Alargamento das funções da escola: educação ambiental e sustentabilidade

Autores

  • Ana do Carmo Goulart Gonçalves Universidade Federal do Rio Grande
  • Cleuza Maria Sobral Dias Universidade Federal do Rio Grande
  • Maria Renata Alonso Mota Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v16i3.1314

Palavras-chave:

Educação ambiental. Políticas públicas. Sustentabilidade.

Resumo

O trabalho apresenta resultados de uma pesquisa que foi realizada na Universidade Federal do Rio Grande - FURG, e que objetivou compreender os deslocamentos operados nas políticas públicas concernentes ao ciclo da infância. O estudo encontra-se ancorado na perspectiva pós-estruturalista e elege, Foucault e Guattari para subsidiá-la. Quanto às ferramentas analíticas, utilizam-se os conceitos foucaultianos de biopolítica e governamento. Destaca-se o conceito de governamentalidade enquanto uma ferramenta potente, capaz de oferecer pistas para problematizar as implicações das políticas públicas aqui abordadas. O estudo desenvolve uma análise a partir da documentação oficial concernente aos três primeiros anos do Ensino Fundamental e, para compor o corpus analítico, foram selecionados documentos alusivos ao Ciclo da Infância e ao Programa Dinheiro Direto na Escola - PDDE - Escolas Sustentáveis. Neste trabalho faremos referência a um dos eixos de análise: "O alargamento das funções da escola: educação ambiental e sustentabilidade". Argumentamos que os modos de ser e de estar em um contexto contemporâneo parecem, cada vez mais, pautados por formas de viver "sustentáveis e ecologicamente corretas", e que a razão de estado neoliberal se apropria de tais discursos, em especial no tocante  à produção de sujeitos infantis com mais competências e habilidades. Para tanto a escola, considerada como um locuscentral, é capaz de produzir subjetividades. Concluímos, que as políticas públicas, em consonância com tais discursos, alargam as funções da escola para fabricar uma infância voltada para um mercado desenhado por uma racionalidade política neoliberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana do Carmo Goulart Gonçalves, Universidade Federal do Rio Grande

Professora da Universidade Federal do Rio Grande, , Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG e Doutoranda em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Integrante do  Nucleo de Estudo e Pesquisa em Educação da Infância - NEPE/FURG

Cleuza Maria Sobral Dias, Universidade Federal do Rio Grande

Professora da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS, Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS. Integrante do  Nucleo de Estudo e Pesquisa em Educação da Infância - NEPE/FURG.

Maria Renata Alonso Mota, Universidade Federal do Rio Grande

Professora da Universidade Federal do Rio Grande - FURG Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pelotas - UFPEL, Coordenadora do Nucleo de Estudo e Pesquisa em Educação da Infância - NEPE/FURG

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 maio 2014.

BRASIL. Lei no 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Institui a Política Nacional de Educação e dá outras providências.

BRASIL. Lei no 10.172 de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Vamos cuidar do Brasil com escolas sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. Elaboração de texto: Tereza Moreira. Brasília: A Secretaria, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Formando com-vida, comissão de meio ambiente e qualidade de vida na escola: construindo Agenda 21 na escola . 3. ed. rev. e ampl. Brasília: MEC, Coordenação-Geral de Educação Ambiental, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretoria de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania; Coordenação-Geral de Educação Ambiental. Manual escolas sustentáveis. . Disponível em: http://pdeinterativo.mec.gov.br/escolasustentavel/manuais/Manual_Escolas_Sustentaveis_v%2026.06.2013.pdf . Acesso em: 28 out. 2013.

BRASIL. Conselho Deliberativo/Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Resolução CD/FNDE n. 18 de 21 de maio de 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais e regulamentares do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), a escolas públicas municipais, estaduais e distritais que possuam alunos matriculados na educação básica, de acordo com dados extraídos do Censo Escolar do ano imediatamente anterior ao do repasse, a fim de favorecer a melhoria da qualidade de ensino e a promoção da sustentabilidade socioambiental nas unidades escolares.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 25.ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

GADELHA, Sylvio, Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões a partir de Michel Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

GUATTARI, Felix. As três ecologias. Campinas, SP: Papirus, 1990.

HENNING, Paula. Provocações para este tempo...: a educação ambiental e os atravessamentos midiáticos. In: PREVE, Ana Maria Hoerpers et al. (Org.). Ecologias inventivas: conversas sobre educação. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2012.

HENNING, Paula; SILVA, Priscila; VIEIRA, Virginia. Educação ambiental e discursos midiáticos: gerenciando modos de vida contemporâneos. SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL - ANPED-SUL, 9., 2012, Caxias do Sul. Anais do… Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2255/839. Acesso em: 6 mar. 2014.

LOCKMANN, Kamila. A proliferação das políticas de assistência social na educação escolarizada: estratégias da governamentalidade neoliberal. 2013. 317 f.Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/79669. Acesso em: 22 maio 2014.

PREFEITURA MUNICIPAL DO RIO GRANDE ONLINE. Município adere ao programa escolas sustentáveis. Disponível em: http://www.riogrande.rs.gov.br/pagina/index.php/noticias/detalhes+4a160,,municipio-adere-ao-programa-escolas-sustentaveis.html#.VC8qH_ldXc0. Acesso em: 20 jan. 2014.

NARODOWSKI, Mariano. Infância e poder: a conformação da Pedagogia Moderna. Bragança Paulista: Ed. USF, 2001.

SANTAIANA, Rochele da Silva. “+1 ano é fundamental”: práticas de governamento dos sujeitos infantis nos discursos do ensino fundamental de nove anos. 2008. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre, 2008.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

VEIGA-NETO, Alfredo. Dominação, violência, poder e educação escolar em tempos de Império. In: RAGO, Margareth; VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

Downloads

Publicado

2014-11-06

Como Citar

Gonçalves, A. do C. G., Dias, C. M. S., & Mota, M. R. A. (2014). Alargamento das funções da escola: educação ambiental e sustentabilidade. ETD - Educação Temática Digital, 16(3), 551–569. https://doi.org/10.20396/etd.v16i3.1314