Filmes e negritude em sala de aula: essa relação é possível?

Autores

  • Teresa Kazuko Teruya Universidade Estadual de Maringá
  • Delton Aparecido Felipe Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1299

Palavras-chave:

Educação escolar. Negritude. Filmes

Resumo

As Diretrizes e Bases da Educação Nacional estabelecem o cumprimento Lei 10.639/2003 para educação étnico-racial. Para problematizar a educação da negritude no Brasil este artigo discute a seguinte questão: Quais são as potencialidades das narrativas fílmicas na sala de aula para o ensino da história e cultura afrobrasileira e africana? Para isso apresentamos dados coletados junto a um grupo de docentes que freqüentaram o curso de extensão realizado no decorrer de 2008 intitulado: O cinema no ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na educação básica. Os resultados indicam a existência do potencial pedagógico da filmografia, mesmo que os/as docentes não saibam explorar as narrativas fílmicas que ajudem seus alunos/alunas a visualizarem o “outro”. Concluímos que a utilização de filmes como fonte de estudo ou como ferramenta pedagógica, exige uma ação pedagógica critica de decodificação, interpretação e desconstrução das narrativas fílmicas para perceber o registro das ações humanas representadas na tela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Teresa Kazuko Teruya, Universidade Estadual de Maringá

possui graduação em História pela Faculdade Auxilium de Lins (1996), graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1982), mestrado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000). Atualmente é professora Adjunto da Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, mídia na educação, tecnologia de informação e comunicação na educação, Estudos Culturais e educação escolar.

Delton Aparecido Felipe, Universidade Estadual de Maringá

Historiador, Mestre em Educação e Doutorando em Educação na Universidade Estadual de Maringá - PR

Referências

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnicoraciais e para o ensino da História afro-brasileira e africana. Brasília/DF: SECAD/ME, 2004.

BRASIL. Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 jan. 2003.

CANDAU. Maria Vera. Educação intercultural e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e pedagogia em tempo de proliferação da diferença: In ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 14., 2008, Porto Alegre. Anais do... Porto Alegre: Ed. PUCRS, 2008. (Trajetórias e processos de ensinar e aprender: sujeitos, currículos e culturas).

DUARTE, Rosália. Cinema & educação. Belo Horizonte: Autêntica. 2002.

FELIPE, Delton Aparecido. Narrativas para alteridade: o cinema na formação de professores e professoras para o ensino de história e cultural afro-brasileira e africana na educação básica. 152 f. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, PR, 2009.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

LEITE, Sidney Ferreira. O cinema manipula a realidade? São Paulo: Paulus, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. O cinema como pedagogia. In: LOPES, E. M.T.; FARIA, L.M; VEIGA, C. G. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

NOMA, Amélia Kimiko. O cinema como fonte do ensino e da pesquisa em educação. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA PPE, 2000, Maringá. Anais do... Maringá: UEM, 2000.

NOVA, Cristiane Carvalho da. Novas lentes para a história: uma viagem pelo universo da construção da história pelos discurso áudio-imagéticos. 1999. Dissertação (Mestrado em Educação), Setor de Ciências da Educação – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 1999.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes; LINS, Maria Regina. Memórias e imagens destabilizadora para a (re) educação das relações étnico-raciais. Teias, Rio de Janeiro, ano 9, n. 17, p. 70-78, jan./jun. 2008.

ROSENSTONE, Robert A. A história nos filmes, os filmes na história. Tradução de Marcello Lino. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, Luis. Heron. Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996. p. 67-78.

SILVA, Ana Célia da. Desconstruindo a discriminação do negro no livro didático. Salvador: EDUFBA, 1998.

TURNER, Graeme. Cinema como prática social. São Paulo: Summus, 1997.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução a teoria conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 33-45.

Downloads

Publicado

2013-02-28

Como Citar

Teruya, T. K., & Felipe, D. A. (2013). Filmes e negritude em sala de aula: essa relação é possível?. ETD - Educação Temática Digital, 15(1), 145–160. https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1299