Significados produzidos por futuros professores de Matemática ao estudar diferentes modelos geométricos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661597

Palavras-chave:

Educação matemática, Atividade orientadora de ensino, Formação de professores, Geometrias não Euclidianas

Resumo

Recorrente nas discussões científicas acadêmicas e, consequentemente, nas investigações da área em Educação Matemática, o estudo de Geometrias não Euclidianas na formação inicial do professor de Matemática pode ampliar a compreensão dos licenciandos acerca de conceitos geométricos euclidianos. No presente artigo, apresentam-se os resultados de uma Atividade de Ensino aplicada a futuros professores de Matemática, com o objetivo de analisar a produção de significados dos participantes no estudo de conceitos geométricos não euclidianos. A Teoria Histórico-Cultural de Vygotsky, complementada pela Teoria da Atividade de Leontiev e pela Atividade Orientadora de Ensino de Moura são os aportes teóricos que subsidiaram a investigação e as ações pedagógicas neste estudo. Ao aceitarem a existência de outros modelos geométricos, os licenciandos investigados modificaram a maneira como se relacionam com o espaço em que vivem e, assim, desenvolvem maior autonomia no processo de construção dos conceitos atribuindo significados diferenciados para os objetos geométricos estudados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis Lisbôa dos Santos Junior, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Educação Matemática e Tecnológica pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Professor da Universidade do Estado da Bahia – UNEB/Campus X, Brasil.

Lícia de Souza Leão Maia, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Sciences de L’éducation – Université de Paris V (Sorbone). Professora do Programa de Pós – Graduação em Educação Matemática e Tecnológica da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Brasil.

Referências

Abreu, G. (2000). O papel mediador da cultura na aprendizagem da matemática: a perspectiva de Vygotsky. Educação, Sociedade & Culturas, (13), 105-117.

Asbahr, F. S. F. (2014). Sentido pessoal, significado social e atividade de estudo: uma revisão teórica. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 18(2), 265-272. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2014/0182744

Braida, F. C. (2012). Interferência do enquadramento de trabalho nas representações sobre o ensino de leitura no contexto da formação inicial docente sob o entendimento da Teoria Holística da Atividade. Tese de Doutorado em Letras - Estudos Linguísticos. Santa Maria, RS: Universidade Federal de Santa Maria.

Cardoso, N. P., Hundertmarck, J., Perlin, P., & Lopes, A. R. L. V. (2012). Atividade Orientadora de Ensino: uma experiência utilizando trocas nos anos iniciais. In Anais da 3a Escola de Inverno de Educação Matemática (pp. 1-11). Santa Maria, RS: 1o Encontro Nacional PIBID-MATEMÁTICA. Recuperado de https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/534/2020/03/RE_Cardoso_Naise.pdf

Castorina, J. A. (1996). O debate Piaget-Vigotsky: a busca de um critério para uma avaliação. In J. A. Castorina, E. Ferreiro, D. Lerner & M. K. Oliveira. Piaget – Vigotsky: novas contribuições para o debate (pp. 7-50). São Paulo: Ática.

Duarte, N. (2004). Formação do indivíduo, consciência e alienação: o ser humano na psicologia de A. N. Leontiev. Caderno CEDES, 24(62), 44-63. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/ccedes/v24n62/20091.pdf

Leontiev, A. N. (1978). O desenvolvimento do psiquismo (2a ed.). São Paulo: Centauro.

Lopes, A. R. L. V. (2009). Aprendizagem da docência em matemática: o Clube de Matemática como espaço de formação inicial de professores. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo.

Moura, M. O., Araújo, E. S., Ribeiro, F. D., Panossian, M. L., & Moretti, V. D. (2010). A atividade orientadora de ensino como unidade entre o ensino e a aprendizagem. In M. O. Moura (Org.), A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural (pp. 81-109). Brasília, DF: Liber Livro.

Moura, M. O. (1996). Controle da variação de quantidades: atividades de ensino. São Paulo: FEUSP.

Moura, M. O. (2001). A atividade de ensino como ação formadora. In A. D. Castro & A. M. P. Carvalho (Orgs.), Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média (143-162). São Paulo: Thomson Learning.

Moysés, L. (1997). Aplicações de Vygotsky à educação matemática. Campinas: Papirus.

Vygotsky, L. S. (1987). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1993). Pensamiento y palabra. In L. S. Vygotsky, Obras escogidas (vol. 2) (pp. 287-348). Madrid: Visor.

Vygotsky, L. S. (2003). A formação social da mente: desenvolvimento da percepção e da atenção (6a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S., Luria, A. R., & Leontiev, A. N. (2010). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (11a ed.). São Paulo: Ícone.

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Santos Junior, C. L. dos, & Maia, L. de S. L. (2021). Significados produzidos por futuros professores de Matemática ao estudar diferentes modelos geométricos. Zetetike, 29(00), e021017. https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661597

Edição

Seção

Dossiê Temático

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)