Composições curriculares: culturas e imagens que fazemos e que nos fazem

  • Marlucy Alves Paraíso Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Currículo. Culturas. Imagens.

Resumo

O currículo encontra-se povoado por culturas e imagens diversas. Os modos como tais culturas e imagens são vistas, percebidas e tratadas tanto podem limitar como facilitar que composições potencializadoras sejam produzidas nesse território. Este artigo explora possibilidades de um currículo fazer composições com imagens e culturas que o povoam de modo a colocar em jogo novas relações com tudo a que está associado. A discussão aqui apresentada é baseada, sobretudo, nas chamadas teorias pós-críticas de currículo e em algumas idéias do pensamento de Gilles Deleuze. O objetivo é pensar possibilidades de um currículo mover-se entre culturas e imagens que o povoam sem deixar que estas paralisem o pensamento, indiquem caminhos conhecidos a seguir e delimitem os modos de ver, perceber e sentir no território curricular. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais
Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFMG; Pesquisadora do CNPq; Pós-doutoranda pela Faculdade de Filosofia e Ciências da Educação da Universidade de Valência – Espanha; Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Currículos e Culturas da UFMG.

Referências

AUMONT, J. La imagen. Barcelona: Ediciones Paidós, 1992.

BERGER, J. Modos de ver. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1975.

DELEUZE, Gilles. Cinema 1. A imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Ed.34, 1992.

DELEUZE, Gilles.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles. Mil platôs: capitalismo e esquisofrenia. Rio: Ed. 34, 1995, v.1.

DELEUZE, Gilles. Mil platôs: capitalismo e esquisofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997, v.4.

FABRIS, A. Redefinindo o conceito de imagem. Revista Brasileira de História, v. 18, n. 35, 1998.

GAUTHIER, C. Esquizoanálise do currículo. Educação e Realidade, v.27, n.2, 2002, p.143-156.

GIROUX, H. A. Atos impuros: a prática política dos estudos culturais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GIROUX, H. A. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas políticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo Educação e Realidade, v. 22, n. 2, 1997, p. 15-146.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

JÓDAR, F.; GOMES, L. A. Devir-criança: experimentar e explorar outra educação. Educação e Realidade, v.27, n.2, 2002, p. 31-46.

KELLNER, D. Lendo imagens criticamente: em direção a uma pedagogia pós-moderna. In: SILVA, T. T. da. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos Estudos Culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 1995. p. 104-131

KELLNER, D. A cultura da mídia. Bauru: Edusc, 2001.

LARROSA, J. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, T. T. (Org.) O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 35-86.

MARTIN, J. C. ¿Qué es una imagen? en Estética, pensamiento y vida. Editado por la revista El Vampiro Pasivo, Cali, 1997. p. 120-121.

PARAÍSO, M. Cartografias de currículo e culturas. Relatório de pesquisa. CNPq/UFMG, Belo Horizonte, p. 90 , 2007.

PARAÍSO, M. Contribuições dos estudos culturais para a educação. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 10, n. 55, p. 53-61, 2004a.

PARAÍSO, M. Currículo-mapa: linhas e traçados das pesquisas pós-críticas sobre currículo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 30, n. 1, p. 67-82, 2005.

PARAÍSO, M. Estudos sobre currículo no Brasil: tendências das publicações na última década. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 95-114, jul./dez. 1994.

PARAÍSO, M. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 34, n. 122, p. 283-303, 2004.

RÉNAUD, A. Comprender la imagen hoy: nuevas imágenes, nuevo régimen de lo visible, nuevo imaginario. In: TALENS, J. (Ed.). Videoculturas de fin de siglo. Madrid: Cátedra, 1989.

SILVA, T. T. Currículo e Identidade Social: territórios contestados. In: SILVA, T. T. (Org.) Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995b, p. 190-207.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Autêntica. 1999a.

SILVA, T. T. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. Petrópolis: Vozes, 1996.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica. 1999b.

SILVA, T. T. Os novos mapas culturais e o lugar do currículo numa paisagem pós-moderna. In: SILVA, T. T.; MOREIRA, A F. (Orgs.) Territórios contestados. Petrópolis: Vozes, 1995a, p.184-202.

VEIGA-NETO, A. Cultura, culturas e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio/jun./jul./ago. 2003, p. 5-15.

WILLIS, P. Produção cultural é diferente de reprodução cultural é diferente de reprodução social é diferente de re-produção. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.2, n. 11, jul./dez., 1986, p. 3-18.

Publicado
2009-01-13
Como Citar
Paraíso, M. A. (2009). Composições curriculares: culturas e imagens que fazemos e que nos fazem. ETD - Educação Temática Digital, 9, 108-125. https://doi.org/10.20396/etd.v9i0.1047