Práticas de escrita no processo da pesquisa: potencialidades formativas

Autores

  • Laura Noemi Chaluh Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1293

Palavras-chave:

Pesquisa educacional. Epistemologia. Narrativas.

Resumo

No presente trabalho, pretendo dar visibilidade ao processo de escrita de uma investigação desenvolvida em uma escola de ensino fundamental de uma Rede Municipal de Ensino do interior do estado de São Paulo. Assumi na escrita da pesquisa a narrativa a partir de uma perspectiva benjaminiana. Essa escolha diz, por um lado, de uma pesquisadora que opta por se incorporar no próprio discurso, e por outro, de um discurso que tem uma marca, a de estar ligado à vida e às experiências. Considero que o processo da escrita da pesquisa é complexo e que é nesse processo que podem aparecer outras compreensões que anteriormente não tinham sido enxergadas, pensadas. Nesse sentido, importa valorizar o processo de escrita dos processos investigativos na sua dimensão formativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Noemi Chaluh, Universidade Estadual Paulista

Profa. Dra. do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Instituto de Biociências da UNESP – Universidade Estadual Paulista (Rio Claro).

Referências

ALVES, N. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVERIA, I. B. de; ALVES, N. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 13-38.

AMORIM, M. Vozes e silêncio no texto de pesquisa em Ciências Humanas. In: Caderno de Pesquisa, n. 116, p. 7-19, julho/2002.

AMORIM, M. A contribuição de Mikhail Bakhtin: a tripla articulação ética, estética e epistemológica. In: FREITAS, M. T.; JOBIM E SOUZA, S.; KRAMER, S. (Org.) Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003. (Coleção questões da nossa época; v. 107).

AMORIM, M. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa Editora, 2004.

ARNAUS, R., et al. Epi(diá)logo. In: LARROSA, J. et al. Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Editorial Laertes, 1995. p. 223-236.

BARTHES, R. Escritores, intelectuais e professores. In: O rumor da língua. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988. p. 313-332.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1996. (Obras escolhidas; v.1).

CHALUH, L. N. Formação e alteridade: pesquisa na e com a escola. 2008. 290f. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de educação, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A.; GERALDI, J. W. Educação continuada: a política da descontinuidade. Educação & Sociedade, Campinas, ano XX, n.68. p.202-219, 2001.

FREITAS, M. T. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 21-39, jul./2002.

FREITAS, M. T. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento. In: Freitas FREITAS, M. T.; JOBIM E SOUZA, S.; KRAMER, S. (Org.) Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003a (Coleção questões da nossa época; v. 107).

FREITAS, M. T. A pesquisa na perspectiva sócio-histórica: um diálogo entre paradigmas. 2003b. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/26/outrostextos/semariateresaassuncaofreitas.rtf. Acesso em: 22 maio 2007.

FREITAS, M. T. JOBIM e SOUZA, S.; KRAMER, S. Apresentação. In: FREITAS, M. T.; JOBIM E SOUZA, S.; KRAMER, S. (Org.). Ciências humanas e pesquisa: leitura de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003. p. 7-10. (Coleção questões da nossa época; v. 107).

GARCIA, R. L. A difícil arte/ciência de pesquisar com o cotidiano. In: GARCIA, R. L. (Org.). Método; Métodos; Contramétodos. São Paulo: Cortez, 2003. p. 193-208.

LARROSA, J. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Tradução Alfredo Veiga- Neto. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MIOTELLO, V. A memória do passado em jogo com a memória do futuro constitui sentidos agora. Daí que os projetos de dizer dos sujeitos têm importância. In: ALINE et. al. Veredas Bakhtinianas: de objetos a sujeitos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2006.

NAJMANOVICH, D. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

OLIVEIRA, I. B. de; ALVES, N. Contar o passado, analisar o presente e sonhar o futuro. In: OLIVERIA, I. B. de; ALVES, N. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 7-12. Disponível em: http://www.incubadora.ufsc.br/index.php/EntreVer/issue/view/338. Acesso em: dez. 2011.

PÉREZ de LARA, N. Escuchar al otro dentro de sí: I parte. [Buenos Aires: FLACSO, 2006a]. Disponível em: http://virtual.flacso.org.ar/mod/book/view.php?id=3910. Acesso em: 13 jun. 2006.

ROCKWELL, E.; EZPELETA, J. Etnografia na pesquisa educacional. In: EZPELETA, J.; ROCKWELL, E. (Org.). Pesquisa participante. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1986. p. 9-30.

VIGOTSKI, L. S. A tragédia de Hamlet: príncipe de Dinamarca. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ZEMELMAM, H. Sujeito e sentido: considerações sobre a vinculação do sujeito ao conhecimento que constrói. In: SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004. p. 457-468.

Downloads

Publicado

2013-02-27

Como Citar

Chaluh, L. N. (2013). Práticas de escrita no processo da pesquisa: potencialidades formativas. ETD - Educação Temática Digital, 15(1), 33–47. https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1293