Oficinas de criatividade em matemática

uma experiência nos anos iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661902

Palavras-chave:

Oficinas de criatividade em matemática, Pensamento crítico e criativo, Aprendizagem matemática, Resolução de problemas

Resumo

A pesquisa “Ativando o pensamento crítico e criativo das crianças em matemática” realizada em Brasília – DF, trata de uma intervenção com estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental de uma escola pública, para estimular o pensamento crítico e criativo, bem como analisar os efeitos do uso de técnicas de criatividade no rendimento escolar, na motivação e na criatividade em matemática. Foram realizadas oito “Oficinas de Criatividade em Matemática" nas quais os estudantes foram instigados a criar estratégias para solucionar problemas matemáticos, conforme as competências e habilidades previstas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Os resultados mostraram a viabilidade das oficinas para motivar os estudantes nas tarefas matemáticas e promover aprendizagens significativas. Com as oficinas, podemos diversificar as avaliações e estratégias metodológicas de ensino, de modo a possibilitar o desenvolvimento do potencial crítico e criativo dos estudantes e auxiliar a prática docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ildenice Lima Costa, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Doutoranda em Educação pela Universidade de Brasília. Docente da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, Brasil.

Alessandra Lisboa da Silva, Universidade de Brasília

Doutora em Educação pela Universidade de Brasília. Docente da Universidade de Brasília / Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, Brasil.

Cleyton Hércules Gontijo, Universidade de Brasília

Doutor em Psicologia pela Universidade de Brasília. Docente da Universidade de Brasília, Brasil.

Referências

Alencar, E. M. L. S. (1993). Criatividade. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

Alencar, E. M. L. S. (1996). A medida da criatividade. In: L.Pasquali (org.), Teoria e métodos de medida em ciências do comportamento. Brasília: Laboratório de Pesquisa em Avaliação e Medida / Instituto de Psicologia / UnB: INEP.

Alencar, E. M. L. S. et al. (2018). Criatividade em Sala de Aula: Fatores Inibidores e Facilitadores Segundo Coordenadores Pedagógicos. Psico-USF, Bragança Paulista, 23(3), 555-566.

Beghetto, R. A. (2020). On creative thinking in education: Eight questions, eight answers. Future EDge: NSW Department of Education, 1, 48 – 71. Retirado em 01 novembro, 2020, de: https://bit.ly/3jMXn1n.

Carvalho, A. T. (2015). Relações entre criatividade, desempenho escolar e clima para criatividade nas aulas de matemática de estudantes do 5º ano do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação. Brasília: Faculdade de Educação, Universidade de Brasília.

Carvalho, A. T. (2019). Criatividade compartilhada em matemática: do ato isolado ao ato solidário. Tese de doutorado em Educação. Universidade de Brasília, Brasília.

Clemente, V. C. M. (2016). Educação para o pensamento criativo e crítico em tecnologia e design de produto. Tese de Doutorado Ciências da Educação. Departamento de Educação e Psicologia, Universidade de Aveiro, Aveiro/Portugal. Retirado em 30 de outubro, 2020, de: http://hdl.handle.net/10773/16948.

Clemente, V. C. M., Tschimmel, K., & Vieira, R. (2016). Pensamento criativo e crítico no Desenvolvimento de Produto: uma intervenção didática baseada no Design Thinking. Revista Lusófona de Educação, 32, 75-92. Retirado em 30 de março, 2019, de: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/5516.

Fonseca, M. G., Gontijo, C. H., & Souza, J. C. S. (2018). Políticas curriculares em matemática: o pensamento crítico e criativo no centro do debate. In: Anais da III Jornada Ibero-Americana de Pesquisas em Políticas Educacionais e Experiências Interdisciplinares na Educação. Brasília, p. 1-11.

Franco, A. H. R., & Almeida, L. S. (2017). Definição e medida do pensamento crítico. In: Almeida, L. S. Criatividade e pensamento crítico: conceito, avaliação e desenvolvimento. Porto: CERPSI.

Gómez Chacón, I. M. (2003). Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: Artmed.

Gontijo, C. H. (2007). Relações entre Criatividade, Criatividade em Matemática e Motivação em Matemática de Alunos do Ensino Médio. 194f. Tese de Doutorado em Psicologia. Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília/DF.

Gontijo, C. H. (2020, 17 de agosto). Criatividade(s) em Matemática: Bases teóricas e aplicações pedagógicas [Canal do Grupo PI Brasília]. YouTube. Recuperado em 1 de setembro de 2020, de https://youtu.be/6sRkhq16wbM.

Kaufman, J. C. & Beghetto, R. A. (2009). Beyond big and little: the four C model of creativity. Review of General Psychology, 13 (1), 1–12.

Lipman, M. (2003). Thinking in education. UK: Cambridge University Press.

Lisboa, A. (2019). Uma engenharia didática para aprendizagem de geometria analítica no ensino médio. Tese de Doutorado em Educação. Brasília: Universidade de Brasília. Retirado em 01 de novembro, 2020, de https://repositorio.unb.br/handle/10482/36023.

Lutz-Westphal, B. (2019). Levando autenticidade à sala de aula de matemática. In: R. S. P. Neves & R. C. Dörr (Orgs), Formação de Professores de Matemática: Desafios e Perspectivas. Curitiba: Appris.

Martins, F., Vieira, M., Reis, D., & Ribeiro, M. (2013). Ensinar através da modelação matemática: uma primeira discussão baseada numa experiência de ensino no 4º ano de escolaridade. EXEDRA, 8, 166-180. Retirado em 31 de outubro, 2020, de http://exedra.esec.pt/wp-content/uploads/2014/09/12.pdf.

Ministério da Educação (MEC). (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília – DF. Retirado em 31 de outubro, 2020, de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf.

Morais, M.F., & Fleith, D. S. (2017). Conceito e Avaliação de Criatividade. In: L.S. Almeida (Coord.), Criatividade e Pensamento Crítico - Conceito, Avaliação e Desenvolvimento. Lisboa: CERPSI / Centro de Estudos e Recursos em Psicologia, Mota & Ferreira Artes Gráficas.

OCDE. (2019). Framework for the Assessment of Creative Thinking in PISA 2021: Third Draft. OECD Publishing, Paris. Retirado em 31 de outubro, 2020, de https://www.oecd.org/pisa/publications/PISA-2021-Creative-Thinking-Framework.pdf.

OCDE. (2020). Desenvolvimento da criatividade e do pensamento crítico dos estudantes: o que significa na escola. Instituto Ayrton Senna; tradução Carbajal Traduções. – São Paulo: Fundação Santillana.

Santos, F. C., Santiago, O. P., & Silva, E. L. (2016). Pensamento crítico e pensamento criativo: uma reflexão no ensino de ciências. Anais eletrônicos do Colóquio Internacional "Educação e Contemporaneidade" (pp. 1-10). São Cristóvão/Sergipe: EDUCON. Retirado em 30 de março, 2019, de http://anais.educonse.com.br/2016/pensamento_critico_e_pensamento_criativo_uma_reflexao_no_ensino_d.pdf.

Tschimmel, K. (2010). Sapiens e Demens no pensamento criativo do design. Tese de doutorado em Design. Universidade de Aveiro, Aveiro - Portugal. Retirado em 01 de abril, 2019, de http://hdl.handle.net/10773/1270.

Publicado

2021-05-29

Como Citar

Costa, I. L., Silva, A. L. da, & Gontijo, C. H. (2021). Oficinas de criatividade em matemática: uma experiência nos anos iniciais. Zetetike, 29(00), e021010. https://doi.org/10.20396/zet.v29i00.8661902

Edição

Seção

Dossiê Temático