Jovens “velhos” no mundo da pós-infância

  • Daniel Revah Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Infância. Juventude. Ideal cultural.

Resumo

As representações sobre a infância transformaram-se de forma significativa desde a década de 1960. Dessa década procede a obra pioneira de Philippe Ariès, que apresenta a infância como uma construção histórica singular, própria do nosso mundo moderno. Na década de 1980, quando essa perspectiva ainda estava sendo discutida e aprofundada, ganha força a ideia de que a infância está desaparecendo. Entre essas referências e extremos, situa-se boa parte do debate atual sobre a infância, sobre o lugar reservado às crianças nas sociedades contemporâneas e sobre as representações que definem esse lugar. Nesse debate, muitos falam sobre a infância por meio de um jogo de oposições, aproximações e semelhanças entre a criança e o adulto, criando desse modo determinadas figuras, como a criança-adulto e o adulto-criança. Implicado nessas figuras, há um elemento que corresponde a um ideal cultural e que pouco comparece nos debates brasileiros que operam com elas: o significante jovem/juventude – um significante ausente, mas que não deixa de estar presente, talvez com a força que é própria do que opera desde um lugar não reconhecido. A partir do que esse significante apagado instaura enquanto saber não sabido que opera em crianças e adultos, este artigo busca redimensionar aquelas duas figuras e assim tratar desta questão: as crianças de hoje são mais sabidas?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Revah, Universidade Federal de São Paulo
Professor do curso de Pedagogia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp/Campus Guarulhos); Membro Associado do LEPSI IP/FE – USP

Referências

ABRAMO, H. W. Cenas juvenis: punks e darks no espetáculo urbano. São Paulo, SP: Scritta, 1994.

ABRAMO, H. W. Condição juvenil no Brasil contemporâneo. In: Retratos da juventude brasileira: análise de uma pesquisa nacional. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo; Instituto Cidadania, 2005.

ABRAMO, H. W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação. Campinas, n. 5/6, 1997.

ABRAMOVAY, M. et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO; BID, 2002.

ALMEIDA, E. Os estudos sobre grupos juvenis: presenças e ausências. In: SPOSITO, M. P. (Coord.). O Estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: educação, ciências sociais e serviço social (1999-2006). Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009. (v. 2).

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo, SP: Perspectiva, 1988.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara, 1981.

CALLIGARIS, C. A adolescência. São Paulo, SP: Publifolha, 2000.

CARDOSO, I. Há uma herança de 1968 no Brasil? In: GARCIA, M. A., VIEIRA, M. A. (Org.). Rebeldes e contestadores: 1968: Brasil, França e Alemanha. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo, 1999.

CARDOSO, I. Para uma crítica do presente. São Paulo, SP: 34, 2001.

CARDOSO, I. A geração dos anos de 1960: o peso de uma herança. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17, n. 2, nov. 2005.

GUANAES, N. “Júnior”, Folha de S.Paulo, 08 mar. 2011, B4.

HOLLANDA, H. B. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde: 1960/1970. São Paulo, SP: Brasiliense, 1980.

LAJONQUIÈRE, L. de. Figuras do infantil: a psicanálise na vida cotidiana com as crianças. Petrópolis: Vozes, 2010.

MAGNANI, J. G. C. Os circuitos dos jovens urbanos. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17, n. 2, nov. 2005.

PERALVA, A. O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, Campinas, n. 5/6, 1997.

PIMENTA, M. M. “Ser jovem” e “ser adulto”: identidades, representações e trajetórias. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro, RJ: Graphia, 1999.

REVAH, D. Construtivismo: uma palavra no circuito do desejo. Tese (Doutorado em Psicologia e Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

RISÉRIO, A. et al. Anos 70: trajetórias. São Paulo, SP: Itaú Cultural; Iluminuras, 2005.

SPOSITO, M. P. Considerações em torno do conhecimento sobre juventude na área da Educação. In: SPOSITO, M. P. Juventude e escolarização (1980-1998). Brasília: MEC; Inep; Comped, 2002. (Série Estado do Conhecimento; n. 7).

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência IV: os jovens do Brasil. Brasília: UNESCO; Instituto Ayrton Senna; Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001351/135104porb.pdf. Acesso em: 28 out. 2010.

Publicado
2011-08-30
Como Citar
Revah, D. (2011). Jovens “velhos” no mundo da pós-infância. ETD - Educação Temática Digital, 13(1), 168-188. https://doi.org/10.20396/etd.v13i1.1172