Etnomatemática: três propostas pedagógicas para a educação básica

Autores

  • Francisco de Assis Bandeira Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i3.8648366

Palavras-chave:

Matemática. Etnomatemática. Aprendizagem. Ensino. Currículo.

Resumo

A difusão da Etnomatemática no âmbito da educação básica ainda é escassa, apesar de suas propostas para a ação pedagógica. É com essas preocupações que apresento três pesquisas direcionadas para o ensino de matemática da educação básica à luz das concepções dambrosianas de Etnomatemática. A primeira teve como objetivo investigar conhecimentos matemáticos dos oleiros do Povoado Currais Novos, Rio Grande do Norte, para subsidiar na elaboração de uma proposta pedagógica para dialogar com os conhecimentos matemáticos formais da escola daquele povoado. Na segunda pesquisa, faço um recorte ao apresentar um relato de uma experiência educacional empreendida com alunos 6º ano do ensino fundamental provenientes de uma comunidade de trabalhadores de indústrias de cerâmica vermelha do município de Russas, no estado do Ceará. A terceira pesquisa propõe uma reflexão curricular em educação matemática ao associar a Matemática formal aos conhecimentos matemáticos de uma comunidade de horticultores da cidade do Natal, Rio Grande do Norte. Um dos resultados dessa terceira pesquisa mostrou aos alunos que a matemática não existe somente em sala de aula, a dos livros, mas também em qualquer lugar e que ela é diferente porque as culturas também são diferentes, como falou um dos alunos que entendia as duas matemáticas: a da escola e a da horta, mas esta era melhor porque já trabalhava com ela. A segunda pesquisa evidenciou que, ao colocar os alunos como os principais responsáveis pelo processo de coleta e análise dos dados provenientes de seu próprio contexto sociocultural, contribuiu para a criação de um espaço de discussão em sala de aula, colocando os discentes como sujeitos críticos de sua própria realidade. A proposta da primeira pesquisa, de caráter qualitativa em uma abordagem etnográfica, informa que ao trabalhar pedagogicamente os conhecimentos matemáticos daquele povoado em sintonia com a Matemática acadêmica, o aluno compreenderá o significado desses conhecimentos, além de valorizá-los.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco de Assis Bandeira, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutor em Educação Matemática - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Penedo, Caicó - RN - Brasil (UFRN). Professor do Departamento de Ciências Exatas e Aplicadas - CEA do Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES/Caicó) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Penedo, Caicó - RN - Brasil. 

Referências

ARAÚJO JÚNIOR, Gilberto Cunha. A etnomatemática em uma cerâmica da região do Seridó-RN. Dissertação de Mestrado. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2013.

ANDRÉ, Marli E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 2000.

BANDEIRA, Francisco de Assis. A cultura de hortaliças e a cultura matemática em Gramorezinho: uma fertilidade sociocultural. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2002.

BANDEIRA, Francisco de Assis. Pedagogia Etnomatemática: ações e reflexões em matemática do ensino fundamental com um grupo sociocultural específico. Tese de Doutorado. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009.

BANDEIRA, Francisco de Assis. Pedagogia Etnomatemática: ações e reflexões em matemática do ensino fundamental. Natal, RN: EDUFRN, 2016.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2001.

GERDES, Paulus. Cultura e o despertar do pensamento geométrico. Curitiba, PR: UFPR, 1991.

GOMES, Ana Lúcia Aragão. A dinâmica do pensamento geométrico: aprendendo a enxergar meias verdades e a construir novos significados. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 1997.

GONÇALVES, Paulo Gonçalo Farias. A etnomatemática dos trabalhadores das cerâmicas de Russas-CE e o contexto escolar: delineando recomendações pedagógicas a partir de uma experiência educacional. Dissertação de Mestrado. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2013.

GRANDO, Neiva Inês. A matemática na agricultura e na escola. Dissertação de Mestrado em Psicologia. Recife, PE: Universidade Federal de Pernambuco, 1998.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva, 2009.

KNIJNIK, Gelsa. Educação matemática, culturas e conhecimentos na luta pela terra. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2006.

ROSA, Milton; OREY, Daniel C. Educação matemática: algumas considerações e desafios na perspectiva etnomatemática. Revista Educação Popular, v. 8, p. 55-63, 2009.

Downloads

Publicado

2017-07-04

Como Citar

Bandeira, F. de A. (2017). Etnomatemática: três propostas pedagógicas para a educação básica. ETD - Educação Temática Digital, 19(3), 622–652. https://doi.org/10.20396/etd.v19i3.8648366