Banner Portal
Etnomatemática e resolução de problemas como proposta metodológica para o Ensino Fundamental
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

Educação básica
Etnomatemática
Metodologias alternativas
Resolução de problemas

Como Citar

MENEGHETTI, R. C. G.; LAMIM NETTO, M. de S.; ZUFFI, E. M. Etnomatemática e resolução de problemas como proposta metodológica para o Ensino Fundamental. Zetetike, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e021024, 2021. DOI: 10.20396/zet.v29i00.8659781. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8659781. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

Este trabalho visa contribuir com propostas metodológicas alternativas para o processo de ensino e aprendizagem de Matemática no contexto escolar da Educação Básica e tem por objetivo investigar a possibilidade de implementação de uma proposta de ensino de Matemática baseada na metodologia de ensino-aprendizagem-avaliação através da resolução de problemas, agregada aos princípios da Etnomatemática. A pesquisa seguiu uma abordagem qualitativa, caracterizada como um estudo de caso referente à aplicação da metodologia mencionada junto a alunos do oitavo ano do Ensino Fundamental, evidenciando também alguns elementos da pesquisa-ação. As situações-problema foram contextualizadas à realidade sociocultural dos alunos, a partir do tema gerador “água”, escolhido e definido com os participantes. Os dados foram coletados e analisados através de questionários, entrevistas, registros audiovisuais e anotações em diário de campo. As análises apontaram que tal aplicação significou um avanço, tanto nos conhecimentos de Matemática quanto naqueles relativos à temática trabalhada e que, para tal, foi de fundamental importância a integração dos saberes matemáticos oriundos do contexto escolar com aqueles existentes na comunidade da qual os educandos faziam parte.

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8659781
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Alvarenga, K.B., Andrade, I.D., & Santos, R.J. (2016). Dificuldades na resolução de problemas básicos de matemática: um estudo de caso do agreste sergipano. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática, 12(24), 39-52.

Alves-Mazzotti, A.J. (2006). Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa (online), 36(129), 637-51. https://doi.org/10.1590/S0100-15742006000300007

Bean, D. (2001). O que é modelagem matemática? Educação Matemática em Revista, 8(9), 49-57.

Brasil. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB/CONSED/UNDIME.

Brousseau, G. (1988). Le Contrat Didactique: le milieu. Rechèrches en Didactique des Mathématiques, 9(3), 309-336.

Correa, J., & Maclean, M. (1999). Era uma vez … um vilão chamado Matemática: um estudo intercultural da dificuldade atribuída à Matemática. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(1), 173-194. https://doi.org/10.1590/S0102-79721999000100012

D’Ambrosio, U. (1990). Etnomatemática. São Paulo: Ática.

D’Ambrosio, U. (2000). Etnomatemática e Modelagem. In M.C. Domite (Ed.), Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Etnomatemática. (p. 142). São Paulo: FE-USP.

D’ambrosio, U. (2008). Educação numa era de transição. Revista Matemática & Ciência, v. 1 (1), p. 8-18.

Fiorentini, D., & Miorim, M.A. (1990). Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no Ensino da Matemática. Boletim da SBEM-SP, 4(7), 5-10.

Fonseca, J.J.S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Freire. P. (1987). Pedagogia do oprimido. 17a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gonçalves, P.G.F., Bandeira, F.A., & Araújo Júnior, G.C. (2013). Etnomatemática e resolução de problemas: do labor dos trabalhadores das indústrias de cerâmica do município de Russas-CE ao desenvolvimento de uma experiência educacional. Anais do 11º Encontro Nacional de Estudantes de Matemática, Curitiba: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).

Mandarino, M.C.F. (2002). Os professores e a arte de formular problemas contextualizados. Anais da 2ª Bienal da Sociedade Brasileira de Matemática. Salvador: Sociedade Brasileira de Matemática. Retirado em 20 de maio, 2020, de: http://www.bienasbm.ufba.br/OF12.pdf.

Monteiro, A. (2004). Algumas reflexões sobre a perspectiva educacional da Etnomatemática. Zetetiké, 12(2), 9-32.

Onuchic, L.R. (1999). Ensino-aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas. In M.A.V. Bicudo (Org.), Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. (pp. 199-218). São Paulo: Editora UNESP.

Onuchic, L.R., & Allevato, N.S.G. (2005). Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas. In M.A.V. Bicudo & M.C. Borba (Orgs.), Educação Matemática: pesquisa em movimento. (pp. 213-231). São Paulo: Cortez.

Onuchic, L.R., & Allevato, N.S.G. (2011). O Estado da Arte da Resolução de Problemas. In Anais do 5º Congresso Internacional de Ensino de Matemática (pp. 1-12). Canoas: ULBRA.

Onuchic, L.R., Allevato, N.S.G., Noguti, F.C.H., & Justulin, A.M. (Orgs.) (2014). Resolução de Problemas: Teoria e prática. Jundiaí: Paco.

Pereira, M.I.C., & Bandeira, F.A. (2016). Etnomatemática e Resolução de Problemas como ferramentas de intervenção no ensino e aprendizagem da Matemática na Educação de Jovens e Adultos – EJA. In Anais do 9º Encontro Paraibano de Educação Matemática (EPPBEM). Campina Grande: Sociedade Brasileira de Educação Matemática-PB.

Pires, C.M.C. (2008). Educação matemática e sua influência no processo de organização e desenvolvimento curricular no Brasil. Boletim de Educação Matemática (Bolema), 21 (29), 13-42.

Polya, G. (1978). A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro: Interciências.

Rosa, M., & Orey, D. C. Influências etnomatemáticas em salas de aula: caminhando para a ação pedagógica. Curitiba: Appris.

Rosa, M., D’Ambrosio, U., Orey, D.C., Shirley, L., Alangui, W.V., Palhares, P., & Gavarreta, M.E. (2016). Current and future perspectives of ethnomathematics as a program. Hamburg: Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-319-30120-4

Teixeira, L. R. M. (2004). Dificuldades e erros na Aprendizagem da Matemática. In Anais do 7º Encontro Paulista de Educação Matemática (EPEM). São Paulo: Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).

Thiollent, M. (2000). Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez.

Zuffi, E.M., & Onuchic, L.R. (2007). O Ensino-Aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas e os Processos Cognitivos Superiores. Revista Ibero americana de Educación Matemática (Unión), 11, 79-97.

Wanderer, F., & Knijnik, G. (2008). Discursos produzidos por colonos do sul do país sobre a matemática e a escola de seu tempo. Revista Brasileira de Educação, 13(39), 555-564.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Zetetiké

Downloads

Não há dados estatísticos.