Considerações sobre o uso da Escala de Motivação Acadêmica (EMA) com jovens estudantes

Autores

  • Bettina Steren dos Santos Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Jussara Bernardi Pontificia Universidade Catolica do Rio Grande do Sul
  • Helio Radke Bittencourt Pontificia Universidade Catolica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v14i2.1219

Palavras-chave:

Motivação do aluno. Motivação. Teste de validação.

Resumo

Este artigo aborda os motivos que levam jovens a frequentar a escola, descrevendo resultados coletados a partir da aplicação do instrumento Escala de Motivação Acadêmica (EMA), versão adaptada de Vallerand et al. Consiste de um estudo quantitativo no qual foram utilizadas técnicas estatísticas comumente aplicadas no campo da Psicometria. O processo de validação do EMA envolveu diferentes etapas que iniciaram com a aplicação deste instrumento numa amostra de 133 estudantes que cursavam o último ano do Ensino Fundamental ou o primeiro ano do Ensino Médio em instituições privadas e públicas de Porto Alegre, RS, Brasil. Foram identificados seis fatores associados à motivação intrínseca, extrínseca e à ausência de motivação, os quais apresentaram satisfatória consistência interna. De um modo geral, os alunos apresentam-se mais motivados do que desmotivados em relação à escola. A motivação extrínseca revelou-se preponderante. A escola pública municipal foi aquela nos quais os alunos se mostraram mais motivados. O instrumento EMA apresentou qualidades psicométricas satisfatórias, e a análise dos resultados permitiu um melhor entendimento dos motivos que levam os alunos a frequentar a escola, o que é relevante na prática educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bettina Steren dos Santos, Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutora em Psicologia da Educação pela Universidade de Barcelona. Professora da Faculdade de Educação da PUCRS. Coordenadora do grupo de pesquisa Processos Motivacionais em contextos educativos.

Jussara Bernardi, Pontificia Universidade Catolica do Rio Grande do Sul

Mestre em Educação (PUCRS). Professora convidada da Faculdade de Educação da PUCRS

Helio Radke Bittencourt, Pontificia Universidade Catolica do Rio Grande do Sul

Estatístico (UFRGS, 1997) e doutor em Geografia - Ambiente, Ensino e Território (UFRGS, 2011) . Membro da Comissão Própria de Avaliação (CPA) e assessor técnico na área de Planejamento da PUCRS. Autor de artigos na área de avaliação educacional, avaliações em larga escala, estatística aplicada e ensino de estatística.

Referências

ALONSO TAPIA, Jesús. Motivar en la escuela, motivar en la família. Madrid: Morata, 2005.

BZUNECK, José Aloyseo; BORUCHOVITCH, Evely. (Org.). A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2001.

DECI, Edward; RYAN, Richard M. Self-determination theory and the facilitation of intrinsec motivation, social development, and well-being. American Psychologist, Rochester, v. 55, n. 1, p. 68-78, Jan. 2000.

DAYRELL, Juarez. A escola "faz" as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100, 2007.

ELLIOTT, Emily; DEWECK, Carol S. Goals: an approach to motivation and achievement. Journal of Personality and Social Psychology, Washington DC, v. 54, n. 1, p. 5-12, Jan.1988.

FACHEL, Jandyra M. G.; CAMEY, Suzy. Avaliação psicométrica: a qualidade das medidas e o entendimento dos dados. In: CUNHA, Jurema Alcides. (Org.). Psicodiagnóstico V. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. p. 158-170.

GANDIN, Luis. A. A Escola Cidadã: implementação e recriação da educação crítica em Porto Alegre. In: APPLE, Michael; AU, Wayne; GANDIN, Luís Armando. (Org.). Trad. Vinícius Ferreira. Rev. Luís Armando Gandin. Educação crítica: análise internacional. Porto Alegre: ArtMed, 2011. p. 380-393. (v. 1).

GUIMARÃES, Suely Édi Rufini, Motivação intrínseca, extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula. In: BZUNECK, José Aloyseo; BORUCHOVITCH, Evely. (Org.) A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 37-57.

HAIR, Joseph. et al. Multivariate data analysis. 5. ed. New Jersey: Upper Saddle River, 1998.

HUERTAS, Juan Antonio. Motivación: querer aprender. Buenos Aires: Aiqué, 2001.

HUERTAS, Juan Antonio; VILLEGAS, Nuria. La gramática de los motivos em la aula Revista Educação, ano 23, n. 41, p. 131-146, ago. 2000.

JOHNSON, Richard A.; WICHERN, Dean W. Applied multivariate statistical analysis. 5. ed. New Jersey: Englewood Cliffs; Prentice-Hall, 2001.

LENS, Willy. La signification motivationnelle de la perspective future. Revue Québécoise de Psychologie, Quebec, v. 14, n. 1, p. 69-83, Jan./May 1993.

LOURENÇO, Abílio A.; DE PAIVA, Maria O. A. A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 132-141, 2010.

LOCATELLI, Adriana Cristine Dias; BZUNECK, José Aloyseo; GUIMARAES, Sueli Édi Rufini. A motivação de adolescentes em relação com a perspectiva de tempo futuro. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 268-276, 2007.

MARTINELLI, Selma de Cássia; BARTHOLOMEU, Daniel. Escala de motivação acadêmica: uma medida de motivação extrínseca e intrínseca. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 21-31, jun. 2007.

MARTINI, Mirella L. Promovendo a motivação do aluno: contribuições da teoria da atribuição de causalidade. Psicol. Esc. Educ., Campinas, v. 12, n. 2, p. 479-480, dez. 2008.

MacLELLAND, David C. Estúdio de la motivación humana. Madrid: Narcea, 1989.

MIRRAS, Mariana. Afetos, emoções, atribuições e expectativas: o sentido da aprendizagem escolar. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 209-222. (v. 2).

NEVES, Edna; BORUCHOVITCH, Evely. A motivação de alunos no contexto da progressão continuada. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 20, n. 1, p. 77-85, jan./abr, 2004.

NEVES, Edna; BORUCHOVITCH, Evely. Escala de Avaliação da Motivação para Aprender de Alunos do Ensino Fundamental (EMA). Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 406-413, 2007.

NUTTIN, Joseph. Théorie de la motivation humaine. Paris: Presses Universitaires de France, 1985.

NUTTIN, Joseph; LENS, Willy. Future time perspective and motivation: theory and research method. Louvain: Presses Universitaires de Louvain, 1985.

OLIVA, Alfredo. Desenvolvimento social durante a adolescência. In: COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALACIOS, Jesús. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia evolutiva. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 350-367. (v. 1).

OSÓRIO, Luiz C. Adolescente hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

SANTOS, Bettina Steren dos. et al. Na adolescência, o processo motivacional e a informática. In: SANTOS, Bettina Steren dos; BOZA CARREÑO, Angel. A motivação em diferentes cenários. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. p. 225-238.

SOBRAL, Dejalmo T. Motivação do aprendiz de medicina: uso da escla de motivação acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 19, p. 25-31, jan./abr. 2003.

NORUSIS, Marija; STATISTICAL PACKAGE FOR THE SOCIAL SCIENCES – SPSS. Professional Statistics Release 5. Chicago: SPSS Inc. 1992.

VALLERAND, Robert. J. Et al. The academic motivation scale: a measure of intrinsic, extrinsic, and motivation in education. Educational and psychological measurement, n. 52, p. 1003-1017, 1992.

Downloads

Publicado

2012-11-05

Como Citar

Santos, B. S. dos, Bernardi, J., & Bittencourt, H. R. (2012). Considerações sobre o uso da Escala de Motivação Acadêmica (EMA) com jovens estudantes. ETD - Educação Temática Digital, 14(2), 1–18. https://doi.org/10.20396/etd.v14i2.1219

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)