Banner Portal
Significados produzidos por futuros professores de matemática ao estudar diferentes modelos geométricos
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

Educação matemática
Atividade orientadora de ensino
Formação de professores
Geometrias não Euclidianas

Como Citar

SANTOS JUNIOR, Clovis Lisbôa dos; MAIA, Lícia de Souza Leão. Significados produzidos por futuros professores de matemática ao estudar diferentes modelos geométricos. Zetetike, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e021017, 2021. DOI: 10.20396/zet.v29i00.8661597. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8661597. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Recorrente nas discussões científicas acadêmicas e, consequentemente, nas investigações da área em Educação Matemática, o estudo de Geometrias não Euclidianas na formação inicial do professor de Matemática pode ampliar a compreensão dos licenciandos acerca de conceitos geométricos euclidianos. No presente artigo, apresentam-se os resultados de uma Atividade de Ensino aplicada a futuros professores de Matemática, com o objetivo de analisar a produção de significados dos participantes no estudo de conceitos geométricos não euclidianos. A Teoria Histórico-Cultural de Vygotsky, complementada pela Teoria da Atividade de Leontiev e pela Atividade Orientadora de Ensino de Moura são os aportes teóricos que subsidiaram a investigação e as ações pedagógicas neste estudo. Ao aceitarem a existência de outros modelos geométricos, os licenciandos investigados modificaram a maneira como se relacionam com o espaço em que vivem e, assim, desenvolvem maior autonomia no processo de construção dos conceitos atribuindo significados diferenciados para os objetos geométricos estudados.

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661597
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Abreu, G. (2000). O papel mediador da cultura na aprendizagem da matemática: a perspectiva de Vygotsky. Educação, Sociedade & Culturas, (13), 105-117.

Asbahr, F. S. F. (2014). Sentido pessoal, significado social e atividade de estudo: uma revisão teórica. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 18(2), 265-272. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2014/0182744

Braida, F. C. (2012). Interferência do enquadramento de trabalho nas representações sobre o ensino de leitura no contexto da formação inicial docente sob o entendimento da Teoria Holística da Atividade. Tese de Doutorado em Letras - Estudos Linguísticos. Santa Maria, RS: Universidade Federal de Santa Maria.

Cardoso, N. P., Hundertmarck, J., Perlin, P., & Lopes, A. R. L. V. (2012). Atividade Orientadora de Ensino: uma experiência utilizando trocas nos anos iniciais. In Anais da 3a Escola de Inverno de Educação Matemática (pp. 1-11). Santa Maria, RS: 1o Encontro Nacional PIBID-MATEMÁTICA. Recuperado de https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/534/2020/03/RE_Cardoso_Naise.pdf

Castorina, J. A. (1996). O debate Piaget-Vigotsky: a busca de um critério para uma avaliação. In J. A. Castorina, E. Ferreiro, D. Lerner & M. K. Oliveira. Piaget – Vigotsky: novas contribuições para o debate (pp. 7-50). São Paulo: Ática.

Duarte, N. (2004). Formação do indivíduo, consciência e alienação: o ser humano na psicologia de A. N. Leontiev. Caderno CEDES, 24(62), 44-63. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/ccedes/v24n62/20091.pdf

Leontiev, A. N. (1978). O desenvolvimento do psiquismo (2a ed.). São Paulo: Centauro.

Lopes, A. R. L. V. (2009). Aprendizagem da docência em matemática: o Clube de Matemática como espaço de formação inicial de professores. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo.

Moura, M. O., Araújo, E. S., Ribeiro, F. D., Panossian, M. L., & Moretti, V. D. (2010). A atividade orientadora de ensino como unidade entre o ensino e a aprendizagem. In M. O. Moura (Org.), A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural (pp. 81-109). Brasília, DF: Liber Livro.

Moura, M. O. (1996). Controle da variação de quantidades: atividades de ensino. São Paulo: FEUSP.

Moura, M. O. (2001). A atividade de ensino como ação formadora. In A. D. Castro & A. M. P. Carvalho (Orgs.), Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média (143-162). São Paulo: Thomson Learning.

Moysés, L. (1997). Aplicações de Vygotsky à educação matemática. Campinas: Papirus.

Vygotsky, L. S. (1987). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1993). Pensamiento y palabra. In L. S. Vygotsky, Obras escogidas (vol. 2) (pp. 287-348). Madrid: Visor.

Vygotsky, L. S. (2003). A formação social da mente: desenvolvimento da percepção e da atenção (6a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S., Luria, A. R., & Leontiev, A. N. (2010). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem (11a ed.). São Paulo: Ícone.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Zetetiké

Downloads

Não há dados estatísticos.