Banner Portal
Do singular ao plural
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

Grupo colaborativo
Educação matemática na infância
Educação infantil
Formação de professores

Como Citar

AZEVEDO, P. D. de; CIRÍACO, K. T.; SOUZA, A. P. G. de; LEITE, C. D. P.; GRANDO, R. C. G.; LOPES, C. E.; PASSOS, C. L. B. Do singular ao plural: professoras de infância e suas aprendizagens em educação matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022022, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8660444. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8660444. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Tomamos como objeto de análise experiências da formação continuada de professoras da Educação Infantil em um grupo de trabalho colaborativo. Destacar múltiplas aprendizagens decorrentes de interações propiciadas no compartilhar das práticas pedagógicas é objetivo deste trabalho. Validamo-nos de dados de uma investigação, financiada pelo CNPq, de cunho qualitativo cujos dados foram obtidos a partir de um questionário que teve o foco de angariar informações do processo vivenciado. O enquadramento teórico abarca questões acerca de notas sobre a infância, currículo, aprendizagem da docência e a formação em ambientes de colaboração em relação à Educação Matemática. Face aos resultados, podemos inferir que as docentes partícipes do Grupo de Estudos e Pesquisas "Outros Olhares para a Matemática" (GEOOM/UFSCar) aprenderam muito mais do que pretendíamos em termos das possibilidades que a prática colaborativa perspectiva com seu potencial. As aprendizagens evidentes implicaram em: a) relação teoria e prática; b) possibilidade de partilhas; c) aprimoramento metodológico; e d) conhecimento matemático das professoras.

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8660444
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Anjos, D. D., Nacarato, A. M., & Freitas, A. P. (2018). Práticas colaborativas: o papel do outro para as aprendizagens docentes. Educação Unisinos. 22 (2), 204-213. DOI: 10.4013/edu.2018.222.10

Ariès, P. (1978). A História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro RJ: Editora Guanabara.

Azevedo, P. D. (2012). O conhecimento matemático na Educação Infantil: o movimento de um grupo de professoras em processo de formação continuada. Tese de Doutorado em Educação. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2293/4889.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Bakhtin, M. (1992). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Editora Hucitec.

Boavida, A. M., & Ponte, J. P. (2002). Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. In Gti (Org.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 43-55). Lisboa: APM.

Ciríaco, K. T. (2020). Entre o idioma das árvores e o perfume do sol. In: P. D. Azevedo, K. T. Ciríaco (Orgs.), Outros olhares para a Matemática: experiências na Educação Infantil (pp. 15-18). São Carlos: Pedro & João Editores.

Corazza, S. M. (2004). História da Infância sem Fim. Ijuí RS. Editora Unijuí.

D’Ambrosio, U. (2004). Prefácio. In M. de. C. Borba & J. de L. Araújo (Org.), Pesquisa qualitativa em Educação Matemática (pp. 11-23). Belo Horizonte: Autêntica.

D'Ambrosio, B. S., & Lopes, C. E. (2015). Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema [online]. 2015, 29 (51), 1-17. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bolema/v29n51/1980-4415-bolema-29-51-0001.pdf.

Edwards, C., Gandini, L., & Forman, G. (1999). As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed.

Faria, A. L. G. (2005). Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica. Educação e Sociedade, 26 (92), Especial, 1013-1038. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n92/v26n92a14.pdf.

Fiorentini, D. (2004). Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In M. C. Borba & J. L. Araújo. (Org.), Pesquisa qualitativa em Educação Matemática (pp. 47-76). Belo Horizonte: Autêntica.

Forte, A., & Flores, M. A. (2009). Aprendizagem e(m) colaboração: um projecto de intervenção numa EB2,3. In Actas Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, 10 (pp. 766-784). Braga: Universidade do Minho.

Franco, M. A. S. (2005). Pedagogia da Pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, 31(3), 483-502, set./dez. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/DRq7QzKG6Mth8hrFjRm43vF/?format=pdf&lang=pt.

Fullan, M., & Hargreaves, A. (2000). A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gatti, B. A., Barreto, E. S., André, M. E. D. A., & Almeida P. A. (2019). Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO.

Gonçalves, J. A. (1992). A carreira das professoras do ensino primário. In A. Nóvoa. (org), Vida de professores (pp. 141-169). Porto: Porto Editora.

Haddad, L. (1997). A Ecologia da Educação Infantil: construindo um modelo de sistema unificado de cuidado e educação. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Retirado em 3 de abril, 2020, de: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48133/tde-02122005-101723/publico/TDE.pdf.

Imbernón, F. (2009). Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez.

Kishimoto, T. (Org.). (1996). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez.

Kohan, W. (2003). Infância: entre a Educação e a Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica.

Leite, C. D. P. (2011) Infância, Experiência e Tempo. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Lima, E. F. (2015) Análise de necessidades formativas de docentes ingressantes numa Universidade pública. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (on-line), Brasília, 96 (243), 343-358, mai./ago. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbeped/v96n243/2176-6681-rbeped-96-243-00343.pdf.

Lopes, C. A. E. (2003). O conhecimento profissional dos professores e suas relações com estatística e probabilidade na educação infantil. Tese de Doutorado em Educação. Campinas: Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Retirado em 15 de maio, 2020, de: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/253899/1/Lopes_CeliAparecidaEspasandin_D.pdf.

Lorenzato, S. (2006). Educação Infantil e percepção matemática. Campinas: Autores Associados.

Ministério da Educação (MEC). (2010). Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9769-diretrizescurriculares-2012&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192.

Ministério da Educação e do Desporto (MEC). (1998). Secretaria da Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília.

Mizukami, M. G. N., Reali, A. M. M. R., Reyes, C. R., Martucci, E. M., Lima, E. F., Tancredi, R. M. S. P., & Mello, R. R. (2002). Escola e aprendizagem da docência: Processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar.

Moura, M. O. (2006). Saberes pedagógicos e saberes específicos: desafios para o ensino de Matemática. In Anais do Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino – ENDIPE, 13 (pp.489-504). Recife-PE.

Oliveira-Formosinho, J. (2002). O desenvolvimento profissional das educadoras de infância: entre os saberes e os afetos, entre a sala e o mundo. In J. Oliveira-Formosinho & T. M. Kishimoto (Org.), Formação em contexto: uma estratégia de integração (pp.41-88). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Pimenta, S. G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, 31 (3), 521-539. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a13v31n3.pdf.

Pimenta, S. G. (2006). O estágio supervisionado na formação de professores: unidade teoria e prática? 7ª. ed. São Paulo: Cortez.

Pimenta, S. G., Garrido, E., & Moura, M. O. (2001). Pesquisa colaborativa na escola facilitando o desenvolvimento profissional de professores. In Anais da Reunião Anual da Anped, 24. Caxambu, MG. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/333614522_Pesquisa_Colaborativa_na_escola_facilitando_o_desenvolvimento_profissional_de_professores.

Postman, N. (1999). O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro, RJ: Graphia.

Presidência da República (Casa Civil). (1996). Subchefia para Assuntos Jurídicos. Governo Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.html.

Rancière, J. (1995). Políticas da escrita. Rio de Janeiro: Editora 34.

Rogers, C. (2002). Defining Reflection: Another Look at John Dewey and Reflective Thinking.Teachers. (pp.842-866). College Record, v.104, n.4.

Rossetti-Ferreira, M. C. et al. (2011). Os fazeres na Educação Infantil. 12ª. ed. São Paulo: Cortez.

Smole, K. S., Diniz, M. I., & Cândido, P. (2000). Matemática de 0 a 6: brincadeiras infantis nas aulas de Matemática. Porto Alegre: Artes Médicas.

Vaillant, D., & Marcelo, C. (2012). Ensinando a ensinar. As quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: UTFPR.

Zeichner, K. M. (1998). Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: C. M. Geraldi, D. Fiorentini & E. M. Pereira (Orgs.), Cartografia do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a) (pp. 207-236). Campinas, Mercado de Letras/ABL.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Zetetiké

Downloads

Não há dados estatísticos.