Uma morfologia curricular da aritmética a ensinar nas escolas de aprendizes artífices

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8667630

Palavras-chave:

História da educação matemática, História do ensino profissional-técnico, Currículo, Escolas de aprendizes artífices

Resumo

Este artigo tem como objetivo caracterizar o Documento de Consolidação dos Dispositivos Concernentes às Escolas de Aprendizes Artífices como um documento prescritivo e curricular, a partir da indicação dos saberes aritméticos a ensinar. O referencial teórico metodológico utilizado mobiliza o conceito de saberes a ensinar. Com base neste ferramental, analisou-se a estrutura e organização para compreender os sentidos dos elementos postos neste documento. Em seguida, a partir da análise dos conteúdos aritméticos e sua disposição como elementos do Documento de Consolidação, buscou-se caracterizá-lo como um documento curricular. Como resultado da análise, concluiu-se que a fragmentação e organização dos conteúdos de aritmética conduzem para o desenvolvimento de uma aritmética a ensinar, dicotômica, de base teórica e prática, que podem ser caracterizados como elementos prescritivos que carregam a noção curricular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleber Schaefer Barbaresco, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando no programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Instituto Federal de Santa Catarina, campus Florianópolis, Brasil.

David Antonio da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor do Departamento de Metodologia de Ensino e do programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Referências

Barbaresco, C. S. (2019). Saberes a ensinar aritmética na Escola de Aprendizes Artífices (1909-1937) lidos nos documentos normativos e livros didáticos. Dissertação de Mestreado em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Retirado em 07 de novembro, 2021, Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/194962

Barbaresco, C. S., & Costa, D. A.(2020). A expertise de João Lüderitz: A organização do ensino de aritmética nas Escolas de Aprendizes Artífices (1920-1926). REMATEC, 15 (34), 48-69. DOI: https://doi.org/10.37084/REMATEC.1980-3141.2020.n34.p48-69.id262

Blerzy, H. (1869, Dezembro 9). O ensino secundario na Europa. Diário de Pernambuco, 281, 55. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/029033_04/24639

Decreto n. 7.566 de 23 de setembro de 1909. (1909). Cria nas Capitais dos Estados da República Escolas de Aprendizes Artífices para o ensino profissional primário e gratuito. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/116790

Decreto n. 7.763 de 23 de dezembro de 1909. (1909). Altera os decretos de n. 7.566 e 7.649. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182545

Decreto n. 9.070 de 25 de outubro de 1911. (1911). Dá novo regulamento às escolas de aprendizes artífices. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182550

Decreto n. 13.064 de 12 de junho de 1918. (1918). Dá novo regulamento às Escolas de Aprendizes Artífices. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182547

Ministério dos Negócios do Império (1882). Relatório do Ministério dos Negócios do Império. Typographia Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/720968/15966

Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio (MAIC). (1920). Relatório das Escolas de Aprendizes Artífices: 1920. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182543

Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio (MAIC). (1926). Relatório das Escolas de Aprendizes Artífices: 1926. Imprensa Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/182544

Presidência da República (2002). Manual de Redação da Presidência da República. 2. Edª. rev. e atual. Brasília: Presidência da República, 2002.

Candeia, L. (2013). Mente amore pro patria docere: a Escola de Aprendizes Artífices da Paraíba e a formação de cidadãos úteis à nação (1909-1942). Tese de Doutorado em Educação. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Cunha, L. A.(2000). O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: Editora UNESP.

Fonseca, C. S.(1986). História do ensino industrial. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DPEA.

Forquin, J.C.(1992). Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, 2, 28-49.

Hamilton, D.(1993). Orígenes de los términos educativos “clase” y “currículum”. Revista Iberoamericana de Educación, 1(1). Disponível em: https://rieoei.org/historico/oeivirt/rie01a06.htm. DOI: https://doi.org/10.35362/rie101246

Hofstetter, R., & Schneuwly, B.(2017). Saberes: um tema central para as profissões do ensino e da formação. In R. Hofstetter & W. R. Valente, W. R. (Org.). Saberes em (trans)formação: tema central a formação de professores.(pp. 113-172). São Paulo: Editora da Física.

Hofstetter, R., Schneuwly, B., & Freymond, M.(2017). “Penetrar na verdade da escola para ter elementos concretos de sua avaliação” – A irresistível institucionalização do expert em educação (século XIX e XX). In R. Hofstetter & W. R. Valente (Org.). Saberes em (trans)formação: tema central a formação de professores (pp. 55-112). São Paulo: Editora da Física.

Lahire, B., Thin, D., & Vincent, G. (2001). Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em revista, 33, 7-47.

Lima, M. S. (2020). A Escola de Aprendizes Artífices de Alagoas: ensino profissional primário público (1909-1930). Dissertação de Mestrado em Educação. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Queluz, G. L.(2000). Concepções de Ensino Técnico na República Velha (1909 – 1930). Curitiba: CEFET-PR.

Rey, B.(2006). Les compétences professionnelles et le curriculum des réalités conciliables?. In Y. LENOIR & M. Bouillier-Outdot (Orgs). Savoirs professionnels et curriculum de formation (pp.83-108). Les Presses de l’Université Laval.

Silva, T. T.(1999). Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Soares, M. J. A.(1982). As Escolas de Aprendizes Artífices: estrutura e evolução. Fórum Educacional, Rio de Janeiro, 6(2), 58 – 92.

Valente, W.R. (2015). História da Educação Matemática nos Anos Iniciais: a passagem do simples/complexo para o fácil/difícil. Cadernos de História da Educação, 14(1), 357-367.

Publicado

2022-05-05

Como Citar

BARBARESCO, C. S.; COSTA, D. A. da. Uma morfologia curricular da aritmética a ensinar nas escolas de aprendizes artífices. Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022005, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8667630. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8667630. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)