Jogo cooperativo como produto educacional para ensinar matemática

formação inicial e continuada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661778

Palavras-chave:

Educação estatística, Anos iniciais do ensino fundamental, Mestrado profissional, Jogo cooperativo de tabuleiro

Resumo

Este texto apresenta resultados da validação de um jogo cooperativo de tabuleiro como recurso de ensino de estatística nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, um produto educacional desenvolvido no curso de mestrado profissional do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias (PPGECMT) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Acadêmicos do curso de Licenciatura em Matemática da UDESC participaram de uma intervenção, quando avaliaram o produto educacional. Essa avaliação foi interpretada por meio da Análise de Conteúdo, o que evidenciou as opiniões e as sugestões dos participantes e resultou na conclusão de que o produto possui características de um jogo cooperativo e de que cumpre com o objetivo de ensinar estatística aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental com uma adequada proposta pedagógica e metodológica. A intervenção levou à reflexão apresentada neste texto, tanto sobre jogos cooperativos, quanto sobre relações entre formação inicial e continuada de professores de matemática que podem ser motivadas por uma pesquisa de mestrado profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Caroline Silveira, Universidade do Estado de Santa Catarina

Mestra em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Doutoranda em Educação na UDESC, Brasil.

Luciane Mulazani dos Santos, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora associada da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Brasil.

Ivani Teresinha Lawall, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutora em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Santa Catarina (UFSC). Professora associada da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Brasil.

Referências

Brasil, Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Brasília, DF.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barros, E. C., Valentim, M. C., & Melo, M. A. A. (2005). O debate sobre o mestrado profissional na Capes: trajetória e definições. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 2(4), 124-138. DOI: https://doi.org/10.21713/2358-2332.2005.v2.84.

Brotto, F. O. (1995). Jogos Cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. São Paulo: Cepeusp.

Brotto, F. O. (1999). Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Dissertação de Mestrado em Educação Física. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2019). Documento de área: área 46 - ensino. Institui requisitos para apresentação de propostas de cursos novos. CAPES: Brasília.

Fischer, T. (2005). Mestrado profissional como prática acadêmica. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 2(4), 24-29.

Jeong, C. Y. (2009). Fugindo das garras do gato. Editora: Callis.

Lopes, C. E. (2004). Literacia estatística e o INAF 2002. In M. da C. F. R. Fonseca (Org.), Letramento no Brasil: habilidades matemáticas: reflexões a partir do INAF 2002. (pp.187-197). São Paulo: Global.

Lopes, C. E. (2012). A Educação Estocástica na Infância. Revista Eletrônica de Educação, 6(1), 160-174.

Lopes, C. E. & Carvalho, C. (2005). Literacia Estatística na educação básica. In: C. E. Lopes & A. M. Nacarato. Escritas e leituras na educação matemática. (pp. 77-92). Belo Horizonte: Autêntica.

Orlick, T. (1989). Vencendo a competição. São Paulo Círculo do Livro.

Ostermann, F. (2009). Projeto de desenvolvimento e de pesquisa na área de ensino de ciências e matemática: uma reflexão sobre os mestrados profissionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 26(1), 66-80.

Portaria nº 47, de 17 de outubro de 1995. (1985). Determina a implantação na Capes de procedimentos apropriados à recomendação, acompanhamento e avaliação de cursos de mestrado dirigidos à formação profissional.

Portaria nº 80, de 16 de dezembro de 1998. (1998). Dispõe sobre o reconhecimento dos mestrados profissionais e dá outras providências.

Portaria Normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009. (2009). Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES.

Portaria nº 389, de 23 de março de 2017. (2017). Dispõe sobre o mestrado e doutorado profissional no âmbito da pós-graduação stricto sensu.

Soler, R. (2003). Jogos Cooperativos. 2. ed. Rio de Janeiro: Sprint.

Silveira (2019a). O jogo cooperativo para alfabetização estatística nos anos iniciais do ensino fundamental: ensino, aprendizagem e avaliação dos conhecimentos matemáticos. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias. Joinville: Universidade do Estado de Santa Catarina. Retirado em 02 de outubro, 2020, de: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=7719747.

Silveira (2019b). Jogo cooperativo de tabuleiro: As aventuras dos ratos. Produto Educacional. Joinville: Universidade do Estado de Santa Catarina. Retirado em 02 de outubro, 2020, de: http://educapes.capes.gov.br/handle/capes/552901.

Teixeira, P. M. M., & Megid Neto, J. (2017). Uma proposta de tipologia para pesquisas de natureza interventiva. Ciência & Educação, 23(4), 1055-1076.

Shulman, L. S. (2014). Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec, 4(2), 196-229.

Publicado

2021-05-31

Como Citar

Silveira, M. C., Santos, L. M. dos, & Lawall, I. T. (2021). Jogo cooperativo como produto educacional para ensinar matemática: formação inicial e continuada. Zetetike, 29(00), e021015. https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661778

Edição

Seção

Dossiê Temático