Apontando para a lua: ensinando e aprendendo sem resistência

  • Michelle Massé Louisiana State University
Palavras-chave: Pedagogia. Psicanálise. Psicanálise e narrativa. Resistência. Limiaridade.

Resumo

Professores com frequência se apegam a narrativas nas quais a resistência dos alunos a nosso ensino marca a evitação das verdades ofertadas por nossos cultos selves. Nas contra-narrativas dos alunos, a resistência pode se metamorfosear em uma história sobre a recusa, por questão de princípios, de figuras poderosas tentando forçá-los para instâncias que não eles mesmos. Ambas as histórias têm fortes dimensões temporais nas quais um encerramento, mesmo se ele vem décadas mais tarde, revela que uma parte ou a outra foi, de fato, influenciada e se transformou, tendo ou não tal transformação ficado evidente ao final do semestre. Meu interesse aqui é em como problematizar o encerramento prematuro, trabalhando, em vez disso, no âmbito da suspensão do limiar de tempo de saber/não saber para professor e aluno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michelle Massé, Louisiana State University

Director of Women's and Gender Studies and Professor of English at Louisiana State University. She is the author of In the Name of Love: Women, Masochism, and the Gothic, co-editor of Over Ten Million Served: Gendered Service in Language and Literature Workplaces and various essays on psychoanalysis, feminism, and fiction. The series editor of SUNY Press's Feminist Theory and Criticism series, she is working on a project entitled Great Expectations: Gendering Age, Narcissism, and the Bildungsroman, as well as a monograph on Louisa May Alcott.

Referências

SEDGWICK, E. K. Touching feeling: affect, pedagogy, performativity. Durham NC: Duke University Press, 1995.

Publicado
2011-10-21
Como Citar
Massé, M. (2011). Apontando para a lua: ensinando e aprendendo sem resistência. ETD - Educação Temática Digital, 13(1), 238-245. https://doi.org/10.20396/etd.v13i1.1176