O Banco Mundial e as políticas de formação docente no Brasil

Autores

  • Ieda Maria Kleinert Casagrande Universidade Federal de Santa Maria
  • Sueli Menezes Pereira Universidade Federal de Santa Maria
  • Daniele Rorato Sagrillo Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v16i3.1311

Palavras-chave:

Política educacional. Banco Mundial. Formação de professores. Educação básica

Resumo

Discute a articulação entre as políticas de formação de professores e as interferências das agências internacionais multilaterais em especial o Banco Mundial (BIRD). Através de pesquisa documental, analisa documentos oficiais do Ministério da Educação (MEC) sobre formação de professores, documentos do BIRD e da UNESCO. Visando a redução da pobreza e a formação para o trabalho, o alvo principal do BIRD é a Educação Básica para o que deverão se formar professores, cujas propostas se traduzem nas Diretrizes Curriculares, cujo foco é a “formação por competências”. Assim, as instituições formadoras voltam seus objetivos para adequar a força de trabalho aos ditames do capital,  transferindo a escola da esfera política para a esfera do mercado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ieda Maria Kleinert Casagrande, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em educação pela UFSM/RS

Sueli Menezes Pereira, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em educação pela unicamp. Professora do programa de pós-graduação em Educação da UFSM. Pesquisadora da área de políticas públicas e gestão da educação.

Daniele Rorato Sagrillo, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em educação pela UFSM/RS.

Referências

BANCO MUNDIAL. Estratégia de parceria de país para a República Federativa do Brasil: exercícios fiscais 2012 a 2015. Relatório no. 63731-BR. 21 set. 2011. Washington, D.C.: Banco Mundial, 2011. 203p. Disponível em: http://siteresources.worldbank.org/BRAZILINPOREXTN/Resources/BRCPSPortugues.pdf?resourceurlname=BRCPSPortugues.pdf. Acesso em: 16 jan. 2012.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estratégias para la educación: Examen del Banco Mundial. Banco Internacional de Reconstrucción y Fomento. Washington, D.C: Banco Mundial, 1996.

BANCO MUNDIAL. Brasil: aspectos gerais. Washington, D.C: Banco Mundial, 2013. Disponível em: http://www.worldbank.org/pt/country/brazil/overview. Acesso em: 9 mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP No. 009 de 08/05/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: MEC/CNE, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 1 de 18/02/2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: MEC/CNE, 2002.

CHOSSUDOVSKY, Michel. A globalização da pobreza: impactos das reformas do FMI e do Banco Mundial. São Paulo: Moderna, 1999.

CORAGGIO, José Luis. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1996. p.75-123.

DALE, Roger. Globalização e Educação: Demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago. 2004.

DELUIZ, Neise. O modelo das competências profissionais no mundo do trabalho e na educação: implicações para o currículo. Informativo SENAC, São Paulo, SP, v. 27, n.3, p. 48-60, set./dez. 2001.

DELORS, Jacques. (Coord.). Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da comissão internacional sobre educação para o século XXI. 7.ed. rev. São Paulo, SP: Cortez, 2012.

DOURADO, Luiz Fernandes. A reforma do Estado e as políticas de formação de professores. In: DOURADO, L.F.; PARO, V. H. Políticas públicas e educação básica. São Paulo, SP: Xamã, 2001. p.49-57

DOWBOR, Ladislau. A reprodução social: propostas para uma gestão descentralizada. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

FAGUNDES, André Luís de Oliveira. A onipresença das competências na formação docente: um estudo no horizonte da reificação e do reconhecimento. 2013. 115f. Dissertação. (Mestrado em Educação). Centro de Educação. Universidade Federal de Santa Maria, 2013.

FONSECA, Marília. O financiamento do BM à educação brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: TOMMASI, L. de; M. J. WARDE; S. HADDAD (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo, SP: Cortez; PUC-SP, 1996. p.229-251.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. In: Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n.80, p.136-167. 2002.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e trabalho: bases para debater a educação profissional emancipadora. In: ENCONTRO ESTADUAL DAS ESCOLAS TÉCNICAS, 2., 2001, Porto Alegre. Anais ... Porto Alegre: UFRGS, 2001.p. 25-33.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1984.

HILL, Dave. O neoliberalismo global, a resistência e a deformação da educação. Currículo sem Fronteiras. v. 3, n. 2. p. 24-59. jul./dez. 2003. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol3iss2articles/hill.pdf. Acesso em: 12 dez. 2011.

KUENZER, Acácia Zeneida. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 25., 2002. Caxambu. Anais eletrônicos... Minas Gerais: ANPEd, 2002. Disponível em: www.anped.org.br/reunioes/25/.../acaciazeneidakuenzer.doc. Acesso em: 12 dez. 2008.

LAUGLO, John. Crítica às prioridades e estratégias do Banco Mundial para a educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, SP, n.100, p. 11-36, mar.1997.

LEHER, Roberto. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para “alívio da pobreza”. 1998. Tese. (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, SP: Cortez, 2004.

NOGUEIRA, Francis Mary Guimarães.; FIGUEIREDO, Ireni Marilene Zago.; DEITOS, Roberto Antonio. A implementação de políticas para o ensino fundamental, médio e profissional no Paraná nos anos 90: o PQE/PROEM e as orientações do BIRD/BID. In: NOGUEIRA, F. M. G. Estado e políticas sociais no Brasil. Cascavel: EDUNIOESTE, 2001. p. 123-174.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Educação básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis: Vozes, 2000.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas consequências para os trabalhadores docentes. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v.26, n. 92, p.753-775, 2005.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. O trabalho docente na América Latina: identidade e profissionalização. Revista Retratos da Escola, Brasília, DF, v.2, n. 2-3, p. 29-39, jan./dez. 2008.

PANSARDI, Marcos Vinicius. A formação de professores e o Banco Mundial. Eccos Revista Científica, São Paulo, n. 25. p. 127-142, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/715/71521708008.pdf. Acesso em: 19 fev. 2013.

PEREIRA, Sueli Menezes. Educação Básica e formação docente no contexto das exigências do mundo do trabalho: a formação por competências em análise. Cadernos de Educação, Pelotas, n.3. p.57-79, maio/ago. 2009. Disponível em: http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/viewFile/1650/1533. Acesso em: 14 fev. 2013.

PERRENOUD, Philip. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

PERRENOUD, Philip. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA, Maria Abadia da. Políticas para a educação pública: a intervenção das instituições financeiras internacionais e o consentimento nacional. 1999. 344 f. Tese. (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

SILVA, Maria Abadia da. Do projeto político do Banco Mundial ao projeto político- pedagógico da escola pública brasileira. Cadernos Cedes, Campinas,SP, v. 23, n. 61, p.283-301, dez. 2003.

SHIROMA, Eneida Otto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. 4.ed. Rio de Janeiro, RJ: Lamparina, 2007.

SOARES, Maria Clara Couto. Banco Mundial: políticas e reformas. In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1996. p.15-39.

TOMASI, Lívia de. Financiamentos do Banco Mundial no setor educacional brasileiro: os projetos em fase de implementação. In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 5.ed. São Paulo: Cortez,1996. p. 195-228

WERTHEIN, Jorge; CUNHA, Célio da. Fundamentos da nova educação. 2.ed. Brasília, DF: UNESCO, 2005.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. 1990. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000108.pdf. Acesso em: 14 fev. 2012.

Downloads

Publicado

2014-11-04

Como Citar

Casagrande, I. M. K., Pereira, S. M., & Sagrillo, D. R. (2014). O Banco Mundial e as políticas de formação docente no Brasil. ETD - Educação Temática Digital, 16(3), 494–512. https://doi.org/10.20396/etd.v16i3.1311