de Problemas. In Anais do 5º Congresso Internacional de Ensino de Matemática (pp. 1-12). Canoas: ULBRA.

Onuchic, L.R., Allevato, N.S.G., Noguti, F.C.H., & Justulin, A.M. (Orgs.) (2014). Resolução de Problemas: Teoria e prática. Jundiaí: Paco.

Pereira, M.I.C., & Bandeira, F.A. (2016). Etnomatemática e Resolução de Problemas como ferramentas de intervenção no ensino e aprendizagem da Matemática na Educação de Jovens e Adultos – EJA. In Anais do 9º Encontro Paraibano de Educação Matemática (EPPBEM). Campina Grande: Sociedade Brasileira de Educação Matemática-PB.

Pires, C.M.C. (2008). Educação matemática e sua influência no processo de organização e desenvolvimento curricular no Brasil. Boletim de Educação Matemática (Bolema), 21 (29), 13-42.

Polya, G. (1978). A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro: Interciências.

Rosa, M., & Orey, D. C. Influências etnomatemáticas em salas de aula: caminhando para a ação pedagógica. Curitiba: Appris.

Rosa, M., D’Ambrosio, U., Orey, D.C., Shirley, L., Alangui, W.V., Palhares, P., & Gavarreta, M.E. (2016). Current and future perspectives of ethnomathematics as a program. Hamburg: Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-319-30120-4

Teixeira, L. R. M. (2004). Dificuldades e erros na Aprendizagem da Matemática. In Anais do 7º Encontro Paulista de Educação Matemática (EPEM). São Paulo: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).

Thiollent, M. (2000). Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez.

Zuffi, E.M., & Onuchic, L.R. (2007). O Ensino-Aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas e os Processos Cognitivos Superiores. Revista Ibero americana de Educación Matemática (Unión), 11, 79-97.

Wanderer, F., & Knijnik, G. (2008). Discursos produzidos por colonos do sul do país sobre a matemática e a escola de seu tempo. Revista Brasileira de Educação, 13(39), 555-564.

Publicado

2021-10-20

Como Citar

MENEGHETTI, R. C. G.; LAMIM NETTO, M. de S.; ZUFFI, E. M. Etnomatemática e resolução de problemas como proposta metodológica para o Ensino Fundamental. Zetetike, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e021024, 2021. DOI: 10.20396/zet.v29i00.8659781. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8659781. Acesso em: 30 nov. 2022.