Educação superior indígena: análise do discurso do indígena sobre o papel do professor não indígena na sua formação acadêmica

  • Messias Furtado Silva Universidade Estadual Paulista
  • Odete Pacubi Baierl Teixeira Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Interculturalidade. Educação indígena. Formação de professores.

Resumo

Neste artigo mobilizamos recursos de análise do discurso para analisar como indígenas de dois povos (Gavião e Surui Aikewara) percebem o papel do professor não indígena em sua formação acadêmica, visando compreender como estes veem a intervenção do professor, formado em outra cultura, com jeito de ser e viver diferente, em sua cultura. Investigamos, a partir de uma questão geradora, como o indígena percebe a relação indígena-não indígena na formação do professor indígena. Os resultados evidenciam o quanto o indígena valoriza a interculturalidade pautada no respeito e reconhecimento dos saberes de cada povo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Messias Furtado Silva, Universidade Estadual Paulista
Doutorando em Educação para a Ciência -  Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências. (UNESP/Bauru) - Bauru, SP - Brasil. Professor de Licenciatura Intercultural Indígena - Universidade do Estado do Pará (UEPA) - Pedreira, Belém, PA - Brasil
Odete Pacubi Baierl Teixeira, Universidade Estadual Paulista

Doutora em Educação - Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo, SP - Brasil. São Paulo, SP - Brasil. Professora - Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência - Universidade Estadual Paulista (UNESP/Bauru) - Bauru, SP - Brasil

Referências

ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Tradução e Introdução José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama e Claudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida. Nhenbo’e: enquanto o encanto permanece! Processos e práticas de escolarização nas aldeias Guarani. 2005. 272 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

BRASIL, Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil. In: Vade Mecun Saraiva. 25.ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional: lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 11 ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2015. (Série legislação; nº 159)

BRASIL, MEC. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL, MEC. Referencial curricular nacional para a formação de professores indígenas Brasília: MEC/SEF/CAEI, 2002.

CÂNCIO, Raimundo Nonato de Pádua. Para além da aldeia e da escola: um estudo decolonial de aquisição da língua portuguesa pelos indígenas wai-wai da aldeia Mapuera, Amazônia brasileira. 275 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; RUSSO, Kelly. Interculturalidade e educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 10, n. 29, p. 151-169, jan./abr. 2010

CANDAU, V. M. Cotidiano escolar e cultura (s): encontros e desencontros. In: CANDAU, V. M.

Reinventar a escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

COELHO, Ana Cely de Sousa; SILVA, messias furtado da. Experiência pedagógica de professores karaywa na aldeia indígena Mapuera, Oriximiná-Pa. Revista Exitus, Santarém/PA, v. 8, n.2, p. 163 - 188, maio/ago. 2018.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru/SP: Fim de Século, 1999.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Tradução de Sofia Rodrigues. Lisboa: Temas e Debates Atividades, 2000.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. Análise do discurso e suas interfaces: o lugar do sujeito na trama do discurso. Organon. Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. v. 24, n.48, 2010.

FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e Educação. Revista Brasileira de Educação, n.23, maio/jun./jul./ago. 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 29 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 12 ed. Paz e Terra. Rio de Janeiro, 1979.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 11.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOWARD, Catherine V. A domesticação das mercadorias: estratégias WaiWai. In ALBERT, Bruce. e BARROS, Alcida Rita. Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte-amazônico. São Paulo: Unesp, 2002.

ISA. Enciclopédia dos Povos Indígenas no Brasil. Disponível em: http://pib.socioambiental.org/pt/povo/gaviao-parkateje/515 Acesso em: 12 de jan. de 2016.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Tradução Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LUCIANO, Gersen dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

LUCIANO, Gersen dos Santos. Educação para o manejo e domesticação do mundo: entre a escola ideal e a escola real: os dilemas da educação escolar indígena no alto Rio Negro. Tese (Doutorado em Antropologia) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, DF: 2011.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Martin Claret. 2002.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni P. Michel Pêcheux e a Análise do Discurso. Revista Estudos da Linguagem, Vitória da Conquista, n.1, p. 9-13, jun./2005.

ORLANDI, Eni P. Do sujeito na história e no simbólico. In LABEURB. Contextos epistemológicos da análise do discurso. Campinas: Laboratório de Estudos Urbanos da UNICAMP, 1999. Série Escritos. v. 4.

PALADINO, Mariana. Estudar e experimentar na cidade: trajetórias sociais, escolarização e experiência urbana entre “jovens” indígenas Ticuna, Amazonas. 2006. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

PALADINO, Mariana; ALMEIDA, Nina Paiva. Entre a diversidade e a desigualdade: uma análise das políticas públicas para a educação escolar indígena no Brasil dos governos Lula. Rio de Janeiro: Contra Capa; LACED/Museu Nacional/UFRJ, 2012.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do obvio. Tradução Eni Pulcinelli Orlandi et al. 3 ed. Campinas, SP: UNICAMP, 1997 (Coleção Repertórios)

PÊCHEUX, Michel. Análise Automática do Discurso. In: GADET, Françoise. e HAK, Tony. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução a obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani. 5 ed. Campinas, SP: Unicamp, 2014.

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, Françoise. e HAK, Tony. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução a obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani. 5 ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

PONCE, Anibal. Educação e luta de classes. 24 ed. São Paulo: Cortez, 2015.

RIKPARTI, Karini Goreth. Pyt Mē Kaxêre e o ensino de história na escola indígena. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura Intercultural Indígena) - Universidade do Estado do Pará, Marabá, 2016.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Línguas indígenas brasileiras. Brasília, DF: Laboratório de Línguas Indígenas da UnB, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. Organizado por Charles Bally e Albert Riedlinger. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 27 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

SECAD. Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Cadernos SECAD, v.3 Brasília, DF: Secad/MEC, 2007.

SURUÍ, Warykatu. Produção e aplicação de cartilha em escola indígena: mamíferos da cultura Aikewara. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Licenciatura Intercultural Indígena) - Universidade do Estado do Pará, Marabá, 2016.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Belém,PA: UEPA, 2012.

WALSH. Catherine. Interculturalidad, descolonizacion del estado y del conocimiento. Buenos Aires: Del Signo. 2006.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, Colômbia, n.9, p.131-152, jul./dic.2008.

WALSH. Catherine. Estudios culturales latnoamericanos: retos desde y sobre la región andina. Quito: Universidad Andina Simón Bolívar/Abya-Yala, 2003.

Publicado
2018-10-14
Como Citar
Silva, M. F., & Teixeira, O. P. B. (2018). Educação superior indígena: análise do discurso do indígena sobre o papel do professor não indígena na sua formação acadêmica. ETD - Educação Temática Digital, 20(4), 1036-1058. https://doi.org/10.20396/etd.v20i4.8650072