Tamanho das classes na rede estadual paulista: a gestão da rede pública à margem das desigualdades educacionais

  • Rodrigo Travitzki Universidade de São Paulo
  • Fernando Luiz Cássio Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Qualidade (educação). Tamanho de classe. Políticas educacionais. Direito à educação. Economia da educação. São Paulo (Estado).

Resumo

Este trabalho investiga o efeito do tamanho das classes dos Anos Finais do Ensino Fundamental da rede estadual paulista no desempenho dos estudantes na Prova Brasil, utilizando metodologias consagradas de estudos econômicos. O trabalho avalia o efeito do tamanho das classes em três estratos de nível socioeconômico (NSE) e os resultados sugerem que as políticas em vigor no estado tendem a reduzir o desempenho de dois terços dos alunos, além de aumentar a desigualdade entre os NSE. O trabalho também apresenta uma série histórica do tamanho das classes no Estado de São Paulo, identificando uma mudança de tendência a partir da Reorganização Escolar de 2015. Discute-se ainda, a partir dos resultados, a lógica da gestão regular da rede de ensino e o papel do acesso público aos dados e indicadores educacionais do estado na compreensão de políticas estruturais que operam à margem das desigualdades sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Travitzki, Universidade de São Paulo
Doutor em Educação com Pós Doutorado em Métodos Quantitativos Aplicados à Educação, desenvolve pesquisas sobre políticas públicas, qualidade e equidade, avaliação educacional, testes adaptativos informatizados e psicometria. Escreve programas de computador para pesquisa científica, utilizando a linguagem R e software livre. É Biólogo de formação e mestre em Filosofia. Professor de Ensino Médio desde 1999, tem ampla experiência em currículo e material didático de Biologia. Criador do portal de educação Rizomas.net e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação Educacional (Gepave) da USP.
Fernando Luiz Cássio, Universidade Federal do ABC

Professor Adjunto da Universidade Federal do ABC. Possui graduação em Química pela Universidade de São Paulo, graduação em Licenciatura em Química pela Universidade de São Paulo, graduação em Ciências Moleculares pela Universidade de São Paulo e doutorado em Ciências (Físico-Química) pela Universidade de São Paulo, com período sanduíche na Wayne State University (Detroit, MI, EUA). Seus interesses atuais de pesquisa incluem: currículo e políticas curriculares; crenças e conhecimentos de professores; ética profissional docente; políticas educacionais e direito à educação.

Referências

ANGRIST, Joshua D.; LAVY, Victor. Using Maimonides’ Rule to Estimate the Effect of Class Size on Scholastic Achievement. The Quarterly Journal of Economics, v. 114, n. 2, p. 533-575, 1999.

CAMARGO, Juliana. O efeito do tamanho da turma sobre o desempenho escolar: Uma avaliação do impacto da “enturmação” no Ensino Fundamental do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Economia). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

CÁSSIO, Fernando L.; CROCHIK, Leonardo; DI PIERRO, Maria Clara; STOCO, Sergio. Demanda social, planejamento e direito à educação: Uma análise da rede estadual de ensino paulista na transição 2015-2016. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, p. 1089-1119, 2016.

FRANCO, Ana Maria de Paiva. Os determinantes da qualidade da educação no Brasil. Tese (Doutorado em Economia). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

GALAGATE, Douglas; SCHAFER, Joseph L. Estimating Average Dose Response Functions Using the R Package causaldrf. 30 nov. 2015. Disponível em: https://cran.r-project.org/web/packages/causaldrf/vignettes/Using_causaldrf.pdf. Acesso em: 14 nov. 2016.

GOLDSTEIN, Harvey. Evaluating Educational Changes: A Statistical Perspective. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v. 21, n. 78, p. 101-114, 2013.

HARRELL JR., Frank E.; DUPONT, Charles. Hmisc: Harrell Miscellaneous. Disponível em: https://cran.r-project.org/package=Hmisc. Acesso em: 27 nov. 2016.

HIRANO, Keisuke; IMBENS, Guido W. The Propensity Score with Continuous Treatments. In: GELMAN, Andrew; MENG, Xiao-Li. (Ed.). Applied Bayesian Modeling and Causal Inference from Incomplete-Data Perspectives: An essential journey with Donald Rubin’s statistical family. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2004. p. 73-84.

KING, Gary; NIELSEN, Richard. Why Propensity Scores Should Not Be Used for Matching. 2016. Disponível em: j.mp/PScore. Acesso em: 13 nov. 2016.

MENEZES-FILHO, Naércio. Os determinantes do desempenho escolar no Brasil. In: DUARTE, Pedro Garcia; SILBER, Simão D.; GUILHOTO, Joaquim J. M. (Org.). O Brasil do século XXI. São Paulo: Saraiva, 2011. v. 1. p. 231-256.

MENEZES-FILHO, Naércio (Org.). Avaliação econômica de projetos sociais. São Paulo: Fundação Itaú Social, 2016.

MISHEL, Lawrence; ROTHSTEIN, Richard. (Ed.). The Class Size Debate. Washington, D.C.: Economic Policy Institute, 2002.

MOSTELLER, Frederick. The Tennessee Study of Class Size in the Early School Grades. Critical Issues For Children and Youths, v. 5, n. 2, p. 113-127, 1995.

OECD. Education at a Glance 2016: OECD Indicators. Paris: OECD Publishing, 2016.

OLIVEIRA, Jaqueline Maria de. Custo-efetividade de políticas de redução do tamanho da classe e ampliação da jornada escolar: uma aplicação de estimadores de matching. Rio de Janeiro: BNDES, 2010.

PASEK, Josh. et al. weights: Weighting and Weighted Statistics. Disponível em: https://cran.r-project.org/package=weights. Acesso em: 27 nov. 2016.

PIKETTY, Thomas; VALDENAIRE, Mathieu. L’impact de la taille des classes sur la réussite scolaire dans les écoles, collèges et lycées français: Estimations à partir du panel primaire 1997 et du panel secondaire 1995. Paris: Ministère de l’Éducation nationale, de l’Enseignement supérieur et de la Recherche / Direction de l’évaluation et de la prospective, 2006. (Les dossiers, n. 173)

PÓ, Marcos Vinicius; YAMADA, Erika; XIMENES, Salomão; LOTTA, Gabriela; ALMEIDA, Wilson Mesquita de. Análise da política pública de Reorganização Escolar proposta pelo governo do Estado de São Paulo. São Bernardo do Campo: Universidade Federal do ABC, 2015. Disponível em: https://blogdosalomaoximenes.files.wordpress.com/2015/12/anc3a1lise-da-reorganizac3a7c3a3o-escolar-sp.pdf. Acesso em: 15 nov. 2016.

RICE, Jennifer King. Making the evidence matter: Implications of the class size research debate for policy makers. In: MISHEL, Lawrence; ROTHSTEIN, Richard. (Ed.). The Class Size Debate. Washington, D.C.: Economic Policy Institute, 2002. p. 89-94.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Análise da evolução do número de matrículas e turmas de Ensino Fundamental e Médio da rede estadual paulista. São Paulo: Todos Pela Educação, jun. 2016.

TRAVITZKI, Rodrigo; CALERO; Jorge; BOTO; Carlota. What does the National High School Exam (ENEM) tell Brazilian society? CEPAL Review, v. 113, p. 157-174, 2014.

URQUIOLA, Miguel; VERHOOGEN, Eric. Class-Size Caps, Sorting, and the Regression-Discontinuity Design. The American Economic Review, v. 99, n. 1, p. 179-215, 2009.

WEISELFISZ, Jacobo. Tamanho da turma: Faz diferença? Brasília, DF: Fundescola / MEC, 2000. (Série estudos, n. 12)

WICKHAM, Hadley. The Split-Apply-Combine Strategy for Data Analysis. Journal of Statistical Software, v. 40, n. 1, p. 1–29, 2011.

Publicado
2017-03-11
Como Citar
Travitzki, R., & Cássio, F. L. (2017). Tamanho das classes na rede estadual paulista: a gestão da rede pública à margem das desigualdades educacionais. ETD - Educação Temática Digital, 19, 159-183. https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647765