Banner Portal
Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo
PDF

Palavras-chave

Dispositivo pedagógico. Escola. Equipamento coletivo. Poder. Experimentum scholae.

Como Citar

Carvalho, A. F. de, & Gallo, S. D. de O. (2017). Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo. ETD - Educação Temática Digital, 19(4), 622–641. https://doi.org/10.20396/etd.v19i4.8648756

Resumo

É preciso defender a escola. De quê? De quem? Neste texto, partiremos da noção de “dispositivo pedagógico”, elaborada pelo filósofo René Schérer, para fazer da escola o principal combatente contra a forma que ela mesma assumiu institucionalmente na modernidade, catalisada por este dispositivo. Em obra de 1974 Schérer afirmava que não basta a crítica à escola, não bastam os projetos de “desescolarizar a sociedade” (Illich), uma vez que aquilo que funciona em nosso tempo é uma intrincada “ideologia pedagógica”. Ela sim é que deve ser combatida. Após os trabalhos de Foucault que introduziram o conceito de dispositivo, Schérer passou a tratar a questão em termos de um “dispositivo pedagógico” que coloniza nossa sociedade segundo a forma de uma pedagogização integral, na direção daquilo que Rancière denominou uma “sociedade pedagogizada”. O combate, então, direciona-se contra este dispositivo que pedagogiza, impedindo os processos de autoformação. Após elucidar o conceito de dispositivo pedagógico, buscaremos na noção guattariana de “equipamentos coletivos” possibilidades de repensar a escola como máquina de guerra em ação contra o dispositivo pedagógico. Ainda que a própria escola enredada pelo dispositivo pedagógico seja um equipamento coletivo, o equipamento coletivo pode ser pensado de outra maneira, visando a defender a escola do dispositivo pedagógico. Ao cabo, trata-se de defender a escola como experiência de um outro equipamento coletivo, como um experimentum scholae.

https://doi.org/10.20396/etd.v19i4.8648756
PDF

Referências

BENTHAM, Jeremy. O Panóptico. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Sociedade capitalista e produção disciplinar excludente: a atualidade de Vigiar e Punir na compreensão da função-sujeito contemporânea. In. CARVALHO, Alexandre Filordi de;

GALLO, Silvio (orgs.). Repensar a educação - 40 anos após Vigiar e Punir. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015, p. 175-207.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência. 3. ed. São Paulo: CosacNaify, 2014

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2010.

ENGUITA, Mariano F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: 1989.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade – 1: a vontade de saber. 6ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir – história da violência nas prisões. 8ª ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

FOUCAULT, Michel. Outros espaços. In: Ditos e Escritos, vol. III. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p. 411-422.

FOUCAULT, M. Le corps utopique, les hétérotopies. Paris: Lignes, 2009.

FOUCAULT, Michel. O jogo de Michel Foucault. In: Ditos e Escritos, vol. IX. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014, p. 44-77.

GALLO, Sílvio. Pensar a escola com Foucault: além da sombra da vigilância In: CARVALHO, Alexandre Filordi de; GALLO, Silvio (orgs.). Repensar a educação - 40 anos após Vigiar e Punir. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015, p. 427-449.

GALLO, Sílvio; CARVALHO, Alexandre Filordi de. Des lycéens se constituent en « groupe sujet» - et réinventent une confiance politique. Revue Internationale d'Éducation Sèvres, n. 72, p. 137-146, 2016.

GÉLIS, Jacques. A individuação da criança. In. História da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 305-320

GUATTARI, Félix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. Tradução de Suely Rolnik. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

GUATTARI, Félix. Lignes de fuite: pour un autre monde de possibles. La Tours d’Aigues: L’aube, 2011.

GUATTARI, Félix. De Leros à la Borde. Clamecy: Lignes/IMEC, 2012.

GUATTARI, Félix. Qu’est-ce que l’écosophie? Clamecy: Lignes/IMEC, 2013.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolíticas: cartografias do desejo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. O aparecimento da escola moderna – uma história ilustrada. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. 6ª ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

KANT, Imannuel. Sobre a pedagogia. 6.ed. Piracicaba: Editora Unimep, 2011.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola – uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre educação. Rio de Janeiro: PUC Rio/São Paulo: Loyola, 2003.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 1992.

SCHÉRER, René. Émile Perverti. 2éme éd. Paris: Désordres, 2006.

SCHÉRER, René. Infantis. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SCHÉRER, René; HOCQUENGHEM, Guy. “Co-Ire”: álbum systématique de l’enfance. Recherches nº 22. 2e édition, Avril 1977.

SCHÉRER, René; LAGASNERIE, Geoffroy de. Après tout – entretiens sur une vie intellectuelle. Paris: Éditions Cartouche, 2007.

THOUREAU, Henry David. A desobediência civil. São Paulo: Companhia das Letras&Penguin, 2012.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.