Trajetória hipotética de aprendizagem como recurso para a formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661816

Palavras-chave:

Educação matemática, Formação de professores de matemática, Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar um ensaio teórico e discutir aspectos de uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem (THA) com vistas a subsidiar práticas de professores de Matemática em formação inicial ou continuada. O estudo se trata de uma pesquisa qualitativa e, à luz de pressupostos teóricos de Martin Simon busca-se argumentar a respeito da elaboração de THAs como um recurso estratégico metodológico que possibilita aos docentes em formação (ou em exercício) organizarem seus planejamentos escolares a partir de um processamento hipotético. Para atingir estes objetivos são apresentados: aspectos teóricos da THA; uma THA sobre o ensino de Logaritmos; uma discussão a respeito do processo de sua elaboração como estratégia de formação. Como resultado infere-se que as THAs oportunizam aos docentes em formação analisarem aspectos que delimitam suas práticas de modo articulado, se envolverem em um processo de reflexão e tomada de decisão sobre seu exercício profissional. As análises e reflexões se amparam no argumento de a THA se revelar como um potencial recurso para a formação docente por apresentar carácter instrumentalizador, flexível, interativo, previsor, problematizador, dinâmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julio Cezar Rodrigues de Oliveira, Núcleo Regional de Educação de Toledo

Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina. Professor da Educação Básica da Rede Estadual do Paraná, Toledo, Brasil.

Pamela Emanueli Alves Ferreira, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina. Professora da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Brasil.

Referências

Angiolin, A. G. (2009). Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem sobre Funções Exponenciais. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Ball, D. L., & Bass, H. (2003). Toward practice-based theory of mathematical knowledge for teaching. In B. Davis & E. Smith (Eds), Proceedings of the 2002 Annual Meeting of the Canadian Mathematics Education Study Group (pp.3-14). Edmonton. Proceedings… Edmonton: CMESG/GCEDM.

Ball, D., Thames, M. H., & Phelps, G. C (2008). Content Knowledge for Teaching: What make it special? Journal of Teacher Education, 59 (5), 389-407.

Barbosa, A. A. (2009). Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem relacionadas às razões e às funções trigonométricas, visando uma perspectiva construtivista. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Brousseau, G. (1987). Les differents roles du maitre. Colloque des P.E.N. Angers. In S. A. Martin (Ed.), Reconstructing mathematics pedagogy from a constructivist perspective. Washington, DC: National Science Foundation.

Gómez, P., González, M. J., & Lupiáñez, J. L (2007). Adapting the Hypothetical Learning Trajectory Notion to Secondary Preservice Teacher Training. Chipre: Universidade de Chipre.

Ivars, P., Fernández, C., Llinares, S., & Choy, B. H. (2018). Enhancing Noticing: Using a Hypothetical Learning Trajectory to Improve Pre-service Primary Teachers’ Professional Discourse. Eurasia Journal of Mathematics, Science and Technology Education, 14(11), em1599. doi.org/10.29333/ejmste/93421

Lima, P. O. (2009). Uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem sobre Funções Logarítmicas. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Luna, M. F. A. (2009). Estudo das Trajetórias Hipotéticas de Aprendizagem de Geometria Espacial para o Ensino Médio na perspectiva construtivista. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Menotti, R. M. (2014). Frações e suas operações: Resolução de Problemas em uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem. Dissertação de Mestrado Profissional em Matemática. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

Mesquita, M. A. N. (2009). Ensinar e Aprender funções polinomiais do 2° grau no Ensino Médio: construindo trajetórias. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Oliveira, J. C. R (2015). Uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem para o Ensino de Logaritmos na Perspectiva da Resolução de Problemas. Dissertação de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Oliveira, J. C. R., Frias, R. T., & Omodei, L. B. C. (2014). Uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem para o Ensino de Função Afim em um curso de Formação Continuada. Anais do Encontro Paranaense de Educação Matemática. Campo Mourão: Unespar.

Onuchic, L. R., & Allevato, N. S.G. (2011). Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. BOLEMA - Boletim de Educação Matemática, 25 (41), 73-98.. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/2912/291223514005.pdf> . Acesso em: 15 jan. 2015.

Pires, C. M. C (2009). Perspectivas construtivistas e organizações curriculares: um encontro com as formulações de Martin Simon. Educação Matemática Pesquisa, 11 (1), 145-166.

Polya, G.(1994). A Arte de Resolver Problemas. Rio de Janeiro: Interciência.

Rosenbaum, L. S. (2010). Uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem sobre funções trigonométricas numa perspectiva construtivista. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Simon, M. A (1995). Reconstructing Mathematics Pedagogy from a Constructivist Perspective. Journal for research in Mathematics Education, 26 (2), 114-145.

Simon, M. A., & Tzur, R. (2004). Explicating the role of mathematical tasks in conceptual learning: an elaboration of the hypothetical learning trajectory. Mathematical Thinking and Learning, 6 (2), 91-104.

Steffe, L. P. (2004) On the Construction of Learning Trajectories of Children: The Case of Commensurate Fractions. Mathematical Thinking and Learning, 6 (2), 129-162.

Sztajn, P., Confrey, J., Wilson, P. H., & Edgington, C. (2012). Learning Trajectory Based Instruction: Toward a Theory of Teaching. Educational Researcher, 41(5), 147–156.

Wilson, P. H., Sztajn, P., Edgington, C., & Confrey, J. (2014). Teachers’ use of their mathematical knowledge for teaching in learning a mathematics learning trajectory. Journal of Mathematics Teacher Education. 17, 149-175. DOI 10.1007/s10857-013-9256-1

Wilson, P. H., Sztajn, P., Edgington, C., Webb, J., & Myers, M. (2017). Changes in Teachers’ Discourse About Students in a Professional Development on Learning Trajectories. American Educational Research Journal, 54(3), 568-604. DOI 10.3102/0002831217693801

Publicado

2021-05-29

Como Citar

Oliveira, J. C. R. de, & Ferreira, P. E. A. (2021). Trajetória hipotética de aprendizagem como recurso para a formação de professores. Zetetike, 29(00), e021013. https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661816

Edição

Seção

Dossiê Temático