Caracterização de uma "tabuada para ensinar"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8667600

Palavras-chave:

Saberes para ensinar, Matemática para ensinar, Fatos fundamentais

Resumo

Este texto tem por objetivo caracterizar saberes do campo profissional do professor que ensina matemática. Buscar-se-á responder à seguinte questão: Que “tabuada para ensinar” pode ser caracterizada, a partir da análise das orientações de Irene de Albuquerque em seu manual Metodologia da Matemática (1951)? A pesquisa, de cunho qualitativo, bibliográfica e documental, embasa-se em autores que defendem dois tipos de saberes na constituição das profissões do ensino e da formação, saberes a e para ensinar, e volvendo para a matemática, de autores que definem matemática a e para ensinar a partir dos primeiros referenciais. Para as análises teórico-metodológicas, apoiar-se-á em autores que consideram que a interpretação de uma informação em saber ocorre por etapas. Como resultados foram caracterizados elementos de uma tabuada para ensinar em dois grupos, dos saberes sobre a tabuada a ensinar e dos saberes sobre as práticas de ensino da tabuada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Barros Maciel, Universidade Federal de Jataí

Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo. Professora da Universidade Federal de Jataí, Brasil.

Referências

Albuquerque, I. (1951). Metodologia da Matemática. Conquista. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/134314.

Albuquerque, I. (1958). Jogos e Recreações Matemáticas. Conquista. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/161042.

Almeida, A. F., & Pinto, N. B. (2017). A presença das tabuadas em programas de ensino e em livros didáticos de Aritmética da escola primária – início do séc. XX. Histemat, 3(2), 107-123. http://histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/162/0.

Basei, A. M. (2020). Processos e dinâmicas de institucionalização da Álgebra na formação de professores dos primeiros anos escolares, São Paulo, (1880-1911). [Tese de Doutorado em Ciências. Guarulhos: Universidade Federal de São Paulo]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/219667.

Bertini, L. F., Morais, R. S., & Valente, W. R. (2017). A matemática a ensinar e a matemática para ensinar. Editora Livraria da Física.

Borges, R. A. S., Sousa, E. K. A., & Duarte A. R. (2020). Formação de professores que ensinam matemática. ACERVO – Boletim do Centro de Documentação do GHEMAT- SP, 2(2), 179-204. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/213321.

Burke, P. (2016). O que é a história do conhecimento? (C. Freire, Trad., texto original WhatistheHistoryofKnowledge? (2015)) Editora Unesp.

Chartier, R. (1990). História Cultural: entre práticas e representações. Bertrand Brasil.

Morais,, S. S. C (2021). Uma tabuada para ensinar no manual “Metodologia da Matemática”, de Irene de Albuquerque (1951). [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Jataí].

Hofstetter, R., &Schneuwly, B. (2017). Saberes: um tema central para as profissões do ensino e da formação. In R. Hofstetter, & V. R. Valente (Orgs.), Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores (pp. 113-172). Editora Livraria da Física.

Fortaleza, J. (2019). Uma geometria para ensinar: elementos do saber profissional do professor que ensina matemática (1870-1920). [Tese de Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas,Universidade Federal do Pará]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/224446.

Maciel, V. B. (2019). Elementos do saber profissional do professor que ensina matemática: uma aritmética para ensinar nos manuais pedagógicos (1880-1920). [Tese de Doutorado em Ciências, Universidade Federal de São Paulo]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/199390.

Ministério da Educação (MEC). (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília.

Ministério da Educação (MEC). (2018). Base Nacional Comum Curricular. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília.

Oliveira, M. A. (2017). A arimética escolar e o método intuitivo: um novo saber para o curso primário (1870-1920). [Tese de Doutorado em Ciências, Universidade Federal de São Paulo]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/178956

Pais, L. C. (2001). Didática da Matemática: uma análise da influência francesa. Autêntica.

Pinheiro, N. V. (2017). A aritmética sob medida: a matemática em tempos de pedagogia científica. [Tese de Doutorado em Ciências, Universidade Federal de São Paulo]. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/179942.

Santos, E. S. C., & França, D. M. A. (2019). O elementar para Irene de Albuquerque. Revista Exitus, 9(2), 186-212. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n2ID859. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n2ID859

Valente, W. R. (2018). Processos de investigação histórica da constituição do saber profissional do professor que ensina matemática. Revista Acta Scientiae, 20(3), 377-385. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/viewFile/3906/3178. DOI: https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.v20iss3id3906

Valente, W. R. (2019). Saber objetivado e formação de professores: reflexões pedagógico-epistemológicas. História da Educação, 23(1), 1-22. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/77747/pdf. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-3459/77747

Valente, W. R., & Pinheiro, N. V. (2015). Chega de decorar a tabuada! As Cartas de Parker e árvore do calculi na ruptura de uma tradição. Educação Matemática em Revista, 1(16), 22-37. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/38424071.pdf.

Publicado

2022-04-22

Como Citar

MACIEL, V. B. Caracterização de uma "tabuada para ensinar". Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022001, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8667600. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8667600. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático