Construção fílmica e educação: um olhar para o filme Santo Forte de Eduardo Coutinho

  • Giovana Scareli Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Educação. Cinema. Santo Forte.

Resumo

O presente trabalho apresenta um recorte sobre o filme Santo Forte do diretor Eduardo Coutinho, procurando desenvolver principalmente dois temas: a construção fílmica, trabalhando com a linguagem cinematográfica e o que isto implica nas escolhas que são feitas pelo diretor do filme, e algumas possibilidades de pensar a educação a partir de filmes ou com os filmes. Dessa forma, apresentamos a personagem D. Tereza, escolhida por ter mais tempo de filme e também por a considerarmos como um dos melhores exemplos para pensar na evolução de uma personagem, da sua capacidade de fabulação e transformação no filme, auxiliada pelo diretor em vários aspectos: tempo, forma de fazer as perguntas, movimento de câmera etc.. Após a exposição sobre a construção fílmica da personagem, podemos fazer várias considerações sobre educação, ao pensar nesta possibilidade de reflexão e transformação que os espectadores também podem sofrer diante de um filme, no encontro com uma outra cultura ou no momento que consegue se ver no outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana Scareli, Universidade Estadual de Campinas

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp na área de concentração Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte. Atualmente é professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Tiradentes – UNIT, é também membro do Comitê de Ética e Pesquisa da mesma universidade e pesquisadora dos Grupos de Pesquisa: Laboratório de Estudos Audiovisuais – OLHO/Unicamp e do Grupo de Pesquisa Educação, Comunicação e Sociedade – GECES/Unit

Referências

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

COMOLLI, J-L. A cidade filmada. Cadernos de Antropologia e Imagem. Rio de Janeiro, ano 3, n. 4, 1997.

COUTINHO, E. Entrevista com Eduardo Coutinho. Entrevista concedida à Revista Contracampo. Disponível em: http://contracampo.com.br/11-12/frames.htm Acesso em: 06 dez. 2006.

COUTINHO, E. Entrevista concedida a Inácio Araújo e José Geraldo Couto. A cultura do transe. Caderno Mais da Folha de S. Paulo, 28 de novembro de 1999.

DA-RIN, S. Espelho partido. Rio de Janeiro, RJ: Azougue Editorial, 2004.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 11. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. 27. reimp. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 2009.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

GUIMARÃES, C. O rosto do outro: ficção e fabulação no cinema segundo Deleuze. In: LINS, D. (Coord.). Nietzsche e Deleuze: pensamento nômade. Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará; Fortaleza: Secretaria da Cultura e do Desporto do Estado, 2001.

GUIMARÃES, P. Ritos do reino de Deus: pentecostalismo e invenção ritual. 1997. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

LINS, C. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2004.

STAM, R. O espetáculo interrompido: literatura e cinema de desmistificação. Trad. José Eduardo Moretzohn. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1981.

Publicado
2010-11-18
Como Citar
Scareli, G. (2010). Construção fílmica e educação: um olhar para o filme Santo Forte de Eduardo Coutinho. ETD - Educação Temática Digital, 12(1), 103-123. https://doi.org/10.20396/etd.v12i1.844