Banner Portal
A rubrica álgebra na prescrição de normativas oficiais do ensino primário capixaba (1854 – 1927)
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

Legislação educacional
Matemática
Álgebra
Ensino primário

Como Citar

MESQUITA, H. F.; SIQUEIRA FILHO, M. G. A rubrica álgebra na prescrição de normativas oficiais do ensino primário capixaba (1854 – 1927). Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022015, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8667877. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8667877. Acesso em: 2 mar. 2024.

Resumo

Delineia as rubricas matemáticas indicadas nos documentos oficiais do ensino primário capixaba, no período de 1854 a 1927, com o intuito de captar a presença ou ausência da Álgebra. Investiga os Relatórios dos Presidentes da Província; Regulamentos da Instrução Pública; Decretos Estaduais; Programas de Ensino, enfim, a Legislação Educacional vigente à época. Aponta, por meio da análise empreendida nessas fontes históricas, que a rubrica Álgebra, no ensino primário, tanto no período oitocentos quanto no republicanismo capixaba, não se consolidou como uma disciplina, haja vista ter sido indicada apenas no ano de 1892, com a reforma Moniz Freire, determinando além de aplicações fáceis, ser ministrada para meninos.

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8667877
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Bloch, M. (2001). Apologia da História ou o ofício de Historiador. Jorge Zahar Editor.

Carvalho, J. M. (2008). A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de Sombras: a política imperial. Civilização Brasileira.

Castanha, A. P. (2013). Edição crítica da legislação educacional primária do Brasil Imperial: a legislação geral e complementar referente à Corte entre 1827 e 1889. Navegando Publicações.

Chartier, R. (2002). A história cultural – entre práticas e representações. Difel.

Chartier, R. (2010). Escutar os mortos com os olhos. Scielo, estudos avançados, 24(69), 6-30.

Chartier, R. (2017). A história ou a leitura do tempo. Autêntica.

Coleção de Leis do Império do Brasil (1827). Lei de 15 de outubro de 1827. (1827). Manda criar escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império, v. 1, pt. 1, p. 71. (Publicação Original).

Espírito Santo (Estado). (1848, 04 de maio). Regulamento da Instrução Púbica. Acervo: APEES.

Espirito Santo (Estado). (1859, maio 25). Relatório do Presidente de Província do Espírito Santo o Bacharel Pedro Leão Velloso na abertura da Assembleia Legislativa Provincial no dia 25 de maio de 1859. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1861, setembro 01). Regulamento da Instrução Púbica. Acervo: APEES.

Espírito Santo (Estado). (1873, fevereiro 20). Regulamento da Instrução Pública de 20 de fevereiro de 1873. O Espírito Santense. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1877, dezembro, 17). Regulamento de 17 de dezembro de 1877. O Espírito-Santense. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1892). Decreto nº. 2 de 4 de junho de 1892. Dá regulamento ao Serviço da Instrução Pública do Estado do Espirito-Santo. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/135934.

Espírito Santo (Estado). (1893, setembro 16). Mensagem do presidente do Estado do Espirito Santo lida ao congresso do mesmo Estado na sua sessão de installação a 16 de setembro de 1893. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1896, maio 23). Relatório apresentado pelo Exm. Sr. Dr. J. de M. C. Moniz Freire presidente do Estado do Espirito Santo ao passar o governo ao Exm. Snr. Dr. Graciano dos Santos Neves em 23 de maio de 1896. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1908). Lei n.º 545 de, 16 de novembro de 1908. Dá nova organização à Instrução Pública Primária e Secundária no Espírito Santo e elaborada pelo Congresso Legislativo do Estado do Espírito Santo.

Espírito Santo (Estado). (1909) Decreto n.º 230 de 02 de fevereiro de 1909. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1921). Decreto n.º 4325 de 17 de abril de 1921. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Espírito Santo (Estado). (1924). Decreto n.º 6501 de dezembro de 1924. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Franco, S. P. (2014). Pânico e terror: a presença da cólera na Província do Espírito Santo (1855-1856). Almanack [online], 7, 117-136.

Gaudio. E. V. (2010). A Reforma Coutto Ferraz e um ensino primário de Matemática na província do Espirito Santo durante o Período Imperial: Uma história a partir de leituras indiciarias. [Tese de Doutorado em Educação]. Universidade Federal do Espírito, Vitória.

Haidar, M. L. M. (2008). O ensino Secundário no Brasil Império. Editora da Universidade de São Paulo.

Le Goff, J. (1996). História e Memória (pp. 535-549). Editora da Unicamp.

Mondini. F. (2013). A presença da Álgebra na legislação escolar brasileira. [Tese de doutorado em Educação, Instituto de Geociências e Ciências Exatas]. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Oliveira. J. T. (2008). História do Estado do Espírito Santo. Fundação Cultural do Espírito Santo.

Resolução n.º 375, de 04 de março de 1927. (1927). Diario da Manhã. Victoria, ano XX, n. 465, 04 mar. 1927. Disponível em: https://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/.

Salim. M. A. A. (2009). Encontros e desencontros entre o mundo do texto e o mundo dos sujeitos nas práticas de leitura desenvolvidas em escolas capixabas na Primeira República. [Tese de Doutorado em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação]. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Siqueira, K. S. (2016). Império das repúblicas: projetos políticos republicanos no Espírito Santo, 1870-1908. 2016. 313f. [Tese de Doutorado em História, Centro de Ciências Humanas e Naturais]. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.

Valente, W. R. (2012). Tempos de Império: a trajetória da geometria como um saber escolar para o curso primário. Revista brasileira de História da Educação, 12 (30), 73-94.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Zetetiké

Downloads

Não há dados estatísticos.