A constituição do sujeito no tempo empírico e a memória transcendental: Deleuze leitor de Hume e Proust

  • Sandro Kobol Fornazari Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Hábito. Memória. Repetição. Tempo. Diferença.

Resumo

Partindo da interpretação deleuziana do empirismo de Hume, o artigo visa a apreender a elaboração por Deleuze da primeira síntese do tempo, a síntese do hábito, a partir da constituição de um sujeito que contempla e contrai as percepções sensíveis, ultrapassando o dado a partir da ação de princípios que lhe são exteriores. A contração do passado e a expectativa em relação ao futuro são as duas dimensões do mesmo presente vivido. É pela contração pelo hábito que a repetição produz uma diferença no espírito e assim nos produz como sujeitos. Sobre a síntese passiva do hábito virão desdobrar-se as sínteses ativas da memória e da reflexão. Desde a análise da obra de Proust, Deleuze desenvolve, então, o tema desse encontro com o fora como a produção no sujeito de uma capacidade de explicitar o sentido do que se apresenta como um signo, o que implica ultrapassar as ilusões objetivistas e subjetivistas e a busca do sentido numa diferença interiorizada que é o próprio ser em si do passado. Daí decorre ir para além da dimensão empírica do tempo e encontrar uma nova síntese do tempo, a síntese transcendental da memória, em que o passado não sucede ao presente, mas coexiste com ele.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Kobol Fornazari, Universidade Federal de São Paulo
Professor Adjunto do Curso de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo; Doutor e pós-doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo.

Referências

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi; Roberto Machado. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 1988.

DELEUZE, G. Différence et répétition. 10. ed. Paris: PUF, 2000.

DELEUZE, G. Empirismo e subjetividade: ensaio sobre a natureza humana segundo Hume. Trad. Luiz Orlandi. São Paulo, SP: 34, 2001.

DELEUZE, G. Proust e os signos. Trad. Antonio Carlos Piquet; Roberto Machado. Rio de Janeiro, RJ: Forense-Universitária, 1987.

HUME, D. Tratado da natureza humana. Trad. Déborah Danowski. São Paulo, SP: UNESP, IOE, 2001.

PROUST, M. Nos caminhos de Swann. Trad. Mário Quintana. São Paulo, SP: Abril Cultural, 1979.

Como Citar
Fornazari, S. K. (1). A constituição do sujeito no tempo empírico e a memória transcendental: Deleuze leitor de Hume e Proust. ETD - Educação Temática Digital, 12(1), 46-63. https://doi.org/10.20396/etd.v12i1.841