Banner Portal
A interatividade como tecnologia de governo da docência no ensino médio
PDF

Palavras-chave

Docência. Ensino médio. Interatividade. Estudos foucaultianos.

Como Citar

SILVA, Roberto Rafael Dias da. A interatividade como tecnologia de governo da docência no ensino médio. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 48–66, 2013. DOI: 10.20396/etd.v15i1.1294. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1294. Acesso em: 16 jul. 2024.

Resumo

O presente texto examina os modos contemporâneos de constituição da docência no Ensino Médio no Brasil. Servindo-se das teorizações foucaultianas como inspiração analítica, considerou-se como condição de possibilidade a centralidade dos saberes tecnocientíficos e o advento das condições do capitalismo cognitivo, bem como a inserção da profissão docente no interior das tramas contemporâneas da bioeconomia. Examina-se nesse texto uma das tecnologias de governo que conduzem a docência contemporânea nesta etapa da Educação Básica: a interatividade como modo de pensamento. A mobilização desta tecnologia sugere a constituição de docências interativas, efetivando-se a partir de uma ação pedagógica politicamente útil e economicamente produtiva. Nessa direção, o aprender em rede, o futuro como algo imediato e as profissionalidades interativas são algumas das estratégias mobilizadas no interior dessa tecnologia de governo. A consideração dos professores como um público, assim como a multiplicação dos sentidos ligados à sociedade de aprendizagem, conduzem a produção de “pedagogias de conexão” que, nessa analítica, primam pela formação de docências com condições específicas de pensar, agir e comunicar-se. Enfim, defende-se neste artigo a perspectiva de que a interatividade opera como uma tecnologia de governo otimizadora da constituição contemporânea da docência no Ensino Médio no Brasil.
https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1294
PDF

Referências

BALL, S. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, n. 35, v. 2, p. 37-55, maio/agosto, 2010.

BELL, D. O Advento da Sociedade Pós-industrial: uma tentativa de previsão social. São Paulo: Cultrix, 1977.

CARTA NA ESCOLA. São Paulo: Editora Confiança, ed. 4, março, 2006.

CARTA NA ESCOLA. São Paulo: Editora Confiança, ed. 20, out., 2007.

CARTA NA ESCOLA. São Paulo: Editora Confiança, ed. 25, abril, 2008a.

CARTA NA ESCOLA. São Paulo: Editora Confiança, ed. 26, maio, 2008b.

CARTA NA ESCOLA. São Paulo: Editora Confiança, ed. 39, set., 2009.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CORSANI, A. Elementos de uma ruptura: a hipótese do capitalismo cognitivo. In: COCCO, G.; GALVÃO, A.; SILVA, G.; (Org.). Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 15-32.

DEAN, M. Governmentality: power and rule in modern society. London: Sage, 1999.

DÍAZ, E. Entre la tecnociência y el deseo: la construcción de una epistemologia ampliada. Buenos Aires: Biblos, 2007.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault. Uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 231-249.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LIPOVETSKY, G. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LYOTARD, J. A condição pós-moderna. 12.ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

NARODOWSKI, M. Después de clase: desencantos y desafios de la escuela atual. Buenos Aires: Novedades Educativas, 1999.

POPKEWITZ, T. Reforma, conhecimento pedagógico e administração social da individualidade: a educação escolar como efeito de poder. In: IMBERNÓN, F. (org.). A educação no século XXI: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artmed, 2000, p. 141-170.

POPKEWITZ, T.; OLSSON, U.; PETERSSON, K. Sociedade de aprendizagem, cosmopolitismo, saúde pública e prevenção à criminalidade. Educação e Realidade, v.34, n. 2, p. 73-96, maio/ago. 2009.

ROSENHOLTZ, S. Teachers workplace: the social organization of schools. Nova York: Longman, 1989.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: D. Quixote e IIE, 1992.

SILVA, R. R. D. da. Universitários flexíveis: a gestão dos talentos no capitalismo contemporâneo. Educação UFSM, Santa Maria, v. 35, n. 2, p. 259-272, 2010.

SILVA, R. R. D. da; FABRIS, E. H. O jogo produtivo da educabilidade/governamentalidade na constituição de sujeitos universitários. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 44, p. 352-363, 2010.

SIMONS, M.; MASSCHELEIN, J. The Leaning Society and Governmentality: an introduction. Educational Philosophy and Theory, Abingdon, Oxon, v. 39, n. 4, p. 417-430, 2006.

VEIGA-NETO, A. Na oficina de Foucault. In: KOHAN, W. O.; GONDRA, J. (org.). Foucault 80 anos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006, p. 79-91.

VERCELLONE, C.; NEGRI, A. Il rapporto capitale/lavoro nel capitalismo cognitivo. Posse: política, filosofia, moltitudini, novembro, 2007. Disponível em: www.posseweb.net/spip.php?article17. Acessado em: 24/09/2009.

ZABALA, A.; ARNAU, L. Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ZEICHNER, K. A formação reflexiva de professores: Ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.