As representações sociais do desgaste no trabalho a partir dos simbolismos associados à docência.

Autores

  • Ademir José Rosso Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Brígido de Vizeu Camargo Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1301

Palavras-chave:

Trabalho docente. Desgaste. Representação social.

Resumo

O artigo analisa as representações sociais (RS) do desgaste no trabalho docente segundo a abordagem dimensional de Moscovici. As informações foram coletadas mediante entrevistas (N=38) com roteiro elaborado a partir de tiragens sucessivas das evocações levantadas em fase anterior de pesquisa sobre o desgaste na docência. As entrevistas formaram um corpus textual, analisado em seu conteúdo com o auxílio do software Alceste. O corpus simbolismo apontou as classes família ausente, valorização da educação e sala de aula. A análise das informações revela uma RS centrada no reconhecimento da docência que se desloca entre os planos doméstico, social e da sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademir José Rosso, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Mestrado em Educação da UEPG/PR.

Brígido de Vizeu Camargo, Universidade Federal de Santa Catarina

Licenciado em Psicologia. Doutor em Psicologia Social pela EHESS – Paris. Professor do Departamento de Psicologia e o Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSC.

Referências

ABRIC, J. C. Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: CAMPOS, P. H. F.; LOUREIRO, M. C. (Ed.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: UCG, 2003. p. 37-57.

ALVES, W. F. Gestão escolar e o trabalho dos educadores: da estreiteza das políticas à complexidade do trabalho humano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 110, p. 17-34, jan./mar. 2010.

AMARAL, D. P.; OLIVEIRA. R. J. A formação docente na universidade do Brasil: um balanço dos últimos oitenta anos. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 124-146, 2008.

BARRETO, E. S. S. Bons e maus alunos e suas famílias, vistos pela professora de 1o grau. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 37, p. 84-89, maio, 1981.

BARROS, M. E. B.; LOUZADA, A. P. Dor-desprazer-trabalho docente: como desfazer essa tríade? Psicologia USP, São Paulo, n. 18, p. 13-34, out./dez. 2007.

BATISTA, A. S.; ODELIUS, C. C. Infraestrutura das escolas públicas. In: CODO, W. (Coord.). Educação, carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes/ Brasília: UNB, 2006. p. 324-

BORGES, L. O.; YAMAMOTO, O. H. O mundo do trabalho. In: ZANELLI, J. C. et al. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 24-62.

CAMARGO, B. V. ALCESTE: Um programa informático de análise quantitativa de dados textuais. In: MOREIRA, A. S. P.; JESUINO, J. C.; CAMARGO, B. V. (Org.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: Ed.UFPB, 2005. v. 1. p. 511-539.

CARLOTTO, M. S. A Síndrome de Burnout e o trabalho docente. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 1, p. 21-29, jan./jun. 2002.

CARVALHO, M. P. Ensino, uma atividade relacional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 11, p. 17-32, maio/ago. 1999.

CODO, W (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

CODO, W.; VASQUES-MENEZES, I.; VERDAN, C. S. Importância social do trabalho. In: CODO, W (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006, p. 293-299.

CRUZ, R. M.; LEMOS, J. C. Atividade docente, condições de trabalho e processos de saúde. Motrivivência, Florianópolis, Ano XVII, n. 24, p. 59-80, jun. 2005.

DUARTE, A. A produção acadêmica sobre trabalho docente na educação básica no Brasil: 1987-2007. Educar em Revista, Curitiba, n. especial 1, p. 101-117, 2010.

DUARTE, A.; AUGUSTO, M. H. Trabalho Docente: configurações atuais e concepções. In: ANPAE, XXIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2007. p. 1-25.

ENGUITA, M. F. Entre la esperanza del cambio y el estigma de la reproduccion. Revista de Educación, n. 286, p. 151-165, 1988.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru (SP): EDUSC, 1999.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa: dicionário eletrônico Aurélio versão 6.0. Curitiba: Positivo Informática LTDA, 2008.

JODELET, D. Experiências e representações sociais. In: MENIN, M. S. S.; SHIMIZU, A. M. Experiência e representação social: questões teóricas e metodológicas. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo, 2005. p. 23-56.

JODELET, D. Imbricações entre Representações Sociais e Intervenção. In: MOREIRA, A. S. P.; CAMARGO, B. V. (Org.). Contribuições para a teoria e o método de estudo das representações sociais. João Pessoa: UFPB, 2007. p. 45-74.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e Representações sociais. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em representações sociais. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 63-85.

KRAWCZYK, N. A escola média: um espaço sem consenso. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 120, p. 169-202, nov. 2003.

LELIS, I. Profissão docente: uma rede de histórias. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 17, p. 40-49, maio/ago. 2001.

MAGALHÃES, E. M. M.; MAIA, H.; ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais de trabalho docente por professores de curso de pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 77, n. 186, p. 318-345, maio/ago. 1996.

MARIANI, M. F. M.; ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade no trabalho docente segundo professores de história: limites e possibilidades. Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), Maringá, v. 9, n. 1, p. 27-35, 2005.

MARIANO, M. S. S.; MUNIZ, H. P. Trabalho docente e saúde: o caso dos professores da segunda fase do ensino fundamental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 6, n.1, jan./jun. 2006.

MARQUES, C. A proteção do trabalho penoso. São Paulo: LTR, 2007.

MASCARENHAS, F. Entre o ócio e o negócio: teses acerca da anatomia do lazer. 2005, 308 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2005.

MASCARENHAS, S. Gestão do bullying e da indisciplina e qualidade do bem-estar psicossocial de docentes e discentes do Brasil (Rondônia). Psicologia, Saúde & Doenças, Lisboa, v. 7, n. 1, p. 95-107, 2006.

MEIRELLES, M. Trabalho, solidariedade e cidadania em questão: alguns impasses do mundo contemporâneo frente aos valores humanistas. In: ORO, A. P. (Org.). Representações sociais e humanismo latino no Brasil atual: religião, política, família e trabalho. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 141-173.

MOREIRA, A. F.; BORGES, O. Por dentro de uma sala de aula de física. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n.1, p. 157-174, jul./dez. 2006.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1978.

NASCIMENTO, A A.; MENANDRO, P. R. M. Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e pesquisas em psicologia, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 72-88, jul./dez. 2006.

OLIVEIRA, D. A. Política educacional e a re-estruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto Latino-Americano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 355-375, maio/ago. 2007.

OCDE - ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICOS. Conhecimentos e atitudes para a vida: resultados do PISA 2000 – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. São Paulo: Moderna, 2000.

OCDE - ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICOS. Aprendendo para o Mundo de Amanhã – primeiros resultados do PISA 2003. São Paulo: Moderna, 2005.

PAPARELLI, R. et al. Contribuições da saúde do trabalhador à educação infantil: o sofrimento mental de educadoras de uma creche paulistana. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 1-15, 2007.

PÉREZ, M. Com a palavra, o professor: vozes e representações docentes à luz do interacionismo sociodiscursivo (vol. I). 2009, 120 f. Mestrado em Lingüística – Programa de Pós-Graduação em Lingüística, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.

PINTO, M. B. A subordinação do trabalho docente à lógica do capital. Outubro, São Paulo, n. 4, p. 17-24, 2000.

POCINHO, M.; CAPELO, M. R. Vulnerabilidade ao stress, estratégias de coping e autoeficácia em professores portugueses. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 351-367, maio/ago. 2009.

PRETTO, N. D. L. Formação de professores exige rede! Revista Brasileira de Educação. n. 20, p. 121-131. Maio/Jun/Jul/Ago, 2002.

QUEZADA, A.; CANESSA, E. La complejidad de los procesos educativos en el aula de clases. Educar em Revista, Curitiba, n. 32, p. 103-119, 2008.

RODRIGUES, M. A. P. Sofrimento psíquico e trabalho docente: representações sociais. 2008, 135 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, 2008.

RODRÍGUEZ, M. V. Reformas educacionais e proletarização do trabalho docente. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 30, n. 1, p. 45-56, 2008.

ROMÁN, A. B. Notas para una investigación: Relaciones entre orden social y participación en educación. Revista Complutense de Educación, Madrid, v. 11, n. 1, p. 177-198, 2000.

ROSSO, A. J. A Prática de ensino de ciências/biologia sob a ótica dos estagiários. Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 5, n. 11, p. 55-71, 2002.

ROSSO, A. J.; CAMARGO, B. V. As representações sociais das condições de trabalho que causam desgaste aos professores estaduais paranaenses. ETD: Educação Temática Digital, Campinas, v. 13, n.1, p. 269-289, 2011.

SÁ, C. P. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1996.

SATO, L. A representação social do trabalho penoso. In: SPINK, M. J. P. (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 188-211.

SILVA, G. N.; CARLOTTO, M. S. Síndrome de Burnout: um estudo com professores da rede pública. Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), Maringá, v. 7, n. 2, p. 458-465, jul./dez. 2003.

SILVA, M. Trabalho e educação: aportes da linha de pesquisa para o estudo do trabalho escolar. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 167-180, 2008.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

TEIXEIRA, I. A. C. Cadências escolares, ritmos docentes. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 87-108, jul./dez. 1999.

TREIN, E.; CIAVATTA, M. O percurso teórico e empírico do GT Trabalho e Educação: uma análise para debate. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 140-164, set./dez. 2003.

VAILLANT, D. Profissão docente. In: SCHWARTZMAN, S.; COX, C. Políticas Educacionais e coesão social: uma agenda latino-americana. Rio de Janeiro, Elsevier; São Paulo: iFHC, 2009, p. 125-169.

VASQUES-MENEZES, I.; CODO, W.; MEDEIROS, L. O conflito entre o trabalho e a família e o sofrimento psíquico. in: CODO, W (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006, p. 255-260.

WITTER, G. P. Professor-estresse: análise de produção científica. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 7, n. 1, p. 33-46, jun. 2003.

ZANELLI, J. C. et al. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ZANELLI, J. C.; CALZARETTA, A. V.; GARCÍA, A. J.; LIPP, M. E. N.; CHAMBEL, M. J. Estresse nas organizações de trabalho: compreensão e intervenção baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Downloads

Publicado

2013-02-27

Como Citar

Rosso, A. J., & Camargo, B. de V. (2013). As representações sociais do desgaste no trabalho a partir dos simbolismos associados à docência. ETD - Educação Temática Digital, 15(1), 179–200. https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1301