Banner Portal
As representações sociais do desgaste no trabalho a partir dos simbolismos associados à docência.
PDF

Palavras-chave

Trabalho docente. Desgaste. Representação social.

Como Citar

ROSSO, Ademir José; CAMARGO, Brígido de Vizeu. As representações sociais do desgaste no trabalho a partir dos simbolismos associados à docência. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 179–200, 2013. DOI: 10.20396/etd.v15i1.1301. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1301. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

O artigo analisa as representações sociais (RS) do desgaste no trabalho docente segundo a abordagem dimensional de Moscovici. As informações foram coletadas mediante entrevistas (N=38) com roteiro elaborado a partir de tiragens sucessivas das evocações levantadas em fase anterior de pesquisa sobre o desgaste na docência. As entrevistas formaram um corpus textual, analisado em seu conteúdo com o auxílio do software Alceste. O corpus simbolismo apontou as classes família ausente, valorização da educação e sala de aula. A análise das informações revela uma RS centrada no reconhecimento da docência que se desloca entre os planos doméstico, social e da sala de aula.
https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1301
PDF

Referências

ABRIC, J. C. Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: CAMPOS, P. H. F.; LOUREIRO, M. C. (Ed.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: UCG, 2003. p. 37-57.

ALVES, W. F. Gestão escolar e o trabalho dos educadores: da estreiteza das políticas à complexidade do trabalho humano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 110, p. 17-34, jan./mar. 2010.

AMARAL, D. P.; OLIVEIRA. R. J. A formação docente na universidade do Brasil: um balanço dos últimos oitenta anos. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 124-146, 2008.

BARRETO, E. S. S. Bons e maus alunos e suas famílias, vistos pela professora de 1o grau. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 37, p. 84-89, maio, 1981.

BARROS, M. E. B.; LOUZADA, A. P. Dor-desprazer-trabalho docente: como desfazer essa tríade? Psicologia USP, São Paulo, n. 18, p. 13-34, out./dez. 2007.

BATISTA, A. S.; ODELIUS, C. C. Infraestrutura das escolas públicas. In: CODO, W. (Coord.). Educação, carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes/ Brasília: UNB, 2006. p. 324-

BORGES, L. O.; YAMAMOTO, O. H. O mundo do trabalho. In: ZANELLI, J. C. et al. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 24-62.

CAMARGO, B. V. ALCESTE: Um programa informático de análise quantitativa de dados textuais. In: MOREIRA, A. S. P.; JESUINO, J. C.; CAMARGO, B. V. (Org.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: Ed.UFPB, 2005. v. 1. p. 511-539.

CARLOTTO, M. S. A Síndrome de Burnout e o trabalho docente. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 1, p. 21-29, jan./jun. 2002.

CARVALHO, M. P. Ensino, uma atividade relacional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 11, p. 17-32, maio/ago. 1999.

CODO, W (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

CODO, W.; VASQUES-MENEZES, I.; VERDAN, C. S. Importância social do trabalho. In: CODO, W (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006, p. 293-299.

CRUZ, R. M.; LEMOS, J. C. Atividade docente, condições de trabalho e processos de saúde. Motrivivência, Florianópolis, Ano XVII, n. 24, p. 59-80, jun. 2005.

DUARTE, A. A produção acadêmica sobre trabalho docente na educação básica no Brasil: 1987-2007. Educar em Revista, Curitiba, n. especial 1, p. 101-117, 2010.

DUARTE, A.; AUGUSTO, M. H. Trabalho Docente: configurações atuais e concepções. In: ANPAE, XXIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2007. p. 1-25.

ENGUITA, M. F. Entre la esperanza del cambio y el estigma de la reproduccion. Revista de Educación, n. 286, p. 151-165, 1988.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru (SP): EDUSC, 1999.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa: dicionário eletrônico Aurélio versão 6.0. Curitiba: Positivo Informática LTDA, 2008.

JODELET, D. Experiências e representações sociais. In: MENIN, M. S. S.; SHIMIZU, A. M. Experiência e representação social: questões teóricas e metodológicas. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo, 2005. p. 23-56.

JODELET, D. Imbricações entre Representações Sociais e Intervenção. In: MOREIRA, A. S. P.; CAMARGO, B. V. (Org.). Contribuições para a teoria e o método de estudo das representações sociais. João Pessoa: UFPB, 2007. p. 45-74.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e Representações sociais. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Textos em representações sociais. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 63-85.

KRAWCZYK, N. A escola média: um espaço sem consenso. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 120, p. 169-202, nov. 2003.

LELIS, I. Profissão docente: uma rede de histórias. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 17, p. 40-49, maio/ago. 2001.

MAGALHÃES, E. M. M.; MAIA, H.; ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais de trabalho docente por professores de curso de pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 77, n. 186, p. 318-345, maio/ago. 1996.

MARIANI, M. F. M.; ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade no trabalho docente segundo professores de história: limites e possibilidades. Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), Maringá, v. 9, n. 1, p. 27-35, 2005.

MARIANO, M. S. S.; MUNIZ, H. P. Trabalho docente e saúde: o caso dos professores da segunda fase do ensino fundamental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 6, n.1, jan./jun. 2006.

MARQUES, C. A proteção do trabalho penoso. São Paulo: LTR, 2007.

MASCARENHAS, F. Entre o ócio e o negócio: teses acerca da anatomia do lazer. 2005, 308 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2005.

MASCARENHAS, S. Gestão do bullying e da indisciplina e qualidade do bem-estar psicossocial de docentes e discentes do Brasil (Rondônia). Psicologia, Saúde & Doenças, Lisboa, v. 7, n. 1, p. 95-107, 2006.

MEIRELLES, M. Trabalho, solidariedade e cidadania em questão: alguns impasses do mundo contemporâneo frente aos valores humanistas. In: ORO, A. P. (Org.). Representações sociais e humanismo latino no Brasil atual: religião, política, família e trabalho. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 141-173.

MOREIRA, A. F.; BORGES, O. Por dentro de uma sala de aula de física. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n.1, p. 157-174, jul./dez. 2006.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1978.

NASCIMENTO, A A.; MENANDRO, P. R. M. Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e pesquisas em psicologia, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 72-88, jul./dez. 2006.

OLIVEIRA, D. A. Política educacional e a re-estruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto Latino-Americano. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 99, p. 355-375, maio/ago. 2007.

OCDE - ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICOS. Conhecimentos e atitudes para a vida: resultados do PISA 2000 – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. São Paulo: Moderna, 2000.

OCDE - ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICOS. Aprendendo para o Mundo de Amanhã – primeiros resultados do PISA 2003. São Paulo: Moderna, 2005.

PAPARELLI, R. et al. Contribuições da saúde do trabalhador à educação infantil: o sofrimento mental de educadoras de uma creche paulistana. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 1-15, 2007.

PÉREZ, M. Com a palavra, o professor: vozes e representações docentes à luz do interacionismo sociodiscursivo (vol. I). 2009, 120 f. Mestrado em Lingüística – Programa de Pós-Graduação em Lingüística, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.

PINTO, M. B. A subordinação do trabalho docente à lógica do capital. Outubro, São Paulo, n. 4, p. 17-24, 2000.

POCINHO, M.; CAPELO, M. R. Vulnerabilidade ao stress, estratégias de coping e autoeficácia em professores portugueses. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 351-367, maio/ago. 2009.

PRETTO, N. D. L. Formação de professores exige rede! Revista Brasileira de Educação. n. 20, p. 121-131. Maio/Jun/Jul/Ago, 2002.

QUEZADA, A.; CANESSA, E. La complejidad de los procesos educativos en el aula de clases. Educar em Revista, Curitiba, n. 32, p. 103-119, 2008.

RODRIGUES, M. A. P. Sofrimento psíquico e trabalho docente: representações sociais. 2008, 135 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, 2008.

RODRÍGUEZ, M. V. Reformas educacionais e proletarização do trabalho docente. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 30, n. 1, p. 45-56, 2008.

ROMÁN, A. B. Notas para una investigación: Relaciones entre orden social y participación en educación. Revista Complutense de Educación, Madrid, v. 11, n. 1, p. 177-198, 2000.

ROSSO, A. J. A Prática de ensino de ciências/biologia sob a ótica dos estagiários. Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 5, n. 11, p. 55-71, 2002.

ROSSO, A. J.; CAMARGO, B. V. As representações sociais das condições de trabalho que causam desgaste aos professores estaduais paranaenses. ETD: Educação Temática Digital, Campinas, v. 13, n.1, p. 269-289, 2011.

SÁ, C. P. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1996.

SATO, L. A representação social do trabalho penoso. In: SPINK, M. J. P. (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 188-211.

SILVA, G. N.; CARLOTTO, M. S. Síndrome de Burnout: um estudo com professores da rede pública. Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), Maringá, v. 7, n. 2, p. 458-465, jul./dez. 2003.

SILVA, M. Trabalho e educação: aportes da linha de pesquisa para o estudo do trabalho escolar. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 17, n. 1, p. 167-180, 2008.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

TEIXEIRA, I. A. C. Cadências escolares, ritmos docentes. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 87-108, jul./dez. 1999.

TREIN, E.; CIAVATTA, M. O percurso teórico e empírico do GT Trabalho e Educação: uma análise para debate. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 140-164, set./dez. 2003.

VAILLANT, D. Profissão docente. In: SCHWARTZMAN, S.; COX, C. Políticas Educacionais e coesão social: uma agenda latino-americana. Rio de Janeiro, Elsevier; São Paulo: iFHC, 2009, p. 125-169.

VASQUES-MENEZES, I.; CODO, W.; MEDEIROS, L. O conflito entre o trabalho e a família e o sofrimento psíquico. in: CODO, W (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006, p. 255-260.

WITTER, G. P. Professor-estresse: análise de produção científica. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 7, n. 1, p. 33-46, jun. 2003.

ZANELLI, J. C. et al. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ZANELLI, J. C.; CALZARETTA, A. V.; GARCÍA, A. J.; LIPP, M. E. N.; CHAMBEL, M. J. Estresse nas organizações de trabalho: compreensão e intervenção baseadas em evidências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.