#OCUPAISERJ: estratégias comunicacionais do movimento de ocupação do instituto superior de educação do Rio de Janeiro

Autores

  • Andréa Villela Mafra da Silva Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Keite Silva de Melo Pontíficia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647817

Palavras-chave:

Movimento de ocupação. Autogestão discente. Ativismo político. Políticas educacionais.

Resumo

O artigo se propõe a apresentar a percepção de três alunas, oriundas dos segmentos do ensino médio e ensino superior, sobre o movimento de ocupação do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ). O método utilizado neste texto, de cunho qualitativo, está fundamentado em entrevistas individuais que foram realizadas por meio de questões semiestruturadas, configurando um estudo de caso. A ocupação enquanto mobilização estudantil do ISERJ é uma ação político-educacional que emerge dos alunos como medida de enfrentamento às políticas do governo do Estado do Rio de Janeiro, no primeiro semestre de 2016. Concluímos que durante a ocupação do ISERJ o protagonismo dos estudantes desenvolvendo atividades culturais, somado à autogestão discente, superou as expectativas diante da complexidade deste movimento em que coabitaram alunos de segmentos distintos. Ademais, trouxe à comunidade do ISERJ novas aprendizagens por meio das assembleias e decisões coletivas que, de alguma forma, contribuíram com o ativismo político dos estudantes. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Villela Mafra da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda em Educação na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, onde também cursou o Mestrado em Educação na linha de Subjetividade, Cultura e História da Educação. Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão em Educação a Distância pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente professora do Ensino Superior da FAETEC no Curso de Pedagogia e nas turmas do PARFOR no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. Desde 2006 atua como Coordenadora Adjunta e de Tutoria dos Cursos de Pós-Graduação a distância na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Coordenadora de Campo do Plano de Ações Articuladas no Estado do Rio de Janeiro - MEC / FNDE (2009 - 2011). Coordenadora do grupo de pesquisa Formação de Professores e Tecnologias Educacionais/FAETEC/CNPq. Pesquisadora do grupo de pesquisa Educação e Comunicação/UERJ/CNPq.

Keite Silva de Melo, Pontíficia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutoranda em Educação pela PUC-Rio, Mestre em Educação pela UNESA, especialista em Supervisão Educacional pela UNICAM e especialista em Mediação Pedagógica em EAD pela PUC-Rio. Pedagoga pela UERJ, atualmente leciono no curso de Pedagogia do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ) e estou licenciada para estudos pela SME-Duque de Caxias. Atuo ainda, como orientadora de TFC no curso de especialização PIGEAD (Lante/UFF).

Referências

ANPED. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. 44ª Nota Pública do Fórum Nacional de Educação - PEC 241 que inviabiliza as metas do Plano Nacional de Educação Brasília. 20 de setembro de 2016. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/44_nota_publica_fne_-_contra_a_pec_241_16_final.pdf Acesso em 31 out 2016

BALL, Stephen. Global education. Inc.: new policy networks and the neoliberal imaginary. New York, Routledge, 2012.

BOULIANNE, Shelley. Social media use and participation: a metaanalysis

of current research. Information, Communication & Society, v. 18, n.5, p. 524-538, DOI: 10.1080/1369118X.2015.1008542. Acesso em 20 nov. 2016.

BRASIL. Medida Provisória Nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20152018/2016/Mpv/mpv746.htm Acesso em 08 out 2016.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio Acesso em 08 out. 2016.

BRASIL. Proposta de Emenda à Constituição Nº 241/2016. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=33025CCD2CC1E4B94F80A07B32EE4C5A.proposicoesWeb1?codteor=1468431&filename=PEC+241/2016. Acesso em 25 out. 2016.

BRASIL. Proposta de Emenda à Constituição nº 55, de 2016 - PEC do Teto dos Gastos Públicos. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/127337 Acesso em 25 out. 2016.

CASTELLS, Manuel; CARDOSO, Gustavo (Orgs.). A Sociedade em Rede: do conhecimento à ação política; Conferência. Belém (Por). Imprensa Nacional. Casa da Moeda, 2006. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/a_sociedade_em_rede_-_do_conhecimento_a_acao_politica.pdf. Acesso em 22 nov. 2016.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos pela educação no Brasil. Crítica Educativa (Sorocaba/SP), vol. 2, n. 1, p. 9-20, jan. /jun. 2016. Disponível em: http://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/75/99. Acesso em 08 nov. 2016.

JURIS, Jeffrey S. Reflections on #Occupy Everywhere: Social media, public space, and emerging logics of Aggregation. American Ethnologist. v. 39, n. 2. 2012. DOI: 10.1111/j.1548-1425.2012.01362. x. Acesso em 20 nov. 2016.

KAVADA, Anastasia. Creating the collective: social media, the Occupy Movement and its constitution as a collective actor. Information, Communication & Society, v. 18 n.8, 872-886, 2015. DOI: 10.1080/1369118X.2015.1043318. Acesso em 20 nov. 2016.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: Novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p.1530 - 1555 out. /dez. 2014.

PINHEIRO, Leandro R. e CASTILHOS, Bruno H. S. de. Experiências na escola: a participação de jovens e suas provocações. GEPESVIDA. Edição 1. Volume 1. 2016. Disponível em: http://www.icepsc.com.br/ojs/index.php/gepesvida/article/view/98/51 Acesso em 08 nov. 2016.

PRETTO, Nelson. Redes sociais e educação: o que quer a geração alt + tab nas ruas? Liinc em Revista. v.10, n.1, p.344-350, 2014. Disponível em: https://www.academia.edu/7222923/Redes_sociais_e_educa%C3%A7%C3%A3o_o_que_quer_a_gera%C3%A7%C3%A3o_alt_tab_nas_ruas. Acesso em 20 nov. 2016.

RAMÍREZ, Liliana Galindo. Dinâmicas transnacionais em tempos de Internet: jovens, mobilização e apropriação do Facebook na Colômbia e no Brasil. DESidades.Revista eletrônica de divulgação científica da infância e juventude. Disponível em: http://desidades.ufrj.br/featured_topic/dinamicas-transnacionais-em-tempos-de-internet-jovens-mobilizacao-e-apropriacao-do-facebook-na-colombia-e-no-brasil/ Acesso em 20 nov. 2016.

SANTOS, Edméa. A mobilidade cibercultural: cotidianos na interface educação e comunicação. Em Aberto, Brasília, v. 28, n. 94, p. 134-145, jul. /dez. 2015.

THEOCHARIS, Yannis et al. Using Twitter to mobilize protest action: online mobilization patterns and action repertoires in the Occupy Wall Street, Indignados, and Aganaktismenoi movements. Information, Communication & Society. v 18, n.2, 202-220, 2015. DOI: 10.1080/1369118X.2014.948035. Acesso em 20 nov. 2016.

Downloads

Publicado

2017-03-11

Como Citar

Silva, A. V. M. da, & Melo, K. S. de. (2017). #OCUPAISERJ: estratégias comunicacionais do movimento de ocupação do instituto superior de educação do Rio de Janeiro. ETD - Educação Temática Digital, 19(1), 119–140. https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647817