Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo

Palavras-chave: Dispositivo pedagógico. Escola. Equipamento coletivo. Poder. Experimentum scholae.

Resumo

É preciso defender a escola. De quê? De quem? Neste texto, partiremos da noção de “dispositivo pedagógico”, elaborada pelo filósofo René Schérer, para fazer da escola o principal combatente contra a forma que ela mesma assumiu institucionalmente na modernidade, catalisada por este dispositivo. Em obra de 1974 Schérer afirmava que não basta a crítica à escola, não bastam os projetos de “desescolarizar a sociedade” (Illich), uma vez que aquilo que funciona em nosso tempo é uma intrincada “ideologia pedagógica”. Ela sim é que deve ser combatida. Após os trabalhos de Foucault que introduziram o conceito de dispositivo, Schérer passou a tratar a questão em termos de um “dispositivo pedagógico” que coloniza nossa sociedade segundo a forma de uma pedagogização integral, na direção daquilo que Rancière denominou uma “sociedade pedagogizada”. O combate, então, direciona-se contra este dispositivo que pedagogiza, impedindo os processos de autoformação. Após elucidar o conceito de dispositivo pedagógico, buscaremos na noção guattariana de “equipamentos coletivos” possibilidades de repensar a escola como máquina de guerra em ação contra o dispositivo pedagógico. Ainda que a própria escola enredada pelo dispositivo pedagógico seja um equipamento coletivo, o equipamento coletivo pode ser pensado de outra maneira, visando a defender a escola do dispositivo pedagógico. Ao cabo, trata-se de defender a escola como experiência de um outro equipamento coletivo, como um experimentum scholae.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Filordi de Carvalho, Universidade Federal de São Paulo
Professor do departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP
Sílvio Donizetti de Oliveira Gallo, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Filosofia e História da Educação. Filosofia da Educação.

Referências

BENTHAM, Jeremy. O Panóptico. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Sociedade capitalista e produção disciplinar excludente: a atualidade de Vigiar e Punir na compreensão da função-sujeito contemporânea. In. CARVALHO, Alexandre Filordi de;

GALLO, Silvio (orgs.). Repensar a educação - 40 anos após Vigiar e Punir. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015, p. 175-207.

CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência. 3. ed. São Paulo: CosacNaify, 2014

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2010.

ENGUITA, Mariano F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: 1989.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade – 1: a vontade de saber. 6ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir – história da violência nas prisões. 8ª ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

FOUCAULT, Michel. Outros espaços. In: Ditos e Escritos, vol. III. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p. 411-422.

FOUCAULT, M. Le corps utopique, les hétérotopies. Paris: Lignes, 2009.

FOUCAULT, Michel. O jogo de Michel Foucault. In: Ditos e Escritos, vol. IX. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014, p. 44-77.

GALLO, Sílvio. Pensar a escola com Foucault: além da sombra da vigilância In: CARVALHO, Alexandre Filordi de; GALLO, Silvio (orgs.). Repensar a educação - 40 anos após Vigiar e Punir. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015, p. 427-449.

GALLO, Sílvio; CARVALHO, Alexandre Filordi de. Des lycéens se constituent en « groupe sujet» - et réinventent une confiance politique. Revue Internationale d'Éducation Sèvres, n. 72, p. 137-146, 2016.

GÉLIS, Jacques. A individuação da criança. In. História da vida privada: da Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 305-320

GUATTARI, Félix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. Tradução de Suely Rolnik. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

GUATTARI, Félix. Lignes de fuite: pour un autre monde de possibles. La Tours d’Aigues: L’aube, 2011.

GUATTARI, Félix. De Leros à la Borde. Clamecy: Lignes/IMEC, 2012.

GUATTARI, Félix. Qu’est-ce que l’écosophie? Clamecy: Lignes/IMEC, 2013.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolíticas: cartografias do desejo. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. O aparecimento da escola moderna – uma história ilustrada. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. 6ª ed. Petrópolis: Vozes, 1982.

KANT, Imannuel. Sobre a pedagogia. 6.ed. Piracicaba: Editora Unimep, 2011.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola – uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre educação. Rio de Janeiro: PUC Rio/São Paulo: Loyola, 2003.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 1992.

SCHÉRER, René. Émile Perverti. 2éme éd. Paris: Désordres, 2006.

SCHÉRER, René. Infantis. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SCHÉRER, René; HOCQUENGHEM, Guy. “Co-Ire”: álbum systématique de l’enfance. Recherches nº 22. 2e édition, Avril 1977.

SCHÉRER, René; LAGASNERIE, Geoffroy de. Après tout – entretiens sur une vie intellectuelle. Paris: Éditions Cartouche, 2007.

THOUREAU, Henry David. A desobediência civil. São Paulo: Companhia das Letras&Penguin, 2012.

Publicado
2017-10-06
Como Citar
Carvalho, A. F. de, & Gallo, S. D. de O. (2017). Defender a escola do dispositivo pedagógico: o lugar do experimentum scholae na busca de outro equipamento coletivo. ETD - Educação Temática Digital, 19(4), 622-641. https://doi.org/10.20396/etd.v19i4.8648756