Banner Portal
(De)formação de professores e o que podem portfólios na produção de diferenças em identidades movediças
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

Narrativas
Educação matemática

Como Citar

TIZZO, V. S.; XAVIER, A. C. M. Z.; SILVA, H. da. (De)formação de professores e o que podem portfólios na produção de diferenças em identidades movediças. Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022028, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8661756. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8661756. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

Este artigo aborda aspectos do processo formativo de professores (de Matemática) e de ações voltadas a ele a partir da noção de deformação. Para tanto, operam-se alguns conceitos das filosofias da diferença, relacionando tal noção à ideia de devir professor. Dentre outras problematizações, questiona-se: Quais práticas mostram-se potentes para um processo de reterritorialização da formação de professores, que promovam descentramentos e desapego do “ser” e façam emergir um devir professor (de Matemática)? Com base em narrativas de professores formadores sobre seus trabalhos com portfólios na formação de futuros professores, buscou-se, sob uma perspectiva cartográfica, uma análise do potencial desse recurso para problematizações de afetações que operem junto à composição de uma docência em devir.

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8661756
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Barros, M. (2010). Poesia completa. São Paulo: Leya.

Bovo, A. A. (2011). Abrindo a Caixa Preta da Escola: uma discussão acerca da cultura escolar e da prática pedagógica do professor de matemática. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro: Unesp.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, G. (2019). Cursos sobre Spinoza (Vincennes, 1978-1981)/Gilles Deleuze. Fortaleza: EdUECE, 2019.

Foucault, M. (2010). Polêmica, política e problematizações. In: M. Foucault. Ditos & Escritos V: Ética, sexualidade, política (pp. 225-233). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Freire, P. (1987). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freitas, E. de (2012). The Classroom as Rhizome: New Strategies for Diagramming Knotted Interactions. QualitativeInquiry, 18(7), 557-570.

Garnica, A. V. M. (2014). Cartografias contemporâneas: mapear a formação de professores de matemática. In: Cartografias Contemporâneas: mapeando a formação de professores de matemática no Brasil. (pp. 39-64). Curitiba: Appris.

Gomes, M. L. M. (2014). Formação e Atuação de Professores de Matemática, Testemunhos e Mapas. In: Cartografias Contemporâneas: mapeando a formação de professores de matemática no Brasil. (pp. 11-37). Curitiba: Appris.

Gregolin, I. V. (2018). Processo de Formação de Professores de Línguas com Uso de Portfólios: Experiências do Pibid-Letras da UFSCar. In: I. C. T. Bozzini, M. R. Onofre, I. M. S. Santos & R. Sebastiani (Orgs.), Pibid UFSCar: uma parceria colaborativa entre universidade e escola (pp. 95-106). São Carlos: Pedro & João Editores.

Gregolin, I. V. (2018). Processo de Formação de Professores de Línguas com Uso de Portfólios: Experiências do Pibid-Letras da UFSCar. In: BOZZINI, I. C. T. ; ONOFRE, M. R.; SANTOS, I. M. S.; SEBASTIANI, R. (Org.). Pibid UFSCar: uma parceria colaborativa entre universidade e escola (pp. 95-106). São Carlos: Pedro & João Editores.

Hall, S. Quem precisa da identidade? In: T. T. Silva (Org.), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 103-133). Petrópolis: Vozes.

Josso, M. C. (2004). Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez.

Kastrup, V. (2005). Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educ. Soc., 26(93), 1273-1288.

Kastrup, V. (2014). O Funcionamento da Atenção no Trabalho do Cartógrafo. In: E. Passos, V. Kastrup & L. Escóssia (Org.), Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 32-51.). Porto Alegre: Sulinas.

Liberman, F., & Lima, E. M. F. de A. (2015). Um corpo de cartógrafo. Interface: comunicação, saúde e educação, 19(52), 183-193.

Marcello, F. de A. (2004). O conceito de dispositivo em Foucault: mídia e produção agonística de sujeitos-maternos. Educação e Realidade, 29(1), 199-2013.

Queiroz, S. M. (2015). Movimentos que permeiam o devir professor de matemática de alguns licenciandos. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro: Unesp.

Rocha, S. P. V. (2015). Tornar-se quem se é: educação como formação, educação como transformação. Anais do Terceiro Congresso Latinoamericano de Filosofia da Educação (pp. 1-14). México: Universidade Nacional Autónoma de México.

Rolnik, S. (2014). Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina.

Sá-Chaves, I. (2004). Portfolios Reflexivos. Estratégia de formação e de Supervisão. Aveiro: Unidade de Investigação Didáctica e tecnologia na Formação de Formadores.

Sá-Chaves, I. (2005). Os “Portfolios” Reflexivos (também) trazem gente dentro. Porto: Porto Editora.

Schneider, C. I. (2013). Problemáticas dos espaços de formação docente: o liso, o estriado e a poética da história. Revista, tempo, espaço, linguagem, 4(3), 08-21.

Silva, M. T. da (2014). Localizando a “Autonomia” do Professor de Matemática Através da Cartografia. Anais do Segundo Congresso nacional de formação de professore e Décimo Segundo Congresso estadual paulista sobre formação de educadores (pp. 5689-5702). Águas de Lindóia: Prograd Unesp.

Souza, R. M. (2018). Viagem (de)formative na narrative autobiográfica de Elias Canetti. In: A. C. Mignot, D. Z. Moraes & R. Martins (Orgs.), Atos de Biografar: narrativas digitais, história, literature e artes (pp. 75-85). Curitiba: CRV.

Sunstrum, P. P. (2020). Em entrevista para Wepresent. Retirado em 28 de outubro, 2020, de: https://wepresent.wetransfer.com/story/pamela-phatsimo-sunstrum/

Tizzo, V. S. (2019). Mobilizações de narrativas na (e para a) formação de professores: potencialidades no (e a partir do) Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro: Unesp.

Vinci, C. F. R. G. (2015). A problematização e as pesquisas educacionais: sobre um gesto analítico foucaultiano. Filosofia e Educação, 7(2), 195-219.

Walsh, C. (2017). ¿Interculturalidad y (de)colonialidad? Gritos, grietas y siembras desde AbyaYala. In: A. G. Diniz & D. A. Pereira (Org.), Poéticas y políticas da linguagemem vías de decolonização (pp. 19-53). Foz do Iguaçu: Universidad Integración Latinoamericana.

Zaqueu-Xavier, A. C. M. (2019). Narrativas na formação de professores: possibilidades junto ao Pibid da UFSCar. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Rio Claro: Unesp.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Zetetiké

Downloads

Não há dados estatísticos.