Reflexões sobre os jogos digitais sob a perspectiva da sociologia da infância

  • Rafael Marques de Albuquerque Universidade do Vale do Itajaí
  • Caroline Kern Faculdade Capivari
Palavras-chave: Jogos digitais, Sociologia da infância, Brincar, Criança, Adultocentrismo.

Resumo

Os jogos digitais são objetos relativamente novos na história das infâncias, e podem ser compreendidos através de diversos olhares. Neste artigo levantamos quatro reflexões sobre os jogos digitais e crianças a partir de uma visão alinhada com a sociologia da infância. A primeira reflexão diz respeito ao  estigma que recai sobre os jogos digitais por sua associação com o universo infantil, por meio de uma visão  adultocêntrico. A segunda descreve os jogos digitais como molduras para o brincar da criança, e consequentemente influenciadoras das formas com as quais as crianças aprendem e se inserem no universo cultural mais amplo. Discutimos, nesse contexto, não apenas as possibilidades dos jogos digitais influenciarem as crianças, mas também as possibilidades delas contestarem e construírem seus significados, interagindo ativamente com esses elementos culturais. A terceira problematiza a noção de geração game, destacando a heterogeneidade das gerações. A quarta ressalta a importância dos estudos acadêmicos escutarem mais as vozes das crianças ao se discutir as relações dos jogos digitais com as infâncias. As reflexões do texto tem o objetivo de enriquecer as discussões tanto nos campos de estudo dos jogos digitais quanto no das infâncias, levantando aspectos que merecem ser pensados com mais profundidade e problematizando o papel do adulto nas relações das crianças com os jogos digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Marques de Albuquerque, Universidade do Vale do Itajaí

Professor do Curso de Design de Jogos e Entretenimento Digital da Universidade do Vale do Itajaí. Doutor em Educação pela Universidade de Nottingham (Inglaterra).

Caroline Kern, Faculdade Capivari
Doutora em Educação - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do curso de Pedagogia - Faculdade Capivari (FUCAP).

Referências

ABRAMOWICZ, A. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: GOULART, Ana Lúcia; FINCO, Daniela (Org.) Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 17-36.

ALBUQUERQUE, R. M. Letramento eletrolúdico como conscientização: bases teóricas para educar o jogar. Currículo sem Fronteiras, v. 14, p. 57-74, 2014.

ALBUQUERQUE, R. M. Digital game education: designing interventions to encourage players’ informed reflections on their digital gaming practices. 2016. Tese (Doutorado em Educação) - Learning Sciences Research Institute, University of Nottingham, Nottingham (UK), 2016.

ALBUQUERQUE, R. M. Como a curiosidade pode enriquecer o jogar?. In: Daniela Karine Ramos; Dulce Márcia Cruz. (Org.). Jogos digitais em contextos educacionais. Curitiba: CRV, 2018, p. 91-104.

ALBUQUERQUE, R. M.; AINSWORTH, S. Unintentional learning: are digital games friends or foes? In: Rosemary Luckin. (Org.). Enhancing learning and teaching with technology: what the research says. London: Institute of Education Press, 2018, p. 101-109.

ALBUQUERQUE, R. M.; CRUZ, D. M. Letramento digital através de criação de jogos eletrônicos: ensaio comparativo sobre dois contextos escolares. Revista NUPEM (online), v. 5, p. 123-143, 2013.

BUCKINGHAM, D.; BURN, A. Game literacy in theory and practice. Journal of Educational Multimedia and Hypermedia, v. 16, n. 3, p. 323-349, 2007.

COSTA, M. F. V. O brincar em narrativas autobiográficas: um estudo intergeracional. Educação Temática Digital, v. 12, n. esp., p. 107-123, 2010.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, D. M.; ALBUQUERQUE, R. M. A produção de jogos eletrônicos por crianças: narrativas digitais e o RPG Maker. Comunicação e Educação (USP), v. 19, p. 111, 2014.

CRUZ, D. M.; RAMOS, D. K.; ALBUQUERQUE, R. M. Jogos eletrônicos e aprendizagem: o que as crianças e jovens têm a dizer? Contrapontos (UNIVALI), v. 12, p. 87-96, 2012.

ENTERTAINMENT SOFTWARE ASSOCIATION. 2015 Sales, Demographic and usage data: essential facts about the computer and video game industry. Disponível em: http://www.theesa.com/wp-content/uploads/2015/04/ESA-Essential-Facts-2015.pdf . Acesso em: 10 nov. 2016.

FERREIRA, A. F.; DARIDO, S. C. Os jogos eletrônicos no cotidiano dos alunos do 9° ano do ensino fundamental. Educação Temática Digital, v. 15, n. 3, p. 595-611, 2013.

FINCO, D.; OLIVEIRA, F. A sociologia da pequena infância e a diversidade de gênero e de raça nas instituições de educação infantil. In FARIA, A. L. G.; Finco, D. (Org.) Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011. p.55-80.

GARCIA, D. E. S. Letramento em design de games: jogando, criando e compartilhando textos videolúdicos. 2016, 304f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS, 2016.

GEE, J. P. What Games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave MacMillan, 2007.

KOWERT, R.; QUANDT, T. The video game debate: unravelling the physical, social, and psychological effects of digital games. New York: Routledge, 2016.

LUZ, A. R. Video games história, linguagem e expressão gráfica: do nascimento à consolidação do vídeo game como linguagem. São Paulo: Blucher, 2010.

NASCIMENTO, M. L. P. B. Reconhecimento da sociologia da infância como área de conhecimento e campo de pesquisa: algumas considerações. In: GOULART, Ana Lúcia; FINCO, Daniela (Org.) Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 37-54.

PRENSKY, M. Digital game-based learning. New York: McGraw-Hill, 2001.

STEINKUEHLER, C. Parenting and video games. Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 59, n. 4, p. 357-361, 2015.

STEVENS, R.; SATWICZ, T.; MCCARTHY. In game, in-room, in world: reconnecting video game play to the rest of kid's lives. In: SALEN, K. (Ed.). The ecology of games: connecting youth, games, and learning. Cambridge: The MIT Press, 2008. p.41-66.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WILLIANS, D.; YEE, N.; CAPLAN, S. Who plays, how much, and why? A behavioral player census of a virtual world. New Media & Society, v. 11, n. 5, 2009.

Publicado
2019-06-26
Como Citar
Albuquerque, R. M. de, & Kern, C. (2019). Reflexões sobre os jogos digitais sob a perspectiva da sociologia da infância. ETD - Educação Temática Digital, 21(3), 662-673. https://doi.org/10.20396/etd.v21i3.8649928