Opinião de estudantes universitários sobre a educação a distância (EaD), no contexto das ciências farmacêuticas

Aníbal de Freitas Santos Júnior, Hildonice de Souza Batista

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir a inserção da Educação a Distância (EaD) na prática das Ciências Farmacêuticas. A população de estudo constou de 200 indivíduos (estudantes universitários), na cidade de Salvador/Bahia. Para análise dos dados, foram utilizadas as respostas a um questionário semiestruturado, no qual os estudantes entrevistados expressaram sua opinião a respeito da EaD no Curso de Farmácia. Os estudantes informaram o uso da Internet como ferramenta de auxílio nas pesquisas e nos trabalhos acadêmicos, além de outras finalidades alternativas, como a interação em tempo real, através de chats e comunidades virtuais. A maioria (n = 179) respondeu que acreditava ser passiva a interatividade entre o usuário e o ambiente EaD, sendo o Moodle o principal ambiente virtual de aprendizagem. Conveniências de horários, atenção individualizada, curso no prazo prometido e qualidade de materiais didáticos figuraram entre os principais atrativos para um curso a distância. Entre as principais desvantagens citadas pelos entrevistados, evidenciaram-se: a exclusão digital (relacionada à necessidade de computadores); o grande número de estudantes por tutor; o uso excessivo de questões de múltipla escolha; e o não cumprimento das atividades pelos estudantes (desistências). A maioria dos entrevistados julgou importantes as tecnologias da informação e comunicação (TIC) como apoio ao ensino presencial nos cursos de Ciências Farmacêuticas e, para a formação profissional, os níveis de capacitação: técnica, atualização e graduação. As disciplinas de maior abordagem teórica foram citadas como as que mais se enquadravam ao longo de um curso a distância, em Farmácia. Os entrevistados demonstraram-se conscientes da necessidade da Educação a Distância em sua formação, porém, preocupados com o nível de qualidade e complementaridade dos estudos, por conta da especificidade de cada atividade prática que envolve o profissional de farmácia e o paciente.

Palavras-chave


Educação a distância. Estudantes. Tecnologia da informação e comunicação.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Lynn; NOVA, Cristiane. (Org.). Educação a distância: uma nova concepção de aprendizagem e interatividade. São Paulo, SP: Futura, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO A DIST NCIA. In: MACIEL, C. Vantagens e desvantagens da educação à distância no Brasil. 2007. Disponível em: http://www.artigos.com/artigos/humanas/educacao/vantagens-e-desvantagens-da-educacao-a-distancia-no-brasil-1504/artigo/. Acesso em: 28 maio 2011.

BRASIL. LDBEN. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 28 maio 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Decreto no 5.622, de 20 de dezembro de 2005 Regulamenta a EAD no Brasil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/index.php?option=content&task=view&id=61&Itemid=190. Acesso em: 28 maio 2011.

CASTRO, P.; NUNES, Ivônio Barros. Centros de teleducação e multimídia. Brasília: Ibase/Fundar, 1996. (Mimeo). Documento proposta de referência apresentado pela Fundação Darcy Ribeiro e pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas ao Ministério do Trabalho, em outubro de 1996.

CHRISTANTE, Luciana. et al. O papel do ensino a distância na educação médica continuada: uma análise crítica. Rev Assoc Med Bras., v. 49, n. 3, p. 326-9, 2003.

ECHEITA, Gerardo; MARTIN, Elena. Interação social e aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

FAGUNDES, Léa da Cruz. et al. Aprendizagem Cooperativa em Ambientes Telemáticos. Revista Informática na Educação Teoria e Prática, v. 1, n. 2, p. 19-28, 1999.

GOMES, Carmenísia Jacobina Aires; LOPES, Ruth Gonçalves de Faria. Gestão de sistemas de educação a distância: propostade reflexão e prática em ambiente online. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DIST NCIA, 22., Rio de Janeiro, RJ, 2006. Disponível em: http://www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=53

Acesso em: 30 maio 2011.

GONDIM, Ana Paula Soares; FALCÃO, Cláudio Borges Falcão. Avaliação das farmácias virtuais brasileiras. Rev Saúde Pública, v. 41, n. 2, p. 297-300, 2007.

GONZALEZ, Marco; POHLMANN FILHO, Omer; BORGES, Karen Selbach. Informação digital no ensino presencial e a distância. Ci. Inf., Brasilia, v. 30, n. 2, p. 101 – 111, maio/ago, 2001.

LEVI, Pierre. A Revolução Contemporânea em Matéria de Comunicação. Trad. Juremir Machado da Silva. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 9, p. 37-49, dez. 1998.

LITTO, Fredric M. Ead, porque não? O retrato frente/verso da aprendizagem a distância no Brasil. 2009. ETD – Educ. tem. dig., Campinas, v. 10, n. 2, p. 108-122, jun. 2009.

PÉREZ JUSTE, Ramón. La calidad de la educación universitaria, peculiaridades del modo a distancia. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia. Madri, v. 1., p. 151-158, jun.1998.

SOUZA, Marcia Izabel Fugisawa; SILVA, Luciana Oliveira; ARAÚJO, Izabel Cristina. Autoria na web 2.0 no contexto da educação e a ética dos hackers. ETD – Educ. tem. dig., Campinas, v. 12, n. esp., p. 154-173, mar. 2011.

TOMAZ, José Batista Cisne; VAN DER MOLEN, Henk T. Compreendendo os profissionais de saúde da família como potenciais estudantes na educação à distância. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, n. 2, p. 201-208, 2011.




DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v14i2.1233

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 ETD - Educação Temática Digital

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ETD - Educ. Temat. Digit., Campinas (SP) - ISSN 1676-2592.