Políticas públicas em educação: um apanhado histórico

Autores

  • Lourenço Ocuni Cá Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afrobrasileira
  • Cristina Mandu Ocuni Cá Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v17i1.8634820

Palavras-chave:

Colonialismo. Educação. Assimilação. Indigenato. Zonas libertadas.

Resumo

Este trabalho pretende documentar e analisar as estruturas educacionais da Guiné-Bissau, a falta de infraestrutura deixada pelo colonialismo português e a implementação do novo sistema educacional pelo Partido Africano para Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). A análise é feita por meio de avaliação do desempenho de sucessivos períodos que fizeram parte da história educacional do país. Nesta análise, destaca-se, em primeiro momento, a ausência de instituições escolares na sociedade linhageira africana, não que isto significasse a inexistência de ensino-aprendizagem, pois se tratava de uma cultura oral que veio a ser sobreposta pela cultura escrita europeia. Nesse sentido, no ensino colonial, a Igreja Católica desempenhou o papel fundamental na docilização dos guineenses. A igreja não só ajudou na implantação da política educacional, como também participou na legitimação do colonialismo português, sancionando e santificando a missão civilizadora e função histórica de Portugal. Paralelamente a essa educação, o movimento de libertação nacional da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) idealizou e instaurou a educação nas Zonas Libertadas (1963-1973) esta educação era mais aberta e mais dinâmica em relação ao mundo exterior. Ela não tinha mais como objetivo principal produzir uma situação de equilíbrio e de estagnação e sim procurava apoiar-se e favorecer o processo geral da luta de libertação nacional em que se inseria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lourenço Ocuni Cá, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afrobrasileira

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de Campinas, graduação em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas, mestrado em Administração e Supervisão Educacional pela Universidade Estadual de Campinas e doutorado em Políticas de Educação e sistemas Educativos pela Universidade Estadual de Campinas.

Cristina Mandu Ocuni Cá, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira – Universidade Federal do Ceará – Ceará – Brasil

Referências

ANDERSON, Perry. Portugal e o fim do ultranacionalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966. 201p.

CÁ, Lourenço Ocuni. Perspectiva história da organização do sistema educacional da Guiné-Bissau. Campinas, SP: [s.n.], 2005. 265p.

DAVIDSON, Basil. A libertação da Guiné: aspectos de uma revolução africana. Lisboa: Sá da Costa, 1975. 208p.

FERREIRA, Eduardo de Sousa. O fim de uma era: o colonialismo português em África. Lisboa: Sá da Costa, 1977. 215p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 184p.

MENDY, Peter Karibe. O colonialismo português em África: a tradição de resistência na Guiné-Bissau (1879-1959). Bissau: INEP, 1994. 455p.

OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. Guiné-Bissau: reinventar a educação. Lisboa: Sá da Costa, 1977. 52p.

PEREIRA, Luísa Teotônio. Guiné-Bissau: 3 anos da independência. Lisboa: Cidac, 1977. 193p

Downloads

Publicado

2015-04-29

Como Citar

CÁ, L. O.; CÁ, C. M. O. Políticas públicas em educação: um apanhado histórico. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 88–106, 2015. DOI: 10.20396/etd.v17i1.8634820. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8634820. Acesso em: 29 nov. 2021.