Banner Portal
A percepção de egressos sobre as transformações curriculares ocorridas no curso de graduação em enfermagem
PDF

Palavras-chave

Educação superior. Enfermagem. Egressos.

Como Citar

LOPES, Marcia Maria Ribera; MARTINS REAL, Giselle Cristina; BAGNATO, Maria Helena Salgado. A percepção de egressos sobre as transformações curriculares ocorridas no curso de graduação em enfermagem. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 275–289, 2012. DOI: 10.20396/etd.v14i2.1234. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1234. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Este trabalho objetiva analisar a percepção dos egressos do curso de Enfermagem sobre as modificações curriculares ocorridas na graduação em Enfermagem a partir da década de 1990. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que utilizou o levantamento bibliográfico, a análise documental e a pesquisa de campo por meio de questionários e de grupo focal, tendo como suporte a análise de conteúdo. Participaram os egressos da graduação em Enfermagem da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, formados entre 2004 e 2009, sendo três turmas formadas sob a legislação curricular de 1994 e três turmas sob as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Enfermagem, de 2001. Nos resultados, os egressos destacaram sua participação na construção do atual Projeto político-pedagógico do curso, além de ressaltarem pontos como a integralidade e o estágio curricular supervisionado. Acredita-se que estudos e discussões sobre a proposta curricular devem continuar, incluindo todos os atores do processo. Inferiu-se que a matriz curricular do curso vem atendendo às orientações curriculares atuais, articulando-se estreitamente com a formação de enfermeiros aptos às demandas da política de saúde. Espera-se contribuir para as políticas educacionais, suscitando reflexões e debates a respeito do tema.

 

https://doi.org/10.20396/etd.v14i2.1234
PDF

Referências

BAGNATO, Maria Helena Salgado; RODRIGUES, Rosa Maria. diretrizes curriculares da graduação de enfermagem: pensando contextos, mudanças e perspectivas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 5, p. 507-512, set./out. 2007.

BALL, J. Stephen. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v.1, n.2, p.99-116, jul./dez. 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES No 3, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União. Brasília, 9 de nov. 2001, Seção 1, p. 37.

BURIOLLA, Marta Alice Feiten. O estágio supervisionado. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

CAMARGO, Arlete; MAUÉS, Olgaíses. As mudanças no mundo do trabalho e a formação dos profissionais da educação no contexto da LDB: o currículo em questão. In: BITTAR, Mariluce; OLIVEIRA, João Ferreira de; MOROSINI, Marília. Educação superior no Brasil: 10 anos pós-LDB. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2008, v. 1, p. 215-234.

CATANI, Afrânio Mendes; OLIVEIRA, João Ferreira de. A reforma da educação superior no Brasil nos anos 90: diretrizes, bases e ações. In: CATANI, Afrânio Mendes; OLIVEIRA, Romualdo Portela de (Org.). Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p 95-134.

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE O ENSINO SUPERIOR. Tendências de educação superior para o século XXI. Trad. Maria Beatriz Ribeiro de Oliveira Gonçalves. Brasília: UNESCO/CRUB, 1999.

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE O ENSINO SUPERIOR. As novas dinâmicas do ensino superior e pesquisas para a mudança e o desenvolvimento social. Comunicado. 2009. Disponível em: aplicweb.feevale.br/site/files/documentos/pdf/31442.pdf. Acesso em 16 de nov de 2010.

CONSELHO NACIONAL DOS SECRETÁRIOS DE SAÚDEO – CONASS. SUS: avanços e desafios. Brasília: CNASS, 2006.

DEITOS, Maria Lúcia Melo de Souza. A formação do trabalhador num contexto de permanente mudança tecnológica. In: FIGUEIREDO, Ireni Marilene Zago; ZANARDINI, Isaura Monica Souza; DEITOS, Roberto Antonio (Org.). Educação, políticas sociais e Estado o Brasil. EDUNIOESTE: Curitiba: Fundação Araucária, 2008. p. 239-262.

DELLORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir - relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI. Brasília, DF, 1996.

GALLEGUILLOS, Tatiana Gabriela Brassea; OLIVEIRA, Maria Amélia de Campos. A gênese e o desenvolvimento histórico do ensino de enfermagem no Brasil. Revista da Escola de Enfermagem das USP, v. 35, n. 1, p. 80-87, mar. 2001.

MISSIO, Lourdes. Curso de Enfermagem da UEMS: um estudo da primeira turma de egressos-1998. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR, 2001.

ROBERTSON, Susan L. O processo de Bolonha da Europa torna-se global: modelo, mercado, mobilidade, força intelectual ou estratégia para construção do Estado? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro: ANPEd, v. 14, n. 42, p. 407-422, set./dez. 2009.

RODRIGUES, Rosa Maria. Diretrizes curriculares para a graduação em enfermagem no Brasil: Contexto, conteúdo e possibilidades para a formação. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 2005.

SAUPE, Rosita. Ação e reflexão na formação do enfermeiro através dos tempos. In: SAUPE, Rosita. (Org.). Educação em enfermagem: da realidade construída à possibilidade em construção. Florianópolis: Ed. UFSC, 1998, p. 27-73.

STARFIELD, Barbara. Atenção primária: equilíbrio entre as necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO Brasil, Ministério da Saúde, 2004.

SILVA, Kênia Lara; SENA, Roseni Rosângela de. A educação de enfermagem: buscando a formação crítico-reflexiva e as competências profissionais. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 5, set/out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s010411692006000500018&script=sci_arttext&tlng=pt

Acesso em 15 de novembro de 2010.

SOARES, Ana Maria Dantas. O projeto político-pedagógico e os cursos de graduação: limites e perspectivas. In: VASCONCELOS, Helena Corrêa de. (Org.). Docência no ensino superior: uma abordagem de uma experiência interdisciplinar. Seropédica: UFRRJ, 2008, p. 107-117.

SENA, Roseni Rosângela et al. Projeto Uni: cenário de aprender, pensar e construir a interdisciplinaridade na prática pedagógica da Enfermagem. Interface, Botucatu, v.7, n.13, p.79-90, 2003.

TEIXEIRA, Elizabeth et al. Trajetória e tendências dos cursos de enfermagem no Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 59, n. 4, p. 479-87, jul./ago. 2006.

UCHIMURA, Kátia Yumi; BOSI, Maria Lúcia Magalhães. Habilidades e competências entre trabalhadores da Estratégia Saúde da Família. Interface, Botucatu, v.16, n.40, p.149-160, jan./mar. 2012.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL – UEMS. Projeto político pedagógico do curso de Enfermagem. Dourados: UEMS, 2003.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.