Banner Portal
Uma morfologia curricular da aritmética a ensinar nas escolas de aprendizes artífices
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

História da educação matemática
História do ensino profissional-técnico
Currículo
Escolas de aprendizes artífices

Como Citar

BARBARESCO, C. S.; COSTA, D. A. da. Uma morfologia curricular da aritmética a ensinar nas escolas de aprendizes artífices. Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022005, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8667630. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8667630. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo caracterizar o Documento de Consolidação dos Dispositivos Concernentes às Escolas de Aprendizes Artífices como um documento prescritivo e curricular, a partir da indicação dos saberes aritméticos a ensinar. O referencial teórico metodológico utilizado mobiliza o conceito de saberes a ensinar. Com base neste ferramental, analisou-se a estrutura e organização para compreender os sentidos dos elementos postos neste documento. Em seguida, a partir da análise dos conteúdos aritméticos e sua disposição como elementos do Documento de Consolidação, buscou-se caracterizá-lo como um documento curricular. Como resultado da análise, concluiu-se que a fragmentação e organização dos conteúdos de aritmética conduzem para o desenvolvimento de uma aritmética a ensinar, dicotômica, de base teórica e prática, que podem ser caracterizados como elementos prescritivos que carregam a noção curricular.

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8667630
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Barbaresco, C. S. (2019). Saberes a ensinar aritmética na Escola de Aprendizes Artífices (1909-1937) lidos nos documentos normativos e livros didáticos. Dissertação de Mestreado em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 07 de novembro, 2021, Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/194962

Barbaresco, C. S., & Costa, D. A.(2020). A expertise de João Lüderitz: A organização do ensino de aritmética nas Escolas de Aprendizes Artífices (1920-1926). REMATEC, 15 (34), 48-69.

Blerzy, H. (1869, Dezembro 9). O ensino secundario na Europa. Diário de Pernambuco, 281, 55. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/029033_04/24639

Decreto n. 7.566 de 23 de setembro de 1909. (1909). Cria nas Capitais dos Estados da República Escolas de Aprendizes Artífices para o ensino profissional primário e gratuito. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/116790

Decreto n. 7.763 de 23 de dezembro de 1909. (1909). Altera os decretos de n. 7.566 e 7.649. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182545

Decreto n. 9.070 de 25 de outubro de 1911. (1911). Dá novo regulamento às escolas de aprendizes artífices. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182550

Decreto n. 13.064 de 12 de junho de 1918. (1918). Dá novo regulamento às Escolas de Aprendizes Artífices. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182547

Ministério dos Negócios do Império (1882). Relatório do Ministério dos Negócios do Império. Typographia Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/720968/15966

Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio (MAIC). (1920). Relatório das Escolas de Aprendizes Artífices: 1920. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182543

Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio (MAIC). (1926). Relatório das Escolas de Aprendizes Artífices: 1926. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182544

Presidência da República (2002). Manual de Redação da Presidência da República. 2. Edª. rev. e atual. Brasília: Presidência da República, 2002.

Candeia, L. (2013). Mente amore pro patria docere: a Escola de Aprendizes Artífices da Paraíba e a formação de cidadãos úteis à nação (1909-1942). Tese de Doutorado em Educação. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Cunha, L. A.(2000). O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Editora UNESP.

Fonseca, C. S.(1986). História do ensino industrial. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA.

Forquin, J.C.(1992). Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, 2, 28-49.

Hamilton, D.(1993). Orígenes de los términos educativos “clase” y “currículum”. Revista Iberoamericana de Educación, 1(1). Disponível em: https://rieoei.org/historico/oeivirt/rie01a06.htm.

Hofstetter, R., & Schneuwly, B.(2017). Saberes: um tema central para as profissões do ensino e da formação. In R. Hofstetter & W. R. Valente, W. R. (Org.). Saberes em (trans)formação: tema central a formação de professores.(pp. 113-172). São Paulo: Editora da Física.

Hofstetter, R., Schneuwly, B., & Freymond, M.(2017). “Penetrar na verdade da escola para ter elementos concretos de sua avaliação” – A irresistível institucionalização do expert em educação (século XIX e XX). In R. Hofstetter & W. R. Valente (Org.). Saberes em (trans)formação: tema central a formação de professores (pp. 55-112). São Paulo: Editora da Física.

Lahire, B., Thin, D., & Vincent, G. (2001). Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em revista, 33, 7-47.

Lima, M. S. (2020). A Escola de Aprendizes Artífices de Alagoas: ensino profissional primário público (1909-1930). Dissertação de Mestrado em Educação. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Queluz, G. L.(2000). Concepções de Ensino Técnico na República Velha (1909 – 1930). Curitiba: CEFET-PR.

Rey, B.(2006). Les compétences professionnelles et le curriculum des réalités conciliables?. In Y. LENOIR & M. Bouillier-Outdot (Orgs). Savoirs professionnels et curriculum de formation (pp.83-108). Les Presses de l’Université Laval.

Silva, T. T.(1999). Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Soares, M. J. A.(1982). As Escolas de Aprendizes Artífices: estrutura e evolução. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 6(2), 58 – 92.

Valente, W.R. (2015). História da Educação Matemática nos Anos Iniciais: a passagem do simples/complexo para o fácil/difícil. Cadernos de História da Educação, 14(1), 357-367.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Zetetiké

Downloads

Não há dados estatísticos.